Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

» Como o Google favorece a manipulação política

» Por um novo Pacto das Catacumbas

» Chantagem do governo aos desempregados

» Ruínas do neoliberalismo: Chile, caso precursor

» E se as startups pertencessem a seus funcionários?

» Boaventura vê Lula Livre

» América Latina: a ultradireita contra-ataca

» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

Rede Social


Edição francesa


» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


Comentários sobre esse texto:

Cuba, hora de mudanças

Depois de anos analisando os sistemas politicos, e o desenrolar de diversas revoluções, faço uma pergunta que me parece crucial e definidora do estado geral das nações.
Quem ainda pensa em se refugiar no Brasil?
Resposta, cubanos, angolanos, palestinos.
Para onde estão emigrando os brasileiros?
Europa, Estados unidos, Canada, Australia.
Se um pais oferecer boas condições de vida à sua população, ela só sai de seu pais para fazer turismo, e quando ela é vigiada com repressão para que não saia , alguma coisa está errada.
Fatos são fatos e opiniões são meramente opiniões.


José Carlos Lima Mendes
2007-12-27 04:30:17

Cuba, hora de mudanças

Lembro-me como se fosse hoje os revolucionários e Fidel Castro instalados em hotel da avenida Ipiranga em São Paulo -década de 50-e eu reporter de grande jornal na calçada conversando com os vitoriosos e valorosos combatentes que tinham (ou ainda tem) um ideal utópico não totalmente realizado. Tudo aquilo parecia fantástico.Um grande sonho realizado com a Revolução cubana.Entretanto, considerando que na prática a teoria é outra, a fase pós-Fidel é necessário dar ao povo um plebiscito totalmente livre para decidir.Nada de intervenção espúria e militar de nenhum país...Mudanças seriam necessárias,certamente, mas obedecendo a soberania nacional cubana.Tudo dentro da paz e da concórdia.A tolerância, a fraternidade,a igualdade e a liberdade -já e agora-(ou breve) jamais devem ser abandonadas. Nem pensar em intervenção armada do Exterior, evitando nominar historicamente paises direta ou indiretamente interessados. Cuba-o povo- não merece isso.Nós latinos não queremos jamais um Vietan ou Iraque por aqui..."nas nossas barbas".Bem ou mal Fidel fez história e vamos respeitá-lo até o fim!Sua trajetoria utópica jamais será esquecida...até pelos detratores/adversários (são muitos).Nem tudo foi perdido.Houve coisas positivas.Hoje Cuba nos preocupa...mas também nos emociona pelo drama da "maiêutica"!(sentido grego do termo=o parto das idéias).


Site: Cuba,hora de mudanças
helion verri
2007-06-25 01:57:47

Cuba, hora de mudanças

Concordo com o diagnóstico feito de Cuba e o principal é a produtividade, pois não adiante ter “igualdade” com níveis de pobreza.Porém a solução para o desenvolmento de Cuba é muito complicado: primeiro por que não vejo os dirigentes Partidários com interesse de fazer estas mudanças e em segundo lugar não sei se sociedade cubana está preparada para tais mudanças:trabalhar com produtividade e principalmente liberdade de expressão( respeitar ideias contrárias.È o que penso sobre Cuba.Posso está errado.


Paulo Jorge
2007-06-23 00:33:06

Cuba, hora de mudanças

Meu conhecimento sobre Cuba é ínfimo, entendo muito pouco sobre economia, ideologia, política etc; todavia, de uma coisa eu tenho certeza, como ser vivente e pensante em uma das sociedades capitalistas mais perversas do globo - sendo justamente por isso um privilegiado - se Cuba realmente acumulou, ao longo de todo esse período de revolução um ativo social positivo, quanto ao desenvolvimento de seu povo (IDH), que é cantado e decantado e, por conseguinte, possui uma base social sólida quanto à consciência de seus direitos e obrigações, ou seja, são, em tese, cidadãos acima da média, o que impede Cuba de enfrentar/aperfeiçoar o sistema capitalista?
Lembrando que o enfrentamento assume diversas formas, a mais salutar de todas, no meu entender, é a simbiose - termo que tomo emprestado da biologia - pois cidadãos conscientes deixam de ser taxados de subproduto do sistema capitalista, logo deixam de ser meros coadjuvantes, e passam a interagir com o mesmo o que, em última escala, confere uma resultante positiva que por si só se auto-alimenta na consecução de uma sociedade, quiçá, mais justa, fraterna e solidária.
Em fim, as contribuições positivas tanto do capitalismo quanto da experiência cubana, devem ser enaltecidas ou, caso contrário, continuaremos a caminhar de mãos dadas, todos sem exceção, para o abismo, pois não se trata mais de eleger o sistema econômico vencedor, mas de adequá-los aos desafios velhos e mal resolvido e aos novos, e tenebrosos, que se avizinham.


JACKSON LUIZ DA SILVA AZEVEDO
2007-06-22 14:30:00

Cuba, hora de mudanças

Comecei a ler seu texto com muita atenção até chegar na parte que diz:"... é um regime de partido único, não existe pluralismo de opinião e a economia está totalmente planificada pelo Partido e pelo Estado." Quanto ao 1º ítem, é pobre a afirmativa crítica (inúmeros partidos são fundados e não chegam nunca ao poder como é o caso dos EEUU onde democratas e republicanos se alternam há ... )e daí? mas afirmar que não existe "pluralismo de opinião"(?) na ilha, é demonstrar um viés ou um desconhecimento exagerado daquilo que sempre houve na Cuba pós-59: Apenas um pluralismo substancial (a maioria do povo e não apenas uma pequena elite de intelectuais como ocorre em muitos países ditos democráticos) de opiniões. Desde 1966 até 2004, não foram poucas as vezes que participei alí de discussões sobre os mais variados assuntos, da política até a "pelota", passando pela música, saúde pública, e outras áreas de meu interêsse, com os mais variados interloctores, seja nas academias, nas mesas de bar, "en las calles" ou "en las guáguas" com gente querendo participar como num comício! Quanto a última crítica de que a economia cubana seja planificada pelo seu partido único que já deve ter sido, por certo, também "absorvido pelo Estado"(?), qual a sugestão? Que seja planificada pelo FMI e Banco Mundial como vem sendo feito nos nossos países em eterno "desenvolvimento" ou quem sabe pela FIESP de São Paulo ou pela FARSUL aqui do meu Estado. Esta é a minha opinião sobre seu artigo até aquele ponto assinalado; não li o resto.


Paul Gross ou Zequinha Guanabara
2007-06-22 04:04:16

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.