Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Edição de 3 de junho de 2020

» Boaventura: as hierarquias que estão em xeque

» Quando a razão cínica toma a Ciência

» Sobre as boiadas que passam

» Uma inovação amazônida: o Geojornalismo

» Edição de 2 de junho de 2020

» O capitalismo ensaia sua distopia espacial

» Ultraliberais buscam sobreviver a seu desastre

» Regina, Jair e a manipulação da espontaneidade

» Não peçam o fim dos levantes, diz Alexandria Ocasio-Cortez

Rede Social


Edição francesa


» Sur le toboggan de la crise européenne

» Bouée pour la Grèce, béquille pour l'euro

» Faust et l'alchimie capitaliste

» Indétrônables fauteurs de crise

» Comment la droite américaine exploitait les émeutes

» Les Républicains peuvent-ils tirer parti des émeutes de Los Angeles ?

» Les États-Unis, une nation née dans la brutalité

» Un débat intellectuel en trompe-l'œil

» Le Texas en armes contre le confinement

» Shaw ou l'engagement ironique


Edição em inglês


» June: the longer view

» Another ‘Europeanisation'

» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus

» Austerity is the killer


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)


Comentários sobre esse texto:

O CÉREBRO VISÍVEL DA ARISTOCRACIA FINANCEIRA MUNDIAL

É evidente que algo não mudou, entre a "guerra fria" e a "globalização neo liberal" e esse algo que não mudou, é o contexto do capital da aristocracia financeira mundial, que tutela a própria Reserva Federal dos Estados Unidos desde os anos 30 do século XX e procura fazer o mesmo com todos os outros bancos centrais das potências e dos estados emergentes da Terra.

Nesse sentido, as sucessivas administrações dos Estados Unidos, constituem um dos instrumentos desse poderoso cérebro financeiro, que é o principal estimulador dos processos da "globalização neo liberal", tirando partido da revolução tecnológica-científica em curso.


Martinho Júnior
2007-08-21 11:58:56

A mão (quase) invisível de Washington

O tempo é o maior indicador de que à atuação dos EUA no dominio da influencia em paises estrategicos comercial e militarmente , não medem esforços arquitetados por Washington de quaisquer natureza.A sociedade progressista como a americana, continua liderando e implantando liberdades controladas , fazendo com que o mundo caminhe para a humana robotização.


Site: A mão (quase) invisível de Washington
Roberto Pereira Costa
2007-08-19 01:47:58

A mão (quase) invisível de Washington

De fato,o aparente exito do pensamento unico repousa sobre os alicerces de alguns valores da propria democracia. Paradoxalmente o antidoto contra uma estrategia tao bem desenhada, passa pelo envolvimento e participacao de todos os individuos e organizacoes sociais. Ou seja, somente com uma potente dose de democracia poderemos desmascarar a forma mais obscena de fazer politica que pode ser traduzida pelo distanciamento cada vez mais presente na sociedade contemporanea.

Elias Nazareno


Elias Nazareno
2007-07-30 01:58:10

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.