Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Caetano Veloso, 80: O avesso do avesso do avesso

» 5 de agosto de 2022

» Revolução sexual, projeto feminista

» O dia em que Caio Prado aportou em Buenos Aires

» Ucrânia: as dores que o Ocidente não vê

» Por que aliar a saúde pública e às lutas ecológicas

» Em busca das origens do declínio ocidental

» 4 de agosto de 2022

» Boxe e escravidão: a história de Tom Molineaux

» Cinema: A arte brasileira sitiada num show de horrores

Rede Social


Edição francesa


» L'Europe en retard d'une guerre industrielle

» La naissance de Dracula

» Un barrage peut en cacher un autre

» Quand le bio dénature le bio

» CFDT, un syndicalisme pour l'ère Macron

» La Palestine, toujours recommencée

» Prêcher la haine au nom du Bouddha

» Petite histoire des grands moments de la science-fiction

» Au Japon, fausse audace économique, vrai nationalisme

» Quand une respectable fondation prend le relais de la CIA


Edição em inglês


» America's ageing nuclear facilities

» Julian Assange, unequal before the law

» Wuhan: the Covid diary

» The high price of becoming a student in Russia

» Why Parisians fear and loathe Saint-Denis

» Kosovo's problematic special status

» Summer in Moldova: will the party have to stop?

» Three little letters the world came to hate: IMF

» Will the FARC accords finally work under Petro?

» A tiny piece of Palestine, not quite forgotten


Edição portuguesa


» Dos lucros dos oligarcas aos vistos dos pobres

» Em defesa da água e do futuro do Algarve

» A escrita delas, África em Portugal (ou Donde sou)

» Vozes femininas e o livre imaginar

» O Comité de Salvamento Privado

» A burguesia francesa recompõe-se em Versalhes

» Que país pode ser independente?

» O fim do desencanto para os ex-guerrilheiros?

» Acarinhar Pinochet, destruir Assange

» Ardósia mágica


Comentários sobre esse texto:

Como Washington atiça o Irã

Talvez o Irã persiga dominar a tecnologia nuclear apenas como instrumento de dissuazão, afinal está cercada por todos os lados de nações que tem grandes arsenais atômicos. E nada garante que uma mudança de regime possa provocar uma postura diferente em relação ao domínio da tecnologia de obtenção de combustivel nuclear. O fato é que o Irã se sente ameaçado pelo estado de Israel possuir estes armamentos e a conduta das potências ocidentais em relação ao oriente médio está mais diretamente ligado ao petróleo que a democracia e os direitos humanos.


Nilton C. Porphirio
2007-11-04 15:31:03

Como Washington atiça o Irã

bom a política de provocar é conhecida e já derrubou muita gente boa e também teve que engolir : cuba e vietnã;mas veja bem é discutivel e estranho que dois pilares do bush estejam se estranhando quando são muito afinados e amarrados aos mesmos interesses ambos trabalharam juntos pela política do bastão e ganharam juntos com a intervenção no iraque e não seria diferente agora no irã ou pérsia,o assunto mais delicado agora é resolver o imbróglio com os turcos-que estão muito irados-por se sentirem atirados às feras por um ¨antigo¨parceiro de idéias e armas,e em segundo lugar mas não menos importante o congresso está reticinte em apoiar qualquer atitude do ¨menino¨bush,enquanto não ficar esclarecido as causas e consequências,da derrocada militar e o alto custo em baixas humanas,no que seria um passeio.


hilson mergulhão breckenfeld filho
2007-10-16 14:50:22

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.