Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 10 de julho de 2020

» A luta decisiva contra o reconhecimento facial

» “Austeridade”, uma concha vazia

» Um vírus que revela nosso dissídio com a Natureza

» (Auto)cuidado – coletivo, político e inadiável

» Por que aproxima-se uma onda de fome no Brasil

» 9 de julho de 2020

» A formação da personalidade autoritária

» A estratégia indígena para enfrentar o vírus

» Brasão da PM: coleção de massacres em nome da elite

Rede Social


Edição francesa


» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers


Edição em inglês


» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


Comentários sobre esse texto:

Trabalhar mais, para ganhar menos

Uma parte do texto me chamou bastante atenção:

"O segundo postulado consiste em dizer que não se pode mexer na distribuição das rendas. Ora, assim como os salários, os dividendos são um elemento da determinação dos preços: um aumento dos salários pode, perfeitamente, ser compensado por uma baixa dos benefícios financeiros, de tal forma que a competitividade permaneceria imutável. Portanto, uma outra política salarial é possível. Essa deve ser coordenada no nível europeu e acompanhar o repasse dos rendimentos financeiros para os salários - contrariamente ao que ocorre há mais de duas décadas."

O capitalismo é uma serpente que engole sua própria calda. O processo desigual e combinado sempre gerará uma má distribuição de renda. Os dono do capital vão realmente distribuir seus benefícios finaceiros (lucro) com os empregados???
Isto seria a materialização da Utopia!!!


Luciano Machado
2007-05-01 03:14:37

Trabalhar mais, para ganhar menos

Vemos que as mulheres, ainda hoje, sofrem com as desigualdades salariais e continuam ganhando menos que os homens, até mesmo nos países mais desenvolvidos. E no Brasil essa desigualdade é muito maior, como se vê no nosso cotidiano.


Elaine
2007-05-01 02:57:52

Trabalhar mais, para ganhar menos

Será que garantir o salario mais alto de apenas aqueles que já estão trabalhando é a solução? Será que haverá a formação de novas empresas, se o salario mínimo for de 1500 euros? Quantas vezes um empregador pensará para contratar mais um funcionário? Será que uma grande empresa escolherá ficar num país com regras tão estritas ou transferirá sua produção para outro país menos estrito? Estas perguntas devem ser discutidas para chegarmos a uma conclusão.


Bruno Zelinski
2007-04-30 23:24:47

Trabalhar mais, para ganhar menos

Leitura oportuna, máxime quando os defensores da política neoliberal buscam convencer a população de que no Brasil se há empregos de menos é porque há benefícios de mais. Pregam a falácia de que a inexistência de direitos trabalhistas mínimos, abriria espaço para um boom de contratação, portanto, é o trabalhador formal o responsável direto pelo desemprego do seu vizinho.
O princípio básico da livre negociação entre duas partes, é o equilibrio entre elas. Partes desiguais não negociam, uma impõe, a outra aceita.
O texto, claro e objetivo, alerta para essa luta pelo lucro desenfreado dos meios de produção corrente na Comunidade Européia. O que diríamos nós das bandas do Mercosul?


Jovaniel
2007-04-30 22:41:49

Trabalhar mais, para ganhar menos

Grande novidade!!! Quem é assalariado sente essa desigualdade brutal na pele há muitos anos ... deixo aqui uma pergunta: como é que podemos nos qualificar para conseguirmos o tão sonhado trabalho estável e bem pago se nossos salários atuais não permitem que façamos isso???
Já perdi as esperanças... jamais sairemos desse circulo vicioso que se chama neoliberalismo.


Mariana
2007-04-30 22:17:53

Trabalhar mais, para ganhar menos

quem não estiver satisfeito com seu salario, por favor monte uma empresa.....



2007-04-30 21:43:10

Trabalhar mais, para ganhar menos

E acompanhando esta lógica vem a reboque a destruição do planeta. O neo capitalismo esta garantindo a uma pequena parcela da população a oportunidade de sentar-se em sua montanha de dinheiro e assistir a degradação do mundo e dos homens.


Sonia Lucia
2007-04-30 21:35:55

Trabalhar mais, para ganhar menos

Pois é , graças a essa maldita crença neoliberal nos pagamos por outros serem mais ricos e nós trabalhamos cada vez mais para ganhar cada ves menos



2007-04-30 14:33:05

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.