Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Les journalistes américains en accusation

» Israël et la tentation chrétienne

» Du « grand tour » à Sciences Po, le voyage des élites

» Pouvoirs du roman

» Guérilla contre l'avortement aux Etats-Unis

» Au-delà de la fraude électorale, le Pérou profond

» Privés de vie privée

» Tous les chemins mènent au Maghreb

» Ni dieu, ni maître, ni impôts

» La France se penche sur sa guerre d'Algérie


Edição em inglês


» Toward politically engaged scholarship

» Fake news: A false epidemic?

» The financiers who backed Brexit

» January: the longer view

» Mutual suspicion in Greece's borderlands

» Border tensions

» Disunited States of America

» The British monarchy's smoke and mirrors

» UK Brexiteers' libertarian goal

» Time to reform the Peruvian system


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários

» A amarga vitória democrata

» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal


Comentários sobre esse texto:

Multidões inteligentes e
transformação do mundo

Eu gostaria de saber o que quer dizer no paragrafo que diz que a rede é um futuro libertador.



2009-04-09 01:02:25

Multidões inteligentes e
transformação do mundo

Quem acessa a rede e participa do grande evento da Rede? A Rede á algo substancial para o desenvolvimento do consciente coletivo humano. É uma pena que o acesso a ela não é para todos os homens do planeta. É uma pena que o acesso á internet pertence a alguma classe social, no qual acabada inserindo nela a sua visão de mundo dominante, o que essa classe vê como belo; an ideologia intrisica nas rotina da Rede. Qual é mesmo a percentagem de indíviduos do planeta que tem internet?!!!!


Catia Cernov
2007-10-31 14:19:54

Multidões inteligentes e
transformação do mundo

a era industrial surgiu como extensão do comportamento da igreja no séculos anteriores,tentar ceifar idéias não compativéis com o poder e limitar o poder discrisório do homem- como espécie- a iniciativa de criar escolas e obrigar ao serviço militar serviu e ainda serve para domesticar o animal ¨ser humano ¨e sua capacidade contestatória,falharam e falharão quantas vezes tentarem ¨aprimorar¨e ¨cuidar¨do homem;a liberdade crítca comportamental mostra-se resistente em qualquer frente,verga-se mas não se consegue matar o desejo de socializar parar partilhar,sem nenhuma insinuação a importância das redes ou comunas sempre achou espaço no mundo corporativo e viverá enquanto houver quem pense e critique.


hilson mergulhão breckenfeld filho
2007-10-30 13:34:45

Redes sociais, redes neurais

Existe um livro de uma Socióloga, Nanci Valadares de Carvalho, que fala destas redes na antiga Iugoslávia. Curiosamente, ela se desintegrou. Surge uma pergunta sobre seu funcionamento: Sendo as redes totalmente livres, elas conseguem se sustentar ? O nosso cérebro, enorme rede de neurônios, não precisa de supressores e reguladores para se manter são ? A liberdade de pensamento existiria numa rede social se houvessem "neuro-hackers" dispostos a exibir seu poder ? É saudável avaliar o custo do software e o papel de seu produtor não-anônimo x o produtor anônimo e não-responsável por sua criação. Ou poderemos estar caminhando para uma Iugoslávia global, onde o "virus" da identidade de pequenas minorias causou tantos estragos. A vantagem de entendermos este modelo na Internet, talvez seja entender melhor o nosso próprio modelo mental de "egoismo" e "posse". Serão eles q nos mantém vivos ?


Fabio Teixeira
2007-10-28 23:09:09

Multidões inteligentes e
transformação do mundo

Vale a pena conhecer também as idéias do Rizoma dos filósofos Gilles Deleuze e Félix Guattari, que poderia ter sido traduzido sem dúvida nenhuma como Rede: no livro Mil Platôs os autores já apontavam algumas características da rede antes mesmo da Internet existir.


AlexSandro C. Sant’Ana
2007-10-28 21:37:10

Multidões inteligentes e
transformação do mundo

Concordo, e muito, com a idéia trabalhada no texto. O conceito prático de comunicação mudou substancialmente com o advento de novas redes na própria "grande rede", a web. Os blogs, podcasts, grupos de discussão, fórums e rede de amigos possibilitaram uma alternativa de entretenimento (crítico ou não) e, consequentemente, uma nova forma de produção artística. Essa nova produção leva a liberdade ao seu ápice e minimiza o poder sobre um ambiente unido (como falou o primeiro comentarista).

E nesse ambiente está a criação de softwares livres. Eu uso (e abuso) deles, pois estes são frutos de uma nova revolução do entretenimento e do meio social. Ao baixar o Ubuntu (software livre da Linux) e o Firefox ( software livre para acessar site) , vejo o esforço de um grupo social, sem interesses lucrativos.

Ao mesmo tempo percebe-se como o posicionamento de grandes empresas líderes no mercado é periclitante. Elas não pecebem a importância social dos novos conceitos tecnológicos e buscam, exclusivamente, engordar suas contas.

Fico lisonjeado em ver essa mudança tecnológica, pois ainda estou na adolescência. Tenho certeza que as mudanças na rede virtual influenciarão muito no mais uma novo conceito do mundo real, a sociedade.


Lucas Caires
2007-10-28 20:39:40

Multidões inteligentes e
transformação do mundo

Quanto a questão de autoridade, em redes sociais um novo tipo de autoridade parece predominar: Autoridade Cognitiva.
Não uma autoridade que consiste em dizer aos outros o que fazer (administrativa), mas uma autoridade que influencia nossos pensamentos, decisões, opinioes, com nosso consentimento, pois a julgamos confiável e digna de crédito.
Acredito existir uma hierarquia em redes sociais, porém, essa hierarquia é situacional, é subjetiva e é relativa.
Situacional: porque muda ao decorrer do tempo, é no momento do que se analisa.
Subjetiva: porque essa autoridade e essa hierarquia varia de nó para nó (de pessoa para pessoa)
Relativa: porque não existe uma hierarquia única nem mesmo para úm único nó - cada um possui hierarquias que variam de acordo com "o que" se está abordando em uma rede social.

Todo nó é uma folha, Todo nó pode ser uma raíz...


Robert Paulsen
2007-10-28 16:18:17

Multidões inteligentes e
transformação do mundo

Concordo com vários pontos do artigo. Entretanto, acho válido comentar que em redes sociais criadas por meio de softwares sociais (orkut, facebook, myspace, etc. e etc.), o altruísmo dificilmente será o responsável pelo sucesso de uma dessas redes. O que torna esses ambientes interessantes para seus usuários é o que os mesmos têm a proporcionar a eles, a gratificação ou compensação pelo esforço aplicado - esses softwares que suportam a construção de redes sociais são fundamentos no "egoísmo". O "altruísmo" pode talvez ser interpretado como um resultado do esforço coletivo, em que as pessoas buscam status, reconhecimento, ou qualquer "algo" de interesse.


Robert Paulsen
2007-10-28 16:00:05

Multidões inteligentes e
transformação do mundo

J.L. Moreno,no mesmo momento bio-histórico de Freude, em Viena, no início do século passado, criou o psicodrama.

Ao contraprio da hegemônica psicanálise postulava um método e uma teoria com um enfoque totalmente relacional.

Ou seja, inaugurava-se assim, uma cosmologia e uma psicoterapia de grupo, centradas em relações télicas do encontro, as redes sociométricas com suas rejeições e atrações que movimentam as complexas redse sociais.

O artigo nos remete a esta constatação, hoje tão evidente, e que a NET explicita tão claramente, que o "eu" é composto de "nós", ou dizendo de outra maneira, o conjunto de relações que o configura e movimenta.

A atualidade do psicodrama é gritante e sua importância se destaca em um Planeta que esta entrando na era global de completa interligação.

Juão Tavares
Psicodramatista


Juão Tavares
2007-10-28 14:32:17

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.