Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Au Proche-Orient, des frontières sans nations

» Agriculture : traire plus pour gagner moins

» Petits secrets entre amis à Sciences Po

» Alexeï Navalny, prophète en son pays ?

» Dissoudre pour mieux régner

» La Commune prend les murs

» La gauche, histoire d'un label politique

» Peter Watkins filme la Commune

» Faillite de la mission européenne au Kosovo

» Les Nations unies face au conservatisme des grandes puissances


Edição em inglês


» In Iraq, breaking up is hard to do

» The UAE's seven emirates

» Sahel: shifting enemies, enduring conflict

» How much of a threat is Alexey Navalny?

» Myanmar's military coup

» France cosies up to the UAE

» Little Sparta: the growing power of the UAE

» Little Sparta: the growing power of the UAE

» France's unwinnable Sahel war

» Latin America's feudal castle


Edição portuguesa


» Pagamento com cartão de crédito / PayPal

» Edição de Fevereiro de 2021

» Combates pela igualdade

» "Calem-se!"

» Como reorganizar um país vulnerável?

» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários


Comentários sobre esse texto:

Por que o plebiscito deu no que deu?

CHÁVEZ, PRÁ QUE TE QUERO CHAVES?

Fala-se muito em Chavez, mas ele não é o protagonista. Tomá-lo como tal é cair na esparela, é reduzir em uma pessoa o protagonismo da nação Venezuelana. Ele até pensa que é, mas não passa de um eventual mandatário. No plebiscito a nação disse não! Não para o Eu; sim para o Nós!

Por seu turno, habilidosamente, o império rega a planta da idéia reducionista que muitos pensam que ser uma demonstração de fraqueza; quem comprar esta idéia vai acabar colhendo e comendo o fruto envenenado.

Para o império a tarefa de desmoralizar todo o processo ficará muito mais fácil quando todos pensarem que a revolução se ressume a uma pessoa. Inflam a vaidade daquele que, por si só, se sente o único protagonista e ficam esperando as falhas de uma só pessoa para descredenciá-la e, com isto, interroperem a corrida do cavalo que dispara com o freio nos dentes; a nação venezuelana.

Ao mesmo tempo em que inflam a vaidade do passageiro e circunstancial mandatário, semeiam a destruição da idéia. Abortam a disparada. Inflam a vaidade do homem para que ele busque a autodestruição, que virá por meio da perda da noção de quem é o verdadeiro dono do poder. Quando um se perpetua, ao cair leva tudo consigo colocando por terra todo o nascente protagonismo.

O passageiro mandatário deveria aproveitar a circunstancial oportunidade para fortalecer a nação e a revolução que está ocorrendo. Ao tomar para si o papel principal, amarra as mãos da nação ensejando o avantajamento do oponente.

A vaidade exacerbada gera a necessidade de ultrapassar as fronteiras em um movimento muito intenso que, no mínimo, divide as energias enfraquecendo o flanco principal ao descuidar das necessidades da sua nação.

É um paradoxo. Recebe a incumbência de organizar a nação consciente que emerge e de suplantar os interesses externos estabelecidos em sua pátria, e, no entanto, passa a ocupar-se de outras pátrias, enfraquecendo todas.

Se cuidasse de lustrar, polir a sua nação por certo ganharia muito mais do que a sua tentativa de se transformar em um transnacional.

Se focasse na sua nação, atingiria, por decorrência, a tão almejada transnacionalidade. A vaidade tende a enterrar mais um sonho libertário.

É fundamental reverter e passar a dar o crédito para os reais protagonistas e grandes mandatários: a nação, o eleitor, o povo Venezuelano.

A nação não necessita de um libertador, posto que ela é a libertadora; ela quer manter, sedimentar a nova liberdade conseguida. Para tanto, ela vai nomear tantos quantos for preciso, mas é fundamental ter presente esta realidade e não atrapalhar.

Chavez, prá que te quero chaves? Para abrir as portas de uma nova nação e não as portas para um novo patrão.

Esta é a minha leitura do plebiscito Venezuelano.


João Pedro
2008-03-23 00:07:13

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.