Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

» As mentiras da ciência a serviço do mercado

» Anatomia da próxima recessão global

» Passo a passo para frear a devastação da Amazônia

Rede Social


Edição francesa


» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation

» Le piège du 11-Septembre

» Quand la gomme arabique fait tanguer l'Amérique

» Au Kosovo, la « sale guerre » de l'UCK

» L'école publique à l'encan

» Le régime de Khartoum bousculé par la sécession du Sud

» Les apprentis sorciers de la retraite à points

» Hongkong dans l'étau chinois


Edição em inglês


» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model

» Soft power influence in the Arabian Gulf

» Life with bribes and kickbacks


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


Comentários sobre esse texto:

O fantasma do apartheid genético

Quero deixar algumas perguntas, principalmente para aqueles que continuam ingenuamente achando que todos os humanos são iguais e preferem lembrar filmes de Hollywood em vez de encarar a realidade:
Lembram do furacão Katrina?
Pois bem, em que tipo de raça humana podem ser classificados aqueles indivíduos que foram vítimas do furacão, estavam no estádio de Nova Orleans e passaram a estuprar crianças, gestantes e velhas indefesas, feridas e debilitadas. Que tipo?
Parece que não ouvi direito. É a mesma raça humana que você? Não há diferença?
Então você poderia fazer o mesmo?
Será que você vai arrumar alguma desculpa psicológica do tipo "é um problema social!", ou, "eles apanharam do pai quando crianças!!", ou, "os estupradores não tiveram infância e estavam com baixa auto-estima!!!".
E o que dizer dos pais e avós dos estupradores? Alguém arrisca.
Evidente que precisamos prestar muito mais atenção à Genética e para isso é necessário combater os hipócritas e a turma do blá-blá-blá.
Em algum momento teremos que fazer uma escolha: salvar o planeta esterilizando a raça menos humana, ou então, continuar como está.


Site: O fantasma dõ apartheid genético
Ivan Leite Albanese
2008-01-01 16:35:35

O fantasma do apartheid genético

Curiosamente, estes dias lembrei-me de um filme que gostei muito e trata exatamente deste assunto: "Gattaca - Experiência Genética" com Uma Thurman, Ethan Hawke e Jude Law, de 1997.
Ele é mais direto que "Filhos da Esperança", mencionado por Lúcia Nunes nos comentários anteriores.

Quem não assistiu devia, pois o humanidade caminha cada vez mais nesta direção.

No filme, o modo "normal" de nascimento é a seleção genética de todas as características do filhos; da cor dos olhos a eliminação de comportamento agressivo e propensão a doenças.
Porém existe a discriminação genética, que é proibida por lei mas ocorre em todos os setores da sociedade, deixando os que foram concebidos do nosso modo normal a apenas conseguirem empregos de faxineiros, a menos que burlem os testes genéticos com o DNA de alguém sem defeitos. Para qualquer teste a emprego, os candidatos são submetidos a um teste de urina para detectar drogas que, na verdade, serve para determinação de suas características. Se não concordar em fazer o teste, você é obrigado.

Gattaca representa exatamente o que hoje, a França iniciou, a segregação genética.
Infelizmente, a cada dia esta realidade se torna cada mais mais provável.
É, no mínimo, triste o caminho que a humanidade está tomando, provavelmente sem volta.

O conceito de liberdade deles está distorcido, como muitas coisas em nossa sociedade e estão, agora, tentando se proteger do mal que eles mesmos causaram, o liberalismo.

Minha indignação com atitudes como estas de nossos países "desenvolvidos" é tamanha que não merecem nem meu desapontamento.

Só nos resta sonhar e praticar hoje atitudes para um amanhã melhor.


Paulo Gabriel
2008-01-01 06:03:35

O fantasma do apartheid genético

Blá. Blá. Blá. Não tem nem a cura para o câncer e ficam conversando fiado. Não sabem nem o que estão dizendo. São uns inúteis.



2008-01-01 03:19:57

O fantasma do apartheid genético

O italiano "fala" o negro "canta" o Alemão "monologa" O negro "canta" o arabe "Confabula" e o frances " conspira"
a unica coisa que um fraces sabe fazer É : Mexer em brasas com a mão do Gato= dizer uma coisa e fazer outra= passar por democratas e fazer tiranias.


Indio Terminó
2008-01-01 02:08:34

O fantasma do apartheid genético

Nossa que distorção da informação.

Eu quando li essa noticia em frances, que eu entendi, foi que:

Tem imigrantes que podem patrocinar a vinda de parentes para viver na França.

So que, esses imigrantes dizem que todo mundo são seus parentes. O teste de DNA é exatamente para acabar com essa brecha de imigração ilegal.

Pra nao ter duvida procurei uma versão em ingles de uma fonte oficial a informação.

Não sei onde o redator leu ou viu a informação que estariam fazendo seleção por DNA.

Bonné année à tout le monde.
J’espère que l’on pouvait vivre en paix.

M.


Site: DNA tests proposed in France for family visa applicants
Milton
2008-01-01 01:07:17

O fantasma do apartheid genético

Gostaria de enviar esta matéria para uma amiga via e-mail. É possível? Em caso afirmativo como devo proceder? Em caso negativo por que vocês não viabilizam esse procedimento?


Eudes
2007-12-31 23:18:53

Para o bem e para o mal.

Não vejo nada demais em se valer das características genéticas para detrminar alguma coisa. Por exemplo: no Brasi,l usam a cor da pele como critério para selecionar quem entra ou nào em universidade pública. Por que não se utilizar de qualquer outro critério para escolher quem vai passar em concurso de emprego, que filho vai nascer ou não, quem vai cursar esta ou aquela faculdade, etc. é só um aperfeiçoamento do modelo tupiniquim de vestibular. Em escala mundial. Agora se o resto do mundo o modelo de quem será aprovado será diferente daqui, problema daqui.


Site: Copiando o modelo brasileiro.
Henrique.
2007-12-31 23:08:25

O fantasma do apartheid genético

O que mais me assusta é saber que todos as profecias catastróficas sobre a humanidade podem vir se tornar realidade, como se a mesma se visse com um único fim que é se exterminar, como dizem varios e varios "clássicos" hoje dito, cults, cools e sei lá mais o que, amarrado a cultura pop, sejam eles literarios, cinematográficos ou etc, já penso em 1984, com os robos de asimov... sem suas leis, apenas pra separar os bons dos ruins, e logo depois, algo como matrix, como blade runner... mesmo com tantas espelhos da nossa propria imagem somos incapazes de fazer com que tudo seja diferente...


Marucs
2007-12-31 21:21:55

O fantasma do apartheid genético

Este assunto sempre estara muito obscuro e com diferentes pontos de vistas enquanto o orgulho dos "compendiosos doutores da genetica" e curiosos nao perceberem que alem da materia existe muito mais a ser estudado e compreendido, somos o que somos nao por desmerecimento ou privilegio e sim pelo processo natural e imutavel do progresso espiritual, moral e intelectual....ou pra onde levarao milhares de horas, dezenas de anos de estudos quando chegar a hora de partir do planeta? ou acham que os fabulosos e transcodificados gens servem para alimentar os vermes? Plausivel o estudo, mas a finalidade, egoista e discriminatoria. Dia havera em que o "genoma da paz, amor e caridade, sera melhor entendido.


JBosco.
2007-12-31 19:17:37

O fantasma do apartheid genético

Tudo bem, o tema é complexo, multifacetado e portanto era esperado que houvessem comentários desorganizados. Ainda assim, é necessário um mínimo de objetividade,ou seja, é preciso focar o principal, o núcleo do problema e então encontrarmos as melhores condutas e soluções. Caso contrário, ficaremos na superfície do problema, tergiversando como se fossemos psicólogos com seu blá-blá-blá e enrolação característicos.
O fato é que o planeta está sendo rapidamente destruído pela raça humana "menos" humana. "Menos" humana? sim, são menos humanos desde o "champinha", assassino, torturador e estuprador de Liana Friedenbach e Felipe Caffé, até George Bush e seu capitalismo e imperialismo criminosos que vitimam inocentes e o próprio planeta.
A única possibilidade de salvar o planeta é controlar de forma rigorosa, com leis duríssimas (até para servir de exemplo aos humanos indecisos) e medidas restritivas a ação dos menos humanos.
Em situação de urgência é obrigatória objetividade, mas também decisão e medidas radicais.
E sem blá-blá-blá e nhé-nhé-nhé paralizantes.
A descendência de champinha ou Bush teriam menos ou teriam mais probabilidade criminal que, por exemplo, a descendência de Ghandi ou Madre Tereza?
Portanto, a solução jamais poderá prescindir da genética. É preciso que geneticistas façam parte dos governos, principalmente nos Ministérios da Educação e Saúde ( em conjunto com médicos psiquiatras e neurologistas ). Ações preventivas.
No futuro as leis permitirão muito mais rigor e punição para os menos humanos identificados cientificamente.
Não há tempo de esperar a Natureza e a Seleção Natural. É preciso intervir com seriedade e decisão no cesto de laranjas e impedir que a turma do blá-blá-blá continue apenas passando a mãozinha na cabecinha da coitadinha da laranjinha podre. A raça humana humana precisa sobreviver. E viver.


Site: O fantasma do apartheid genético
Ivan Leite Albanese
2007-12-31 18:03:40

O fantasma do apartheid genético

Tudo bem, o tema é complexo, multifacetado e portanto era esperado que houvessem comentários desorganizados. Ainda assim, é necessário um mínimo de objetividade,ou seja, é preciso focar o principal, o núcleo do problema e então encontrarmos as melhores condutas e soluções. Caso contrário, ficaremos na superfície do problema, tergiversando como se fossemos psicólogos com seu blá-blá-blá e enrolação característicos.
O fato é que o planeta está sendo rapidamente destruído pela raça humana "menos" humana. "Menos" humana? sim, são menos humanos desde o "champinha", assassino, torturador e estuprador de Liana Friedenbach e Felipe Caffé, até George Bush e seu capitalismo e imperialismo criminosos que vitimam inocentes e o próprio planeta.
A única possibilidade de salvar o planeta é controlar de forma rigorosa, com leis duríssimas (até para servir de exemplo aos humanos indecisos) e medidas restritivas a ação dos menos humanos.
Em situação de urgência é obrigatória objetividade, mas também decisão e medidas radicais.
E sem blá-blá-blá e nhé-nhé-nhé paralizantes.
A descendência de champinha ou Bush teriam menos ou teriam mais probabilidade criminal que, por exemplo, a descendência de Ghandi ou Madre Tereza?
Portanto, a solução jamais poderá prescindir da genética. É preciso que geneticistas façam parte dos governos, principalmente nos Ministérios da Educação e Saúde ( em conjunto com médicos psiquiatras e neurologistas ). Ações preventivas.
No futuro as leis permitirão muito mais rigor e punição para os menos humanos identificados cientificamente.
Não há tempo de esperar a Natureza e a Seleção Natural. É preciso intervir com seriedade e decisão no cesto de laranjas e impedir que a turma do blá-blá-blá continue apenas passando a mãozinha na cabecinha da coitadinha da laranjinha podre. A raça humana humana precisa sobreviver. E viver.


Site: o fantasma do apartheid genético
Ivan Leite Albanese
2007-12-31 17:42:34

O fantasma do apartheid genético

Tudo bem, o tema é complexo, multifacetado e portanto era esperado que houvessem comentários desorganizados. Ainda assim, é necessário um mínimo de objetividade,ou seja, é preciso focar o principal, o núcleo do problema e então encontrarmos as melhores condutas e soluções. Caso contrário, ficaremos na superfície do problema, tergiversando como se fossemos psicólogos com seu blá-blá-blá e enrolação característicos.
O fato é que o planeta está sendo rapidamente destruído pela raça humana "menos" humana. "Menos" humana? sim, são menos humanos desde o "champinha", assassino, torturador e estuprador de Liana Friedenbach e Felipe Caffé, até George Bush e seu capitalismo e imperialismo criminosos que vitimam inocentes e o próprio planeta.
A única possibilidade de salvar o planeta é controlar de forma rigorosa, com leis duríssimas (até para servir de exemplo aos humanos indecisos) e medidas restritivas a ação dos menos humanos.
Em situação de urgência é obrigatória objetividade, mas também decisão e medidas radicais.
E sem blá-blá-blá e nhé-nhé-nhé paralizantes.
A descendência de champinha ou Bush teriam menos ou teriam mais probabilidade criminal que, por exemplo, a descendência de Ghandi ou Madre Tereza?
Portanto, a solução jamais poderá prescindir da genética. É preciso que geneticistas façam parte dos governos, principalmente nos Ministérios da Educação e Saúde ( em conjunto com médicos psiquiatras e neurologistas ). Ações preventivas.
No futuro as leis permitirão muito mais rigor e punição para os menos humanos identificados cientificamente.
Não há tempo de esperar a Natureza e a Seleção Natural. É preciso intervir com seriedade e decisão no cesto de laranjas e impedir que a turma do blá-blá-blá continue apenas passando a mãozinha na cabecinha da coitadinha da laranjinha podre. A raça humana humana precisa sobreviver. E viver.


Ivan Leite Albanese
2007-12-31 17:31:43

O fantasma do apartheid genético

Hitler, onde quer que ele esteja, deve estar se lamentando não ter vivido nestes tempos. Pelo menos, sua ideologia racista, agora atualizada, revista e "melhorada", seria também legitimada. O texto é claro, excelente, como todos os textos do "Le Monde diplomatique". E transmite todo o horror de uma sociedade desumana e neoliberal.
Infelizmente, nós mesmo
somos os responsáveis por tudo isso. Se vivemos numa sociedade dita democrática, os agentes que dão suporte político a essas barbaridades modernas são eleitos por nós. Fomos nós, enquanto povo, que colocamos no poder dois últimos presidentes neoliberais. E não sei em nome de que, continuaremos, enquanto povo, a perpetuar esses tipos de políticos no poder. Brevemente, com certeza, seremos fichados segundo o nosso DNA.
Haverá alguém que sugira uma saída?


Rogge
2007-12-31 15:29:16

O fantasma do apartheid genético

Os europeus já não são mais "tão europeus" há muitos anos. Franceses e francesas se casando com senegaleses,paquistaneses, turcos, marroquinos e brasileiros !!! aliás não apenas os franceses. Apartheit genético ??? quem tem o mínim,o de discernimento sobre sociedade ciência e cultura está rindo desses pseudos intelectuais e pesquisadores.


Carla Soleiman
2007-12-31 14:57:11

É SÓ PRÁ ORGANIZAR!!!

acredito que os recentes distúrbios na França, causado por imigrantes, principalmente muçulmanos, justificam sim, adoção de tal medida. A Europa tem sido complacente na recepção de islâmicos e começa a colher os frutos desse engano. A civilização ocidental é criticada mas atrai como mel, quem não gosta tem a opção de permanecer em seu próprio país. Mas se o seu país é um inferno, não por causa da raça da sua população, que isso mal existe, mas PELA SUA CULTURA, trate de mudá-lo. Uma sociedade que exclui mulheres, homossexuais e outros só pode ser infeliz e agora tentam implantar esse modelo INFERNAL alhures, imigrando e procriando em massa! Tá na hora de dar um chega prá lá. O objetivo dos exames é ver se o imigrante tem realmente, parentes na França, Justo. O PIB de um país não é obrigado a sustentar penetras, que não querem estudar, aprender a língua... Educação! é o mínimo que se quer.


Marianne
2007-12-31 14:16:33

O fantasma do apartheid genético

Sim,muito bom,gostei muito da profundidade do artigo.É na verdade uma questão que permeia atualmente a questão das pesquisas e seu financiamento por empresas.Existe a Pesquisa Básica e a Pesquisa com Finalidade objetiva. Invariávelmente,a pesquisa básica tem sido prejudicada,em função da "rentabilidade e lucro" da pesquisa objetivada.Ou seja,desaparece a finalidade da Pesquisa entrando no terreno muito praticado,por "grandes" doutores,da Pesquisa com resultado préviamente conhecido,isto é,a "Pesquisa" visa apenas "comprovar" uma decisão já tomada antes,no caso de Eugenia,que no início do século acabou abandonada por supercriticada e que gerou entre outras coisas,"pesquisas" na Alemanha de Hitler,em cima de cobaias,cidadãos judeus.Mas também na Rússia, que a praticou largamente em cima de cidadãos poloneses"cobaias" ou seja pessoas consideradas desnecessárias para a "civilização" soviética.Invariávelmente é um objetivo seletivo de uma Política antigamente estigmatizada,da "antiga" Direita,que não existe mais,dizem ou seja dos detentores do Poder e do Dinheiro a velha associação entre os "Bourgeois" e os Financistas,que matou os objetivos e resultados da "velha" Revolução Francesa e hoje temos na França, um esquisito presidente eleito de origem cultural e genética suspeita,e que apesar disso os franceses extremamente xenófobos(qual a palavra,esqueci,para quem não gosta de não franceses,ou estrangeiros???) o elegeram,uma pessoa que não tem nada com a França e que viaja pelo mundo "representando" França,artificialmente,pois não tem nada de francês,é apenas um dirigente ditatorial.O artigo é muito importante por chamar a atenção ao atual comprometimento até de prêmios nóbeis visto a aparente importância que se dá hoje ao termo "Ciência" que inclusive por exemplo,Freud que tinha sido um pesquisador cientista neurologista, lamentava a Psicanálise não ter e buscava o tempo todo afirmar um caráter Científico para a sua arte,diferentemente da Idade Mèdia,que com a Inquisição,a Igreja e o Tomismo Aristotélico,e os dogmas queimava todos os cientistas como bruxos e bruxas.Importante e interessante,porque políticamente importantíssimo no momento.Ou estaremos novamente praticando políticas de exclusão de seres humanos e logo de isolamento em campos e por fim de Crematórios de todo tipo e de nova valorização do Nazismo de Hitler,parece que superado erradamente,pois os aspectos positivos de uma necessidade de afirmação de uma identidade cultural de um povo,foi esquecido e foi só o que permitiu a ascenção de Hitler. Onde houver um povo ou nação se sentindo excluido haverá espaço para todo tipo de ação agressiva terrorista e preventivamente,se faz,através os EUA e com aprovação do SARKOZY, um extermínio de populações inteiras, com a falsa afirmação de Defesa contra um terrorismo de populações mínimas excluídas.Os EUA já estão praticando genocídio e estão procurando uma "prova" genética,que justifique o extermínio de negros,africanos,muçulmanos,árabes,palestinos,etc.etc.


Site: O fantasma do Apartheid Genético
Dr.João Francisco
2007-12-31 14:04:04

O fantasma do apartheid genético

Teorias antigas na política e na economia que não deram certo no passado sempre aparecem como novidade em tempos de poucas idéias. Quem vai mandar no mundo sempre causa uma preocupação em todos, principalmente em quem nasceu num império ou vive encostado na existência de um império. Mas a história da humanidade diz toda verdade: acaba mandando no mundo os mais pobres com grandes populações e muita disposição de criar descendentes. Quem não lembra do episódio nazista no qual eles chegaram a conclusão que precisavam se multiplicar a qualquer custo para poder encher suas fileiras de soldados e assim continuar a ambição de mandar no mundo, por sorte da França e de outros os tais nazistas não conseguiram multiplicar a população alemã. Por isso o mundo hindu, o mundo chinês, o mundo muçulmano e o africano causam preocupações na origem européia. Já imaginaram por exemplo uma colônia de chineses crescendo dentro da França ou Grâ-Bretanha e passando a ser maioria por lá? O que vai acontecer com franceses e britânicos que gozam de um alto padrão de vida?


Jandira
2007-12-31 13:56:55

O fantasma do apartheid genético

Excelente artigo. E também o comentário de Lúcia Nunes. É o "Admirável Mundo Novo", de Aldous Huxley, se materializando. Assustador.
Vera Rebello



2007-12-31 13:46:03

O fantasma do apartheid genético

Eu me rio dos comentários e críticas contra essas técnicas eugênicas. Não vejo ninguém aparecer com qualquer solução para esse problema (considerando que quem quer discutir sobre esse assunto vê na eugenia muito mais problema do que solução para os problemas da humanidade - eu, particularmente, acho que a eugenia sempre estará no centro das discussões da qui para a frente, se é que alguma vez não esteve). Como eu gostaria de ver!
O ser humano como ser gregário que é, sempre busca identidades para desenvolver esse espírito gregário. Ninguém reune-se com quem quer que seja, dialogando, filosofando, "buscando um mundo melhor", sem, primeiro, fazer alguma classificação de quem serão os seus parceiros de futuro.
Em toda busca, nesse sentido, há sempre o mesmo parâmetro - o EU. Mas não um EU geral, mas, simplesmentte, o EU individual, o EU próprio de quem se insere na busca.
Talvez com raras exceções, ninguém se acha descartável nessa busca de parâmetro. Nem deve. Mas, se o parâmetro é o EU individual, pessoal, então é quase impossível escaparmos da eugenia no seu pior sentido.
... Somente a Natureza para nos salvar ... Somente a inevitável seleção natural para nos impedir de chegarmos ao inferno para onde estamos rumando. Somente a incontável variedade de fatores, nem todos previsíveis, sempre alguns escapando da irresponsabilidade dos homens, poderá repor as coisas aos seus devidos lugares..., o começo de tudo.


Paulo Juaci de Almeida Brito
2007-12-31 13:39:05

O fantasma do apartheid genético

Desculpem-me pela repetição em certo ponto de meu comentário. Clareza é essencial.

Este artigo provém de um estudioso da procriação humana - Jacques Testart - ou seja, faz mapeamento genético. O tema é instigante e atualíssimo, além de apavorante. Considero este artigo excelente porque é realista, devido ao perigo que representa a seleção de seres humanos "in vitro" e outras distinções pelo genoma, via análise de filamentos do DNA dos indivíduos. A perspectiva , pela ótica do estudioso não é nada animadora. Na mira estão os imigrantes que vão para os países desenvolvidos. Na França, a seleção biométrica e genética de imigrantes incrivelmente provém de uma medida governamental. O quadro, pela ótica do estudioso, não é nada animador. Mas, para ele, isto tende a ser generalizado para qualquer indivíduo, em um futuro não muito distante. O autor também informa que na Grã-Bretanha já há uma triagem "in vitro" que autoriza a eliminação de embriões com estrabismo. Bem... o filósofo e escritor Sartre não teria vingado dentro do tubo de ensaio, com toda a certeza. O mais grave, a meu ver, é que segundo o estudioso, o uso da biometria e exame de DNA para selecionar características raciais já era uma medida desprezível, e passa agora a oferecer a possibilidade requintada de seleção dos "mais aptos", independente da perspectiva racial. Para ele, isto também é deplorável. Para mim, é também assustador. Não acredito muito nesta "liberalidade" do sistema, que, a propósito, lembra os testes nazistas para encontrar o biotipo do "ariano perfeito". Agora os homens de negócios querem empregar somente gente do tipo "clear", tal como menciona o autor nas notas. Os aeroportos já liberam 45.000 pessoas rapidinho devido à ficha biométrica/DNA, e ainda, de quebra o "privilegiado, notem bem - "de qualquer origem" - ganha um bônus de 75 euros... Contem outra. Esta explicação dos neo-liberais da CEE e dos EUA, de que buscam tão somente "competências" em vista da competitividade não é bem assim, deve ter de tudo, menos objetivos minimamente humanos... A face verdadeira deste projeto mundial de "eugenia" deve parecer mais com a face apresentada no filme recentemente lançado "Filhos da Esperança" (título em português), com Clive Owen. Um tanto catástrófico, o roteiro salta para o ano de 2027. Em Londres, há bairros inteiramente em ruínas devido a combates entre forças governamentais e grupos terroristas. Há oponentes pacifistas ao regime, mas seu número é pequeno, já que visam mudanças na lei. Pelo roteiro, tal regime é radicalmente xenófobo. Há o requinte neo-nazista/fascista de enfiar os "indesejáveis" em celas, com grades, gurnecidos por soldados e cães nas plataformas. Retiram-nos de trens, segundo o critério de seleção étnica (os de pele negra não são visados em especial, e sim os da Europa Oriental, ao que parece). É preocupante, ainda que não vejamos claramente planilhas de seleção genética/biométrica...

A esperança certamente não tem a ver com "competências/competitividade". Ela está, sem dúvida, na preservação de nossa humanidade.


Lúcia Nunes
2007-12-15 01:51:51

O fantasma do apartheid genético

’Muito bom o artigo. Sem dúvida, é preciso alertar a todos sobre esses espectros de eugenia, que assustam a todos ainda hoje.


jorge silva
2007-12-14 23:46:28

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.