Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Les journalistes américains en accusation

» Israël et la tentation chrétienne

» Du « grand tour » à Sciences Po, le voyage des élites

» Pouvoirs du roman

» Guérilla contre l'avortement aux Etats-Unis

» Au-delà de la fraude électorale, le Pérou profond

» Privés de vie privée

» Tous les chemins mènent au Maghreb

» Ni dieu, ni maître, ni impôts

» La France se penche sur sa guerre d'Algérie


Edição em inglês


» Toward politically engaged scholarship

» Fake news: A false epidemic?

» The financiers who backed Brexit

» January: the longer view

» Mutual suspicion in Greece's borderlands

» Border tensions

» Disunited States of America

» The British monarchy's smoke and mirrors

» UK Brexiteers' libertarian goal

» Time to reform the Peruvian system


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários

» A amarga vitória democrata

» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal


Comentários sobre esse texto:

Onde mora a poesia

A poesia anda por todos os lugares não que todos sejam poetas.
Poesia é canto solitário de quem olha o mundo quÃNTICO.
nO CANTAR DO SABIÁ SABIA ESTAR TÃO DISTANTE DELE COMO ELE DE MIM
MAS NO CANTO DE CADA UM TEVE UMA POESIA.nEUZALADEIRA


LILIA
2008-03-12 05:35:28

Onde mora a poesia

Pois é... e pensar que acharam que a poesia morreria pelo excesso de informações, bits... O coração humano não se deixa subjugar pelo sistema binário, por mais abusiva que seja a profusão de palavras. Suely Rolnik e Félix Guattari (há algum tempo falecido, infelizmente) , falaram em dupla, por um bom tempo em auditórios aí de São Paulo e do país inteiro desses "saraus". No caso, não aconteciam exatamente como na atualidade, em bares da periferia, tal como você descreve - quase poeticamente - caro Eleilson Leite. Esta é a evidência de que não morremos de todo... A poesia de que falavam era veiculada através das ondas de rádios comunitárias. Félix Guattari citava o caso da Rádio Tomate, na Itália. Veja só: percorreram o país nos anos 80 em dupla, e na década passada, não além do seu final, Suely Rolnik ainda enaltecia os modos singulares de expressão da cultura popular. Mas, o "capitalismo cognitivo" ou "cultural" (conceitos dela, que muito recentemente encontrei naWEB-http://transform.eipcp.net/
transversal/1106/rolnik/pt - a espreitava, melhor, nos espreitava com sua voracidade conceitual de consumo... Então, que recomecemos a viver-sentir com a poesia, nos botecos, e de todas as periferias do mundo. É um direito humano a livre expresssão de idéias, sonhos, e tudo que acrescente aos corações e mentes de todos nós, enfim, daqueles que povoam a terra inteira.

Parabéns pelo artigo.


Lúcia Nunes
2007-11-23 23:23:43

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.