Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Geopolítica das próximas Guerras pela Água

» Uma caminhada na cidade dos não-confinados

» O dinheiro que não existia reaparece

» Bolsonaro recuou. Por quê?

» China: as lições da pandemia e o depois

» Brasil: a insanidade vai muito além de Bolsonaro

» Vigilância em tempos de educação à distância

» Todos escrevem ao Presidente

» Mapas do coronavírus: desafios e direções

» Três medidas de emergência contra a crise social

Rede Social


Edição francesa


» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général

» La citoyenneté au bord du gouffre

» À nos lecteurs


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

Doce ilusão...

Parece-me utópico crer que as colônias mennonitas do Paraguai possam um dia vir a modificar drasticamente a estrutura econômica e social que aflige aquele país.
Haja visto que, em 80 anos de história, as colônias mennonitas causaram pouco impacto em tal estrutura, e jamais se importaram em atuar marcantemente para tentar tal mudança (é aqui o caso de se perguntar: eles desejariam tal mudança?), é pouco provável que, no futuro, algo venha a ocorrer por esta parcela da sociedade paraguaia que, historicamente, sempre optou por calar-se e seguir sua vida de forma o mais independente possível das questões nacionais. As colônias mennonitas passaram indiferentes à Guerra do Chaco, à ditadura paraguaia (ressaltando-se, aqui, os 35 anos da ditadura de Alfredo Stroessner), o histórico nacional de corrupção, e, recentemente, as turbulências econômicas pelas quais o país tem passado, com a abertura indiscriminada das fronteiras ao capital estrangeiro. Creio ser no mínimo desanimador aguardar que justamente os mennonitas tomem em suas mãos a responsabilidade de modificar a parca estrutura paraguaia.


Rafael Furlan
2006-09-27 20:44:41

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.