Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 29 de novembro de 2021

» Breve nota sobre a futilidade do sucesso

» Paulo Freire e a aposta na comunicação libertadora

» Pochmann: do colonialismo mental ao tecnológico

» 26 de novembro de 2021

» Mundo em desencanto: a alternativa do Comum

» Da tabelinha futebol e literatura sai gol de letra

» A potente imaginação política do Teatro Legislativo

» O tempo de tecer comunidade

» Somos todos cavalos

Rede Social


Edição francesa


» Mirages verts et sobriété californienne

» Harry Potter expliqué aux parents

» Revendications et occupations en mer de Chine méridionale

» Le Vietnam

» De la décolonisation à la troisième guerre du Vietnam

» Diaspora vietnamienne

» Vietnam, comparaisons régionales

» La libération inachevée des Afro-Américains

» L'apparition d'un nouveau type d'homme

» Une flammèche obstinée a embrasé la Guadeloupe


Edição em inglês


» Iraq's great divides

» China is open for investment

» Colonial accountability in Niger

» In search of luxurious communism

» November: the longer view

» The carbon balance

» CO2 emissions around the world

» What's in a phone?

» If only Assange had been Navalny

» India's silent but deadly killer


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2021

» O tecto de vidro europeu

» E a Grécia volta a ser exemplar

» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul


Comentários sobre esse texto:

Condições urgentes

Texto muito bom, claro e bem escrito
... Essa parte é linda:

"O que penso ser preciso para escrever (e ler) é que jamais se deve abandonar as próprias marcas em nome de um conforto que, na verdade, não existe fora delas."

Essencial isso.


Elton Pinheiro
2007-11-19 23:08:03

Condições urgentes

Oi Renata, você por aqui também. Que bom! Estou entre aqueles que acham que a concentração traz o silêncio, o que está em sintonia com a frase do Kafka - "concentração extrema não sabe o que é esforço". E essa questão me permeia desde sempre. Permita-me contar uma história pessoal. Quando criança, eu era extremamente agitado e disperso. Meus pais me levaram ao médico (na verdade uma médica), que diagnosticou: disritmia. Passei dez anos da minha vida, dos 5 aos 15, tomando remédios pesados, que só me traziam sonolência e ferravam meu estômago. Aos 15, pesquisando, cheguei à conclusão de que tratamento alopático para o meu "problema" era inútil. Falei com meus pais que queria abandonar o tratamento. No início foram contra, mas acabaram aceitando. Paralelamente, fui descobrindo o universo da arte, mais pela via da música e da literatura, depois veio o cinema, um pouco de teatro e dança e, por último, as artes plásticas. Percebia que, quando estava envolvido com essas coisas, eu era capaz de ficar horas concentrado, além de ter a sensação de haver encontrado um lugar para a minha inquietação, tantas vezes apontada como algo negativo. Então, aprendi que o afeto associado ao interesse real e sincero por algo seria predominante para que eu pudesse encentrar a minha atenção e, assim, amar as coisas com responsabilidade. Esse momento da minha vida, em que rompo com uma psiquiatria despersonalizante e passo a dar legitimidade ao meu universo interior, é marcante e lançou as bases para a minha relação com a arte, sobretudo com a literatura, e influenciou bastante na minha decisão de tornar-me um escritor.

Desculpe se me alonguei demais em um depoimento tão pessoal. Por fim, gostaria de dizer que achei teu texto muito bom. Não só bom, mas bonito e elegante.

Obrigado,

GM


Guto Melo
2007-10-18 16:20:56

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.