Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como a Estônia concretizou o passe livre

» Marielle Vive! e a lógica do condomínio

» Quando os ditadores despencaram da parede

» Dois caminhos para as Novas Ciências

» Paulo Guedes pego na mentira

» Depois do senhor Guedes e de seu capitão

» Amazônia: caminho para o pós-Bolsonaro

» Tarifa Zero, a experiência europeia

» Marielles na Amazônia: apontar, fogo!

» Na África do Sul, a xenofobia não tem cor

Rede Social


Edição francesa


» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour

» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil


Edição em inglês


» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


Comentários sobre esse texto:

Washington à beira de um desastre estratégico

Há um erro na estratégia dos EUA para com os paises mulçumanos, o pouco caso que foi dado a esses países historicamente, o não cumprimento das promessas depois que este cumpriam o seu papel, e o apoio incondicional a Israel, tudo isso levou a que os países mulçumanos não cofiassem mais nos EUA e chegou até a espalhar o ódio aos EUA nesta região.
Quanto a questão de Israel os EUA deveriam através de acordo ceder territórios ocupados por Israel, para a própria segurança Israel deveria começar uma conversação de paz com os países árabes, historicamente Israel tem sim direito a esse território, porem com a queda de Jerusalém pelo império romano estes mesmos fugiram, e quem teve que livrar o território da ocupação romana foram os árabes que viveram nela por muitos séculos depois disso, e ao final da segunda guerra mundial, os EUA simplesmente cria no território árabe o Estado de Israel, e este não contem ainda faz incursões para ampliar seu território.
O ódio causado por estes atos são justificáveis.


Thiago
2007-04-17 22:54:53

Washington à beira de um desastre estratégico

Sim, o governo Bush não foi capaz de entender o mundo arabe, por conseguinte adotou politicas equivocadas. Obvio tambem é, que a politica americana é demasiadamente influenciada pelos interesses israelenses.

Por outro lado, deve se reconhecer que, praticamente, é impossivel desenvolver uma politica logica e ampla para uma região controversa como o oriente medio.Apesar dos povos que confessam basicamente a mesma religião não se entendem entre si e são paises estremamente atrasados em relação ao mundo.

Chega ao ridiculo um lider islamico negar a existencia de Israel, quando historicamente se sabe que Israel ja existia quando os tribos arabes eram ainda errantes no deserto.

A conclusão é simples:
Um erro leva a outro
Todos tem razão
Todos estão errados.


Peter Karady
2007-04-03 04:35:22

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.