Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de setembro de 2021

» Dissidência jovem no coração do sistema

» Ainda não acabou: o mal-estar na pandemia

» Para entender as três crises do Haiti

» Uma cineasta à altura dos desafios de nosso tempo

» 23 de setembro de 2021

» Evergrande: falência e oportunidade na China

» Tecnologia e política para reconstruir mundo em ruínas

» Cinema: Aranha e nossas raízes fascistas

» 22 de setembro de 2021

Rede Social


Edição francesa


» Émergence de l'Asie sur la scène scientifique

» Singapour, Malaisie, Indonésie : triangle de croissance ou triangle des inégalités ?

» Les rêves déçus et la colère rentrée des harkis

» Conflits d'usages en mer Baltique

» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord

» Batailles pour le partage de la mer de Chine


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


Comentários sobre esse texto:

Dos livros para o cinema

Gostei muito de seu artigo sobre a transição entre literatura e cinema. Este assunto, ou seja, adaptações de clássicos da literatura e o resultado apresentado no cinema sempre me agradou. A estética é diferente por certo, mas a meu ver, ao reescreverem o texto literário desrespeitam a idéia do autor, isto é, fornecem a "sua" visão da obra original, o que tende a mediocrizar o resultado final. É "outra" obra - a do cineasta, e pior, alterada. Talvez se dê como na tradução referida como uma certa "traição". Até aí nada demais, já que academicamente isto é visto com bons olhos, já que não há outro jeito . Se trata de maneira de dizer algo. Ainda assim há perdas certamente. Já o texto literário não teria tal "licença", por se tratar especificamente da visão de mundo do autor.

Penso que ao cineasta caberia tão somente o esforço de adaptar o texto à estética do cinema, e não de recriá-lo. No máximo, caro Marco Polli, acredito que, por justiça para com a produção literária escolhida para ser levada à tela, é plenamente aceitável que haja cortes. Por outro lado, em um sentido positivo, o cineasta pode "explorar" um determinado enfoque do autor em certa passagem, o que acrescenta muito para quem está na assistência. Inspira. Enfim, os cineastas precisam voltar a sentir o mundo.

Parabéns pelo artigo, Marco Polli, novamente. O cinema que nos questiona sobre a violência, a dor humana, a força do amor, tal como a literatura sempre o fez, há de continuar a mover mundos...


Lúcia Nunes
2007-11-10 01:55:37

Dos livros para o cinema

Obrigado, Leda. O tema sobre a liberdade das adaptações é muito interessante, pois ajuda a pensar sobre as diferenças grandes entre cinema e literatura, mas também sobre o díalogo entre os dois que, na prática, acaba sim acontecendo.


Marco Polli
2007-11-05 06:48:12

Dos livros para o cinema

A seção de livros do The New York Times deste fim de semana traz um texto que trata de um exemplo onde Hollywood produziu um sucesso exatamente porque decidiu "reescrever" a história original.

O mais curioso é ver o filme inspirando novas versões/continuações em livro.

Achei que a leitura complementa seu artigo.


Ieda
2007-11-04 11:38:34

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.