Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

» Cinema: três filmes para olhar além da fronteira

» Pacote Guedes (1): Uma distopia cujo tempo passou

» Pacote Guedes (2): Unidos pelo fundamentalismo

» A execução de Baghdadi e o autoengano do Ocidente

» Por que fracassou o mega-leilão do Pré-Sal

Rede Social


Edição francesa


» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors

» Gagnants et perdants de l'ouverture chinoise

» L'islam au miroir de la télévision


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


Comentários sobre esse texto:

Big Brother

Levando em conta que até um comercial de sabão em pó pode assumir aspectos totalitários, não vejo porque calcar a crítica especificamente no programa. Vale lembrar que a televisão reflete a sociedade e esta, ao se espelhar naquela, tão somente devolve a resposta ao seu retrato fiel emitido pela tela. Somos um mundo doentio, que precisa de espetáculos medíocres para esvaziar nossas mentes decepcionadas com o resultado infrútifero de séculos de especulações filosóficas. Ninguém ficou mais feliz depois do iluminismo e pensar demais "dói", é o que a maioria das pessoas descobriu, porque então enxergam coisas que antes não viam e chegam à conclusão de que não poderão modificá-las. O fanatismo por uma "televisão inteligente, apologística das programações 100% cults" também revela outras faces de nosso voyerismo/exibicionismo, embora travestido pela intelectualidade: documentários sobre guerras civis, documentários sobre mazelas sociais, mesas redondas debatendo múltiplos assuntos...Será que há mesmo interesse maior e preocupações sociais e humanitárias de quem assiste/debate , ou trata-se apenas de compensação das próprias misérias através da comiseração com as desgraças alheias? Não é o BB que nos faz piores, nós é que criamos o BB. Em verdade, somos nós os corrompidos, SEMPRE FOMOS, a literatura do Marquês de Sade já indicava há tempos nossos vícios, mas agora a TV veio para tornar pública e menos restrista aos "círculos pensantes" as nossas abominações e ridicularias.


Iva
2006-10-16 14:38:37

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.