Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Honduras: a nova presidente diante do colapso

» 21 de janeiro de 2020

» Amor, desconcerto anticapitalista

» Torto Arado e o direito da mulher camponesa

» ¿Adónde va Chile?: Um olhar afetivo e político

» 20 de janeiro de 2022

» Netflix sacode (e ameaça) o cinema

» Como avança a uberização no setor de turismo

» Um Macbeth negro, deslumbrante e irreal

» Combater desigualdades e mudar a Economia

Rede Social


Edição francesa


» Argent public, fortunes privées

» Le Roi sans nuages ni soleil

» Le Maghreb central

» Conséquences du changement climatique au Maghreb

» Alphabétisation & scolarisation

» Développements comparés des pays du Maghreb

» Taux de croissance annuel de la population

» Pyramide des âges au Maghreb

» Au lycée, vigilance ou paranoïa

» TF1 ou la parabole de Frankenstein


Edição em inglês


» January: the longer view

» United States: the black hole of Guantanamo

» Transnistria: a pro-Russian enclave in Europe

» The Chinese take to the slopes

» Japanese women find their voice

» The open-source world is more and more closed

» Transnistria, relic of a frozen conflict

» The Algeria-Morocco standoff

» Chile's victorious ‘new left' brings hope, but it's all to play for

» Europe's secretive system to keep out migrants


Edição portuguesa


» A orquestra do caos

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A pilhagem da comunidade do software livre

» Braço-de-ferro entre Marrocos e a Argélia

» Transnístria: o vestígio de um conflito congelado

» As japonesas já não querem ficar caladas

» O regresso da chantagem da dívida

» Homenagem do vício à virtude

» Impor uma visão do mundo


Comentários sobre esse texto:

Onde mora a poesia

A poesia anda por todos os lugares não que todos sejam poetas.
Poesia é canto solitário de quem olha o mundo quÃNTICO.
nO CANTAR DO SABIÁ SABIA ESTAR TÃO DISTANTE DELE COMO ELE DE MIM
MAS NO CANTO DE CADA UM TEVE UMA POESIA.nEUZALADEIRA


LILIA
2008-03-12 05:35:28

Onde mora a poesia

Pois é... e pensar que acharam que a poesia morreria pelo excesso de informações, bits... O coração humano não se deixa subjugar pelo sistema binário, por mais abusiva que seja a profusão de palavras. Suely Rolnik e Félix Guattari (há algum tempo falecido, infelizmente) , falaram em dupla, por um bom tempo em auditórios aí de São Paulo e do país inteiro desses "saraus". No caso, não aconteciam exatamente como na atualidade, em bares da periferia, tal como você descreve - quase poeticamente - caro Eleilson Leite. Esta é a evidência de que não morremos de todo... A poesia de que falavam era veiculada através das ondas de rádios comunitárias. Félix Guattari citava o caso da Rádio Tomate, na Itália. Veja só: percorreram o país nos anos 80 em dupla, e na década passada, não além do seu final, Suely Rolnik ainda enaltecia os modos singulares de expressão da cultura popular. Mas, o "capitalismo cognitivo" ou "cultural" (conceitos dela, que muito recentemente encontrei naWEB-http://transform.eipcp.net/
transversal/1106/rolnik/pt - a espreitava, melhor, nos espreitava com sua voracidade conceitual de consumo... Então, que recomecemos a viver-sentir com a poesia, nos botecos, e de todas as periferias do mundo. É um direito humano a livre expresssão de idéias, sonhos, e tudo que acrescente aos corações e mentes de todos nós, enfim, daqueles que povoam a terra inteira.

Parabéns pelo artigo.


Lúcia Nunes
2007-11-23 23:23:43

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.