Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Em busca da funda de David

» Outras Palavras prepara nova travessia

» Argentina: o que esperar de Fernández e Cristina

» 2019, o ano do Pibinho do Guedes

» Lowy resgata a atualidade de Walter Benjamin

» Como Weintraub devasta e militariza a Educação

» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

Rede Social


Edição francesa


» La pêche, une guerre mondiale ignorée

» L'homme et les robots

» Le crépuscule de la raison

» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour


Edição em inglês


» UK's austerity election

» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


Comentários sobre esse texto:

Novo mosaico das resistências mexicanas

“-Pobre México. Tão perto dos EUA, tão longe de Deus!” Essa frase do então presidente Lázaro Cárdenas, em 1936, continua atual. Díficil para uma esquerda se organizar num país que por muitas décadas foi o que se pode chamar de ditadura civil, um monopartidarismo na prática. Figuras como Salinas e Fox enterraram o que restava do país - um dos mais belos do mundo em riquezas arqueológicas - e Obrador, por sua vez, é oriundo do PRI e dele não há muito o que se esperar. Não é possível nem falar em traição, nesse caso. A chave para o ressurgimento da esquerda real e combativa porque democrática, está em Chiapas, na experiência dos caracóis. Está agora também despontando em Oaxaca. Viva México, con Zapata, Villa y Marcos!!


Cumplidor
2007-05-05 00:38:48

Novo mosaico das resistências mexicanas

A luta e a resistência da gente mexicana é arrebatadora, mas a razão retém o meu entusiasmo e simpatia : dentro dos próximos anos nenhum país vizinho dos Estados Unidos chegará à esqueda. O processo sul-americano, com Chavez, Evo Morales e os que de certo modo mais os apóiam do que combatem - a exemplo do nosso Lula- foi um cochilo do capitalismo que já se refez do susto e, não sejamos ingênuos,já retomou suas providências.A modesta esquerdista, Segolene, não será eleita na França.


Inez
2007-04-30 02:00:13

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.