Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


Comentários sobre esse texto:

Novo mosaico das resistências mexicanas

“-Pobre México. Tão perto dos EUA, tão longe de Deus!” Essa frase do então presidente Lázaro Cárdenas, em 1936, continua atual. Díficil para uma esquerda se organizar num país que por muitas décadas foi o que se pode chamar de ditadura civil, um monopartidarismo na prática. Figuras como Salinas e Fox enterraram o que restava do país - um dos mais belos do mundo em riquezas arqueológicas - e Obrador, por sua vez, é oriundo do PRI e dele não há muito o que se esperar. Não é possível nem falar em traição, nesse caso. A chave para o ressurgimento da esquerda real e combativa porque democrática, está em Chiapas, na experiência dos caracóis. Está agora também despontando em Oaxaca. Viva México, con Zapata, Villa y Marcos!!


Cumplidor
2007-05-05 00:38:48

Novo mosaico das resistências mexicanas

A luta e a resistência da gente mexicana é arrebatadora, mas a razão retém o meu entusiasmo e simpatia : dentro dos próximos anos nenhum país vizinho dos Estados Unidos chegará à esqueda. O processo sul-americano, com Chavez, Evo Morales e os que de certo modo mais os apóiam do que combatem - a exemplo do nosso Lula- foi um cochilo do capitalismo que já se refez do susto e, não sejamos ingênuos,já retomou suas providências.A modesta esquerdista, Segolene, não será eleita na França.


Inez
2007-04-30 02:00:13

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.