Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

» Como o Google favorece a manipulação política

» Por um novo Pacto das Catacumbas

» Chantagem do governo aos desempregados

Rede Social


Edição francesa


» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


Comentários sobre esse texto:

Como evitar a catástrofe climática

Parabenizo pelo texto.

95% das riquezas do Planeta estão nas mãos de 5% por cento da população global. A responsabilidade pela crise climática está nas mãos dos homens.

As grandes corporações, e as Bolsas de Valores, templos de especulação de capitais, têm que ser chamadas à responsabilidade e dar a sua contribuição, no mesmo peso da força das suas transações, para mitigar a crise climática.

Os econegócios da descarbonização são, dentre todos, os mais potentes para combater a crise climática, transferindo massas de recursos para a sustentabilidade.

A crise climática é o maior, mais urgente e mais destruidor de todos os problemas ambientais que a humanidade vive na atualidade. Transversal a todos os problemas ambientais a crise climática precisa ser combatida de forma incisiva e imediata.

Anexo artigo "Descarbonizando ações nas bolsas" publicado recentemente sobre o assunto.


Site: Descarbonizando ações nas bolsas
Eduardo Athayde
2007-04-10 17:55:28

Como evitar a catástrofe climática

Fato é que está sim ao nosso alcance.
Não são os políticos que deverão comecar a "revolução da Energia". Muito menos os grandes exploradores do petróleo -que estão mais que certos em agir como vêm agindo, visto que nao quebrando paradigmas lucram e o lucro é a base do capitalismo- somos nós, em família, entre amigos, companheiros.

Há 3 dias ouvi um amigo comentar ao falar sobre pobreza "Tenho que agir de forma tal que se os 10 mais ricos do mundo fizessem igual, o mundo seria melhor. Do contrário prefiro morrer."

Não creio que esse comentário estenda-se somente à pobreza mas a todo e qualquer problema mundial.

Devemos agir sim, de forma tal que sejamos exemplos, que façamos nossa pequena parte, que os recursos acabem em 31/12/2049, mas que seja por nossa causa q não acabarão em 2050. Façamos nossa pequena parte, sejamos exemplos, comecemos a conscientizar os demais, do contrário não vejo razão para estarmos aqui.


Silva
2007-03-27 21:04:05

Como evitar a catástrofe climática

A única forma de reverter o processo é através da conscientização das pessoas, pois o "poder econômico" não tem consciência, pois visa o lucro imediatista.

Em paralelo às empresas estão os Estados Nacionais, que tendem a resolver suas questões pela força.

Em entrevista concedida à Rádio CBN, quando da divulgação de relatório da WWF a respeito do esgotamento dos recursos naturais, fui um pouco dramático, porém bem realista, ao afirmar que as atuais grandes potências continuarão a manter sua hegemonia pela força e, em 2050, quando os recursos naturais estiverem esgotados, estariam à busca das deradeiras reservas mundiais, e que, neste caso, o Brasil poderia ser o placo de uma guerra pela cobiça de seus recursos naturais ainda existentes.

Muitos acham que é uma fantasia se falar de aquecimento global e de mudanças climáticas. Possuo uma propriedade rural e nela procuro plantar alimentos sem o uso de agrotóxicos e efetuar a adubação natural. Vejo que as culturas de inverno têm reduzida a sua produtividade pelo simples fato de termos alguns dias quentes (chamado de veranico).

Onde efetivamente chegaremos com a destruição do nosso ambiente ainda é uma incognita, pois os efeitos principalmente sobre o regime de chuvas e na temperatura podem alterar decisivamente a produção de alimentos, ou no mínimo encarecer os custos de produção, para que os cultivares sejam protegidos das excepcionalidades do clima.

Lembro-me muito bem de uma frase que dizia que "a agricultura é o mesmo que uma indústria sem teto", vez que esta é fortemente vulnerável às variações climáticas.


François E. J. de Bremaeker
2007-03-01 21:24:34

Como evitar a catástrofe climática

Matérias como esta são sempre muito bem vindas, pois trazem em sua essência informações precípuas e esclarecedoras que podem levar as pessoas a uma mudança de paradigma e a uma proposição verdadeiramente humana.
Deixado alguns exageros de lado, se é que há, visto que, Hermann Scheer não afirma em seu texto exatamente o que expressa Júlio em um comentário (Uma usina eólica não fica de pé em 1 semana. E uma central térmica não fica pronta em 5 anos.). Comentário que desconsidera alguns fatores intervenientes na edificação destas estruturas e que repercutem na variável tempo; o que podemos e importa fazer é disseminar essa matéria, é promover o debate e a discussão, numa perspectiva de conscientização e de busca num entendimento de que não somos a teia, mas apenas um de seus fios nesta relação: “Seres ditos humanos X Planeta Terra”.
Não acredito que o grande fator de risco pelo qual nosso planeta agoniza seja a quantidade de pessoas que nele vivem (como está explícito em um comentário feito por Emir Bocchino), pois para esse problema nada melhor do que uma política pública séria e compromissada de planejamento familiar. O mesmo tem parcialmente razão quando se refere à relação ser humano e Planeta, já que, como num ecossistema, é necessário um equilíbrio entre os elementos que o constitue. Portanto, há uma relação de dependência, o que deveríamos ter era respeito pelo ambiente em que vivemos, muito diferente do que acontece, um consumismo nada civilizado, sem limites e uma relação altamente destruidora.
O problema do Planeta Terra é o ceticismo e a insensibilidade que se apodera dos corações e mentes das pessoas que detêm poder político e econômico. O egoísmo dessas pessoas chega a níveis absurdos, aponto deles deixarem de ser seres humanos e se sentirem “deuses”, senhores de suas mesquinhas e vis vontades.
Como diz Alain Accardo: Humanismo, para quê?
“Nos tempos atuais, a libido dominandi, vontade do poder temporal multiplicada pela acumulação do capital, exibe-se e transita alegremente. O dinheiro tornou-se um bem em si, meio e fim de qualquer atividade, sinal de êxito social e motivo de orgulho”.
“O nó da questão”, bem definido por Hermann Scheer, é que quem monopoliza a energia primária, e isso acontece também em outros seguimentos, não quer mudar de opinião, não quer dividir o poder na gestão desse seguimento, tendo que, o mesmo se regionalizaria e seria menos comercial. Para essas pessoas pouco importa se o Planeta vai explodir, se pessoas sofrem com tanta poluição e miséria, para eles prevalece o agora, o luxo, o ápice da pirâmide..., o futuro, as próximas gerações, as atitudes deles dizem tudo.
Providencial está mesmo é o comentário do Fernando, simples e objetivo, muito menos prolixo do que o meu. Contudo, entendo que as iniciativas pessoais, de grupos e dos três poderes: (legislativo, executivo e judiciário) devam cronologicamente acontecer paralelamente, pois nem nós e nem a Terra dispomos de tanto tempo assim.


Cícero Júnio
2007-02-20 19:30:00

Como evitar a catástrofe climática

Tudo o que li na matéria e também nos comentários dos colegas são de grande valia, porém gostaria de salientar que o grande problema de energia e emissão de gases venenosos e danosos ao planeta estão intimamente ligados a um fator que parece estar sendo esquecido ou até mesmo ignorado por todos. O planeta terra, este pelo qual todos têm expressado preocupação, não suporta mais a quantidade de pessoas que nele vivem. A densidade demográfica é um problema sério e talvez seja o grande fator de risco pelo qual nosso planeta agoniza. É muita gente consumindo, mesmo que de maneira civilizada, os recursos de um lugar que precisa de espaço para se refazer. Produz-se muito lixo, muitos gases e a natureza não tem condições de aguentar toda essa sujeira. Não adianta querer que o planeta se adeque ao ser humano, nós é que temos que perceber que dependemos da terra e não ela de nós.


Emir Bocchino
2007-02-14 16:30:05

Como evitar a catástrofe climática

A energia elétrica da Ilha de Fernão de Noronha é gerada por moinhos eólicos, é simples, em Olinda-PE, um desses moinhos, instalados na entrada da cidade, contribui para iluminar a cidade alta; iniciativas como essa, tímidas, vão servindo como exemplo de como o poder público pode tomar iniciativas de vanguarda na substituição progressiva da matriz energética. É preciso pressão dos grupos organizados com compromisso com os destinos da humanidade para que se dêem passos mais largos para o abandono dos combustíveis fósseis.


Ronaldo Negromonte
2007-02-14 14:31:29

Como evitar a catástrofe climática

Adicionando mais alguma coisa aos comentários e sugestões, diria que do ponto de vista Brasileiro, poderia ser estabelecido um prazo de cinco anos para que a Industria Automobilistica migre compulsoriamente da tecnologia perdularia atual, para os veículos hibridos e ou eletricos, dando assim uma pequena contribuição nesta área. Por outro lado, a eliminação das queimadas, poderia também contar com uma legislação mais eficiente e ser usado o poder coercitivo das Forças Armadas Brasileiras, que já possuem uma boa estrutura disseminada pelas regioões mais atingidas. Com a utilização de helicopteros e aviões destas Forças, seria muito mais eficiente a efetivação das ações para eliminação destas praticas normalmente utilizadas por inescrupulosos "Fazendeiros" que derrubam as florestas para "Plantar boi ", muitas vezes com o incentivo do próprio governo, como aconteceu na região de Gorotire quando o Bradesco, Volkswagen e Bamerindos, na década de 70, destruíram uma enorme área com uma enorme riqueza em Madeiras Nobres que viraram fumaça.


GABRIEL BRASIL
2007-02-14 14:05:21

Como evitar a catástrofe climática

Creio que mesmo em pequena escala os governos municipais comprometidos com um novo mundo ,deveria adotar projetos em parcerias com as universidades de incentivar e implementar energias limpas e em breve economicas.Um esforço de todos os governos evitaria a catástrofe climatica e a ganancia dos poderosos.Liza Prado


liza prado
2007-02-14 13:44:20

Prioridades críticas

Mais uma vez, este site expõe de forma realista e alarmista mais uma decadente situação mundial(talvez a mais crítica de todas) , que é a questão das emissão de gases tóxicos e o risco crescente do aumento das usinas nucleares, lixo etc.
Questões essas, que devem ser tratada principalmente pelas grandes potencias, que são os principais emissores.
Mas, creio que há situações que requer atitudes imediatas pricipalmente em nosso país.
Não podemos ser submissos á exploração e degradação ambiental que ocorre no Brasil.
Incentivos a produção agricola, queimadas irregulares, tráfico da fauna e flora. Governo mediocre conivente, e população alienada.
Temos o que a de melhor no planeta terra, que é a maior biodiversidade do mundo, e devemos protega-la de todas as formas, independente dos meios.


charas..
2007-02-14 13:00:04

Como evitar a catástrofe climática

Trabalho em uma empresa japonesa, a Yokogawa, com iso 14001, exige de cada funcionário uma mudança de postura quanto à forma de tratar as questões ambientais.

Essa mudança requer um trabalho muito grande de conscientização envolvendo não somente a empresa, mas seus funcionarios.

Hj por aqui muitas empresas estao voltadas a procura deste certificado, um grande diferencial na qualidade do produto.


kraka
2007-02-14 12:59:34

Como evitar a catástrofe climática

Parabenizo a reportagem apresentada e acredito sim ser viável a produção de energia limpa, mas enquanto os governantes e as empresas não forem pressionadas pelo povo não andaremos nessa direção tão rapidamente quanto necessitamos; vejo um potencial enorme para toda a economia com a criação de novas áreas tecnológicas, criando assim novas empresas e muito provavelmente empregos em uma área ainda muito pouco explorada, algo deve estar errado, ou a visão de nossos governates e empresários não conseguem ver além de seus próprios narizes ou o lobby existente para que esses novo projetos não vaiam adiante são muito fortes.


Johnny Izquierdo
2007-02-14 12:24:50

Prioridades críticas

Mais uma vez, este site expõe de forma realista e alarmista mais uma decadente situação mundial(talvez a mais crítica de todas) , que é a questão das emissão de gases tóxicos e o risco crescente do aumento das usinas nucleares, lixo etc.
Questões essas, que devem ser tratada principalmente pelas grandes potencias, que são os principais emissores.
Mas, creio que há situações que requer atitudes imediatas pricipalmente em nosso país.
Não podemos ser submissos á exploração e degradação ambiental que ocorre no Brasil.
Incentivos a produção agricola, queimadas irregulares, tráfico da fauna e flora. Governo mediocre conivente, e população alienada.
Temos o que há de melhor no planeta terra, que é a maior biodiversidade do mundo, e devemos protega-la de todas as formas, independente dos meios.


Site: http://libertaçãoanimal.com
charas..
2007-02-14 12:06:58

Como evitar a catástrofe climática

O fato é: temos vontade política para encarar esta nova realidade? Não me refiro a simplesmente deixar para os políticos profissionais a tarefa de pensar e executar as excelentes propostas para produção de energias limpas oferecidas na reportagem.

A vontade deve partir da nossa própria organização política: família, amigos, vizinhos e parceiros de negócios afins, para produzir a energia limpa e local que atenda diretamente nosso interesse. O problema é global, mas a solução é regional, não é isto que o texto sugere?

Com atitudes determinantes, um pequeno grupo organizado se multiplica e passa a influenciar diretamente na formulação de dispositivos legais, (aí entram em ação nossos políticos profissionais, nobres legisladores) que poderão frear um pouco, ou melhor equilibrar os interesses das grandes corporações.

Boa sorte para todos nós!


Fernando
2007-02-14 11:38:53

Como evitar a catástrofe climática

Sensacional o planejamento e a estrategia dos Alemaes, o mundo atual so aceita projetar a falta de petroleo para depois dos proximos 50 anos, mas os Alemaes ja planejaram e estao a caminho de ser independentes do petroleo apos os proximos 40 anos.

Parabens aos racionais e comprometidos com os fatos.


Alberto
2007-02-14 11:08:16

Como evitar a catástrofe climática

Parabéns pela reportagem. Acabei de chegar numa viagem a Tokyo e percebi como os japoneses preocupam-se com o meio ambiente. Inúmeros carros híbridos e restrições severas as emições de gazes fazem parte deste minúsculo país. As pessoas andam bastante a pé.
A questão crucial é se a população mundial irá um dia "rebelar" contra as emissões do efeito estufa. Isso fará toda a diferença para o sucesso ou o fracasso das empresas para venderem o seu "peixe" se nela conter o "selo verde" de "responsabilidade ambiental".
joaquim


joaquim
2007-02-14 10:30:38

Como evitar a catástrofe climática

Boa noite!

Diante disso tudo, só podemos cumprimentar a Alemanha, país sempre muito responsável.


maria amélia
2007-02-14 03:37:10

Inflamado sim! Texto parcial: realmente não !!!

Ainda que matizada por cores inflamadas (como disse acima o Julio), é muito claro (e o pp Julio diz isso na sua manifestação)que a saída é essa sim !

E que com incentivos e políticas corretos, desenvolvimento científico e tecnológico p/a área considerado efetivamente estratégico e prioritário (e por isso apoiado financeira e institucionalmente),políticas públicas e de desenvolvimento sustentável trabalhadas de maneira integrada e sob foco globalizante (olha-se o combustível ao mm tempo em que se soluciona o problema dos alimentos e assim por diante...), certamente redirecionarimos rotas e interesses mercadológicos, pq se hoje os combustíveis fósseis ainda interessam a parte importante e poderosa do "capital", muito em breve não interessarão mais. Aliás, essa área já está mesmo em declíneo, embora a face continue maquiada.

Ao mundo especulativo (que há muito reina sobre o prudutivo nessa era de tantas indiosincrasias) não interessa de onde venha a cor verde dos $$$, portanto, vamos mostrar a ele (a esse poder que só especula) com mais rapidez e eficácia, que é de seu interesse sim investir nas alternativas "limpas" ( e elas realmente o são).

Há o que se dizer e provar...e com muita consistência científica, política e econômica. não é só esse texto que aponta!

Que não se perca muito tempo com buscas de convencimento próprio, pq o tempo do nosso convencimento racional está milhões de anos luz aquém do tempo que necessitamos, como Planeta e Humanidade (com letras maíusculas!),para mudarmos totalmente o horizonte do nosso "não futuro"!

Essa certeza deve fazer parte da nossa rotina ... isso é virar a mesa e escolher a continuidade da vida!

O texto é inflamado sim, mas para ouvidos surdos, mentes ’poderosamente" viciadas e corpo temeroso é preciso GRITAR !!

Parabéns pela coragem de reproduzir para nós essa reportagem!
Celeste Melão


Celeste Melão
2007-02-14 03:34:19

Como evitar a catástrofe climática

gostei do exemplo do que a Alemanha está fazendo para diminuir o consumo dos combustíveis fósseis, e acho que seria interessante ter uma política parecida com esta no Brasil.

Seria difícil, mas se o governo incentivasse as empresas que trabalham com energias renováveis poderíamos sim diminuir o uso de combustíveis fósseis. O governo não apóia a instalação de grandes empresas dando incentivos fiscais? Então essa poderia ser uma forma de incentivo ás estas empresas


cezer
2007-02-14 02:18:24

Como evitar a catástrofe climática

Os interesses financeiros sobrepõe qualquer consciência, principalmente a ambiental. O ideal é sempre uma solução de mercado; desenvolver uma campanha publicitária de amplo spectro de penetração na sociedade de um "programa de desaquecimento global". Em paralelo, criar um selo para empresas que desenvolvam o programa e apresentem resultados positivos e mensuráveis. Isso traz visibilidade ás empresas e estimula o consumo dos produtos de "desquecimento global e energia limpa", equilibrando os investientos industriais através do consumo em escala.
Parece simples, mas é marketing
nilson


nilson ricardo
2007-02-14 01:13:48

Como evitar a catástrofe climática

O texto apresenta questões relevantes quanto aos aspectos de política energética para os próximos decênios propondo ao leitor um novo paradigma.

Embora algumas informações de natureza técnica possam suscitar dúvidas estas não afetam o real valor contextual quanto à proposição de que devamos diminuir o mais rapidamente possível, a dependência dos sistemas de energia baseado em fósseis seja para geração de eletricidade ou para a combustão de automotores.

Torna-se interessante notar que a postura do atual governo americano em relação ao tema também modificou-se. A questão é a extensão, o por quê, o quanto e no que implica esta modificação?

Devemos lembrar que representantes daquele governo pretendem vir ao BRASIL com pauta para este tema.

César


César
2007-02-14 00:57:51

Como evitar a catástrofe climática

O avanço no uso das energias renováveis só não é maior por cegueira do governo, e descompromisso com um verdadeiro futuro sustentável. O Brasil possui um potencial gigantesco em quase todas as energias renováveis: solar, eólica, de ondas, de marés. E não há nenhum incentivo público para adoção dessas energias. A culpa sempre é do preço. Pois sem investimento, pesquisa e desenvolvimento incentivados os preços certamente não baixarão.

Aqui na Europa a adoção dessas medidas já é normativa, e há incentivos por parte do governo. Por que não o mesmo no Brasil? Por que a preferência em investir em usinas nucleares e depois não saber o que fazer com o lixo? Ou achar que sabe e correr o risco de uma acidente? Energias renováveis são limpas e estão ai, a nossa disposição para serem exploradas com pouquíssimo ou nenhum impacto ambiental.


Henrique S.B.
2007-02-13 22:59:37

Como evitar a catástrofe climática

Tenho algumas duvidas sobre a substituição, ainda que parcial de combustíveis fósseis por derivados de biomass. A queima destes não produz o mesmo, ou quase o mesmo efeito? Ou será que êles queimam a frio.
Onde arrumar área para plantar com fim de produção de combustíveis? AQual o efeito disso sobre o preço dos alimentos?
Se algué tiver, por favor me esclareça.
Evandro Soares - São Paulo


Evandro
2007-02-13 22:49:49

Como evitar a catástrofe climática

Como evitar a catástrofe climática.
Um texto oportuno e bem embasado. De fato, a mudança climática e o fenômeno trágico do aquecimento global somente agora, neste começo de século 21, começam a despertar a atenção dos líderes dos chamados países "ricos" e superdesenvolvidos.
O que será necessário, acredito, enquanto ainda há tempo, é mudar conceitos como o de um crescimento "infinito" da economia, diante de recursos naturais finitos. É hora de passar das belas palavras, seminários e documentos para ações concretas. O modelito atual neoliberal deve ser rediscutido, para que nossos filhos e nossos netos possam herdar um Planeta viável, em lugar do cenário de destruição que estamos legando a eles. Renato Gianuca - Porto Alegre (RS)(rgia@via-rs.net)


Renato Gianuca
2007-02-13 21:04:30

Como evitar a catástrofe climática

O texto é parcial e inflamado.

Uma usina eólica não fica de pé em 1 semana. E uma central térmica não fica pronta em 5 anos.

Isto parece mais um protesto inflamado de um ativista do que uma reportagem política, ainda que esteja bem balisada em fatos.

A energia limpa sim deve ser adotada. Mas sem os devidos incentivos financeiros não é possível que a iniciativa privada invista. Ou os governos se comprometem seriamente a investir (seja com a compra garantida de energia limpa a uma tarifa justa - entenda, maior que a praticada atualmente no mercado para as outras matrizes, mas que recompense o investimento limpo - ou não tem solução.


Julio
2007-02-13 20:38:09

Como evitar a catástrofe climática

Realmente... parece a solução para o grande, senão maior, problema da humanidade, pois pode determinar o seu fim... Entretanto há o grande impecilho que é o interesse financeiro por parte de muitos.
Só nos resta esperar a real conscientização dessa gente e principalmente daqueles que podem fazer algo.

Luiz A.Cardoso
zeroh3@hotmail.com



2007-02-13 20:31:59

Como evitar a catástrofe climática

O que colocarei parecerá utopia para alguns , mas pertenço a um grupo de pesquisas que obtém energia através da água pela eletrólise no qual ultimamente houve ótimos resultados , no qual foram possibilitados movimentar motores com velocidade em baixa rotação


Carlos
2007-02-13 20:17:16

Como evitar a catástrofe climática

Parabenizo esta reportagem!
Até que enfim uma luz no fim do túnel que não seja apenas favorecer às grandes corporações.
Precisamos urgentemente fazer algo e colocar nossos parlamentares a par disso.


Ronã Rinston - Minas Gerais
2007-02-13 19:05:56

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.