Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Argentina: o que esperar de Fernández e Cristina

» 2019, o ano do Pibinho do Guedes

» Lowy resgata a atualidade de Walter Benjamin

» Como Weintraub devasta e militariza a Educação

» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

Rede Social


Edição francesa


» Le crépuscule de la raison

» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »


Edição em inglês


» UK's austerity election

» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


Comentários sobre esse texto:

América dos punhos sem renda

Muito bom este artigo, Elizabeth.
Quanto à afirmação do leitor Paulo de que ser fã do Chávez é ser traidor do Brasil, creio ser plenamente equivocada. Transmite a idéia de que tudo o que Chávez faz é ruim ao Brasil e a seu povo. Uma inverdade monumental, de peso idêntico àquela: “o que é bom para os EUA é bom para o Brasil”. Eu também tenho orgulho de ser brasileiro e tenho certeza de que Chávez tem, sim, muitos pontos positivos; um ou outro pontuado por Elizabeth. Por outro lado, não é por afirmar isso, que eu acredito que ele e seu governo não tenham defeitos. Nem por isso, também, eu aprovo todos os seus atos e/ou medidas.
Creio que o leitor Pedro Mundim também está totalmente equivocado ao desdenhar da importância da América Latina. O sistema de poder que governa os Estados Unidos, praticamente desde sempre considera a América Latina como seu quintal. Veja-se a Doutrina Monroe.
Uma das razões da guerra EUA-Japão? O Japão queria continuar sozinho na exploração do sudeste da Ásia, a China incluída. Os EUA queriam participar do butim. Os japoneses propuseram uma troca: dividiriam seu quintal com os estadunidenses desde que estes dividissem a AL com eles. Os EUA não aceitaram. Dividir a América Latina, seu quintal, estava fora de cogitação.
A afirmação do colega leitor está totalmente fora de contexto, numa época em que os grandes oligopólios capitalistas estão de olho no controle das riquezas minerais e naturais. A bem da verdade, a cobiça pelas riquezas da América Latina vem desde o descobrimento.
Por que razão os EUA estariam investindo dinheiro farto na oposição interna a Chávez e a Evo Morales. Por que financiaram o golpe de Estado contra o primeiro, em 2002? Por que querem impingir a ALCA a nossos países? Se a AL não tem mais importância, por que pressionam tanto pela assinatura de TLCs (Tratados de Livre Comércio)?
O colega Mundim também se equivoca ao afirmar que o problema da AL é o nacional-estatismo. Mundim acredita na imensa propaganda em prol do receituário do FMI/Banco Mundial. Pois, um dos fatores que permitiu à economia do sudeste da Ásia dar um salto nesses últimos trinta anos foi justamente a desobediência aos ditames desses dois órgãos. Naqueles países, Coréia do Sul, Malásia, Taiwan, China, etc, vigorou nas últimas décadas o pulso forte do Estado a direcionar e planejar o desenvolvimento.
Enquanto isso, as nações da AL, em sua quase totalidade, seguiram a receita do FMI/Banco Mundial, instituições a serviço dos países ricos, em obediência régia a seus preceitos. Privatizaram e liberalizaram quase que por completo suas economias e chegaram ao que hoje presenciamos - está aí, patente, para todo mundo ver -, não sendo preciso explicitar aqui.


Nelson
2007-12-31 13:42:21

América dos punhos sem renda

Não acredito muito em teorias conspiratórias e muito menos em reducionismo histórico. Mas que é notória nossa "síndrome de vira-lata", não tenho dúvidas, que somos constantemente levados a criticar quaisquer movimentos esquerdistas pela grande mídia, também não parece ser difícil de perceber. Fato é que o movimento do pêndulo da história política latino-americana em direção à esquerda têm feito muita gente colocar as barbas de molho e seus reflexos mostram claramente que a auto-imagem latino-americana é profundamente marcada pelo colonialismo que aqui imperou. Só não a percebem aqueles que por preguiça, ou incapacidade, não estão dispostos a uma auto-crítica sincera. O presidente Chavez parece ter o tipo de personalidade "ame-o ou deixe-o", mas no jogo de forças da política não existem apenas duas pontas de uma corda, por isso, censurar a atitude do rei não implica necessariamente em apoiar Chavez.


Marcelo
2007-12-14 21:44:10

América dos punhos sem renda

É impressionante como a versão passada pela grande mídia é engolida e absorvida sem a menor sem-cerimônia pela quase totalidade de nossa população.
Por que tantos aplausos ao rei Juan e tanto escárnio ao desastrado Chávez? Isso só encontra explicação no nosso complexo de inferioridade. Sentimos vergonha de Chavez e queremos, como o ri Juan, que ele se cale.
Quero lembrar que a monarquia, na Espanha, foi restaurada pelo ditador Franco. Daí indago; que legitimidade tem um rei, reposto no poder por um tirano, de nos dizer quando falar, o que falar e como falar? Cala-te Juan


Site: América dos punhos sem renda
Paulo Junges
2007-12-07 20:51:32

América dos punhos sem renda

Me entristece muito o papel de alguns "intelectuais" brasileiros, que são FÃS do Chávez, conforme já constatado aqui.
A estes inúteis "intelectuais" brasileiros pró-Chávez e traidores, pergunto: "Vcs têm vergonha de ser Brasileiros?"
"Vcs preferem ser chavistas?"

EU TENHO ORGULHO DE SER BRASILEIRO.

Se vc odeia o Brasil e ama o Chávez, imigre logo p/ a Venezuela e deixe-nos em paz.


Paulo
2007-11-30 19:47:17

América dos punhos sem renda

Me entristece muito o papel de alguns "intelectuais" brasileiros, que são FÃS do Chávez, conforme já constatado aqui.
A estes inúteis "intelectuais" brasileiros pró-Chávez e traidores, pergunto: "Vcs têm vergonha de ser Brasileiros?"
"Vcs preferem ser chavistas?"

EU TENHO ORGULHO DE SER BRASILEIRO.

Se vc odeia o Brasil e ama o Chávez, imigre logo p/ a Venezuela e deixe-nos em paz.


Paulo
2007-11-30 19:46:52

América dos punhos sem renda

Os valentes representantes dos povos originais de nossa América só agora experimentam assumir os rumos de seus países. Lógico que começarão errando. O que eles sabem de governo? O que os europeus ensinaram: política suja, manobras golpistas, democracia capciosa e ditadura.
Esse não será um aprendizado simples ou rápido. Os poucos líderes políticos com alguma capacidade de alterar mudanças, surgidos através das últimas décadas em nossos países, foram excluídos politicamente ou até mesmo assassinados.
Paciência. Vamos recomeçar agora um processo de mudança que se impõe pela insustentabilidade do modelo até então imposto, sem termos passado por um estágio de transição. Nesse ponto alguns países tiveram mais sorte, como o Brasil, por exemplo.


Vicente Melo
2007-11-28 11:22:28

América dos punhos sem renda

Me entristeço profundamente quando verifico que o rançoso complexo de inferioridade Latino Americano ainda é uma lenda adorada pela maioria dos intelectuiais deste meu pais ,Brasil , onde necessáriamente temos que separar os bons e os maus os ricos e os pobres ,não existe lógica ou raciocinio ,a ideologia basta por si e nos glorifica a alma no reino dos justos.
Mas na prática , a coisa é outra , Hugo Chaves fala demais , alem do aceitável a um chefe de Estado , coloca o povo Venezuelano em posição temerária e, diga-se desnecessáriamente e por isso o excesso .
O mesmo lider acima é conivente em seus ideais a outro que fala demais ,Fidel Castro , também adorado por nossas elites intelectuais , as mesmas que mutatis mutandis , vão al paredon na hermosa ilha .
Mas que importa tudo isso , nossa força será maior se gritarmos mais alto , nossa lenda nos dá a auto-suficiencia intelectual, e se nada disso no final der certo , somos o povo oprimido pelos imperialistas de plantão,teremos uma justificativa para tudo que não der o resultado que muitas vezes nem se quer foi planejado .
Bem ,tenho esperança que talvez daqui a uns cinquenta anos , nossa elite começe a ver o mundo de uma outra forma e possa nos ajudar a melhorar tudo o que possa ser melhorado , preferencialmente com menos palavras e mais reflexão ,tavez ,o -porque no te callas-
nos ajude a enxergar que Hugo Chavez ,não respeita o seus proprios cidadãos , não tem nenhum interesse no bem do Brasil , o Brasil para o resto da Ameríca é sentido como um inimigo , não acreditemos em -los amigos -, eles não existem .
Tenhamos ao menos compostura e respeito ao nosso intelecto.
- post tenebras spero lucem-


Saavedra
2007-11-27 00:17:03

América dos punhos sem renda

Resumindo: ... normalmente, se tivessemos que nos focar apenas no comportar-se perante a sociedade contemporânea, um rei deve ser no minimo muitas vezes "mais bem" educado que um indio".
O indio foi "mal educado" por interromper uma pessoa que falava, portanto, o rei foi "muitas vezes mais mal educado" pois interrompeu um indio que falava.
Conclusão: O rei é fake.


ovjr
2007-11-24 23:24:07

América dos punhos sem renda

Queria pedir à autora (Elizabeth Carvalho)autorização para repassar o maravilhoso texto para meus contatos, tanto de pessoas físicas quanto de órgãos de imprensa.
Urda


urda alice klueger
2007-11-23 22:05:19

América dos punhos sem renda

As sociedades americanolatinas vêm se manisfestando assintuosamente devido às sucessivas crises econômicas que mantiveram suas populações beirando a miséria. Não fosse os atuais: Hugo Chaves, Evo Morales, Ortega e Corrêa, seriam outros nomes a comandar a pixação. A imprensa insiste na caricatura pejorativa desses líderes. Esperam esvaziar seu conteúdo político. Seus leitores, a minoria branca, defende o modelo de subserviência que garantiu até hoje seu próprio "american way life" à margem da pobreza da maioria mestiça.
A aclamação pela impresa da atitude do rei mandar um chefe de estado calar a boca, depois sair batendo pé e fazendo beicinho, comprova claramente de que lado está o poderio da mídia. Aznar foi favorárel ao golpe de estado na Venezuela. Trabalhou contra o estado de direito e contra o poder representativo do povo. Assim também o fez a RCTV e o rei espanhol.
Não se trata de defender Hugo Chaves, mas o direito democrático e soberano do povo venezuelano.


Eduardo
2007-11-23 21:15:47

América dos punhos sem renda

O simples fato de Hugo Chàvez não ter obedecido a ordem do rei, lavou a alma de milhares de pessoas excluídas e exploradas, e a memória dos que foram trucidados nas expedições de extermínio.


carlinhos medeiros
2007-11-21 00:24:11

América dos punhos sem renda

Sem dúvida alguma o povo do Norte (brancos, negros, amarelos, etc), podendo, vai chupar o nosso sangue e jogar o bagaço fora. Mas não nos iludamos, não serão pessoas como o Sr. Chavez que nos tirarão da situação periferica em que nos encontramos.
Infelizmente, mais uma vez, a América Latina vira manchete por causa de seus caudilhos, tipos que rugem, rugem e, nas mais das vezes, fazem muito pouco quando não deixam desgraças.
Quanto ao texto, ultrapassado no más. Algumas pessoas continuam teimando em ignorar a história.


Régis
2007-11-20 23:19:31

América dos punhos sem renda

Sem dúvida alguma o povo do Norte (brancos, negros, amarelos, etc), podendo, vai chupar o nosso sangue e jogar o bagaço fora. Mas não nos iludamos, não serão pessoas como o Sr. Chavez que nos tirarão da situação periferica em que nos encontramos.
Infelizmente, mais uma vez, a América Latina vira manchete por causa de seus caudilhos, tipos que rugem, rugem e, nas mais das vezes, fazem muito pouco quando não deixam desgraças.
Quanto ao texto, ultrapassado no más. Algumas pessoas continuam teimando em ignorar a história.


Régis
2007-11-20 23:18:35

América dos punhos sem renda ... Brilhante !

Não gosto de Chaves.
Ditador proletário.

O Rei de Espanha, para mim é indiferente como "pasta" fesca sem sal.

Contudo ELIZABETH CARVALHO conseguiu pintar, sob sua ácida e precisa ótica, retratando o atual incômodo das elites do poder mundial para com emancipação das nações caboclas, como a nossa.

Há poucos dias, no programa da BBC "Hard talk", FHC foi entrevistado por um jovem (e talvez educado aristocramente, arrisco dizer) reporter inglês branco-branco (quase rosa).

Naquela entrevista causou-me boa surpresa ao ver o nosso "former" presidente responder de forma dura e irônica ao reporter inglês branco-rosa com outra pergunta, quando aquele insinuava, de forma até cínica, que o Brasil estaria sendo irresponsável com a política do etanol de cana de açúcar, indagando ao inglês: - "você sabe quantos hectares de terra cultivável tem o Brasil ?"

O jovem jornalista "rosa" pareceu olhar para o lado, como que pedindo ajuda... FHC, repetiu a pergunta e, como o inglês "colou as placas" ele mesmo respondeu, esclarecendo que nosso país possui um imenso potencial de cultivo, apresentando números e transformando o programa da BBC em "lose talk" para eles colonizadores.

Em recente viagem a um resort no Chile, eu mesmo vi como europeus, americanos e australianos "white-white" ficaram surpresos com dois brasileiros, eu e outro carioca (in english), ao discutirmos temas polílicos mundiais de forma direta e de nariz empinado, do exato jeito deles quando estão conosco.

Se a discussão de Juan e Chaves fosse numa cozinha de uma casa aonde estivesse acontecendo um aniversário, até consideraria mera falta de educação.

Mas no contexto de pretensa superioridade dos colonizadores em relação aos colonizados, temos mesmo é que dizer-lhes: cala-te você !

Aprecio pessoas de nariz empinado, especialmente as pretas, pobres, índias e toda sorte de excluidos.

Supremacia "is bullshit", como bem diz o Chorão do Charlie Brown Jr. e outros rappers daqui e acolá. A América Latina já não é mais a mesma dos "cabeça baixa" de sempre. Eu, ando sempre de cabeça erguida e nariz em pé, sendo descendente de indio e francês com um pé na Bahia, carioca de nascença e cara de árabe/judeu. Meus punhos não tem renda, mas sabem revidar uma ofensa.

Parabens Elizabeth.


Sergio Maia Louchard
2007-11-20 22:24:39

Tendenciosidade da imprensa

Discordo da opinião da autora. Esse tipo de pensamento recheado de clichês como elites, saqueou nossas riquezas blábláblá, é fraco e mais afeito aos que acham muito trabalhoso criar e distribuir a riqueza e preferem única e exclusivamente dividi-la.

É muito fácil ver o caráter tendencioso quando o episódio em que Chaves chamou um representante eleito pela DEMOCRACIA (que ele diz tanto respeitar) de FACISTA foi retratado da seguinte maneira:

“Os fatos que desembocaram nesta cena são conhecidos. Chávez batera por duas ou três vezes, durante a reunião da cúpula, num mesmo bordão (é notória a sua tendência a ignorar a regra básica de que uma boa nota, se muito repetida, torna-se cansativa e incômoda). Insistira em criticar o ex-presidente espanhol José Maria Aznar, um conservador ligado à Opus Dei, que governou o país por dois períodos consecutivos antes de Zapatero, e claramente posicionou-se a favor do golpe contra o presidente venezuelano, em 2002”

É triste ver que, apesar dos pesares, a imprensa é cada vez mais tendenciosa.
Já vi textos mais sensatos no jornalzinho do PSTU.
Lamentável esse discurso velho e caquético de "grande satá americano nos oprime e é a culpa de todos os nossos problemas"
Simplesmente Patético.


Marcelo
2007-11-20 20:13:33

Bate-boca de cozinha

Notem que Chávez faz muito barulho, mas o bate-boca não passa da cozinha - a América Latina, ou no máximo a comunidade íbero-americana. Na sala, a conversa não chega. Por mais que ele xingue Bush e os EUA, não sai um artigo na imprensa norte-americana, uma notazinha diplomática de protesto, nada! Ninguém está preocupado com o moleque Chávez e seus arroubos, o que denota bem a crescente irrelevância da América Latina no cenário mundial, este continente que até os anos setenta era a região "emergente" por excelência, e hoje está cada vez mais na rabeira, enquanto o sudeste da Ásia assume de vez o papel de região emergente.

Estamos saindo da História, e pela porta dos fundos. Um dos fatores mais preponderantes para esse declínio, sem dúvida, é a persistência de ultrapassadas fórmulas de nacional-estatismo que calam fundo na mentalidade paternalista de nosso povo ignorante, que exige ser governado por caudilhos e pais-da-pátria. Chávez nada mais é do que uma reedição daquele surrado ícone, o caudilho sul-americano. Vale-se dos altos preços do petróleo como Perón, nos anos 40, valeu-se do saldo da balança comercial no pós-guerra. No dia em que o preço do barril cair, a mágica acaba.


Pedro Mundim
2007-11-20 19:02:03

América dos punhos sem renda

O caminhar dos fatos nos deixam uma constatação: mais um pouco e esta pernóstica "civilização de elites", cruel e sangrenta como sempre foi e é, ainda, (bolivianos, peruanos e mexicanos que o digam) verá uma grande redenção continental, libertando-nos desta vassalagem odiosa, vendida e corrupta.

Só então poderemos caminhar com nossos próprios pés, pelos nossos próprios caminhos, nos rumos que nossas cabeças decidirem, com trabalhos dos nossos próprios braços, tudo em prol dos habitantes desta imensa e maravilhosa América Latina, que não fica nada a dever a nenhum outro continente.

É absurda a permissão de empresas estrangeiras estarem aqui, determinando o nosso futuro pelos interesses das matrizes. Esta dominação de punhos de renda só nos traz e espalha predação, tragédia, sangue, corrupção e hábitos que não são nossos.

Ontem e hoje, como já vimos e vemos. Amanhã, também, como imaginamos, se não mudarmos o que estamos fazendo. Na minha infância, quando ocorria uma situação como esta, entre El Rey e Chávez, a resposta era direta: cala a boca já morreu, quem manda na minha boca sou eu!

Estamos ouvindo os primeiros acordes da música "Está chegando a hora..." ?


Luiz Cordioli
2007-11-20 14:18:07

América dos punhos sem renda

NEM TANTO AO CÉU NEM TANTO AO INFERNO, OS LUCROS DO PETRÓLEO LÁ, SÃO DO GOVERNO.
LUIZ CARLOS PAZELLO


LUIZ CARLOS PAZELLO
2007-11-20 13:55:44

América dos punhos sem renda

Não vejo grande força na posição do "Rei" da espanha [ que poder ele possui?] ou mesmo no antigo primeiro ministro? Que de fato foi votado pela maioria do povo espanhol. Acho importante sua visão, mas, penso que poderia apenas ser uma questão de falta de educação mesmo.
Quanto às elites "Conolizadora" e "Caboclas", o acredito que ambas são "elites", e quando a população do Brasil e da Venezuela TIVER ESCOLA E EDUCAÇÃO, quando apenas 30% da população completar o nível superior, quando seus governantes tiverem esse tipo de preocupação aí sim podemos falar em mudança, por enquanto não passa de queda de braço .


marcio pedroso
2007-11-20 11:57:09

América dos punhos sem renda

Faço questão de ser o primeiro a parabenizar tão belo texto. Realmente algumas realidades incômodas estão sendo obrigadas a serem novamente discutidas, não sem "arroubos reais" e outras grosserias do gênero.


Cláudio Dutra de Souza
2007-11-19 21:53:22

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.