Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que murchamos os pneus de SUVs

» Retrato do esgotamento dos comerciários digitais

» Golpes no Brasil (I): Uma república febril e oligarca

» Cinema: O dom de iludir

» Maranhão: CNBB denuncia a barbárie do “agro”

» 29 de junho de 2022

» Boaventura: o encolhimento do Ocidente

» Contramemória: Modernismo em alta voltagem política

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

Rede Social


Edição francesa


» Le poids des pamphlets, le choc des classes

» En Russie, réprimer plus et enfermer moins

» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica


Comentários sobre esse texto:

Por que o plebiscito deu no que deu?

CHÁVEZ, PRÁ QUE TE QUERO CHAVES?

Fala-se muito em Chavez, mas ele não é o protagonista. Tomá-lo como tal é cair na esparela, é reduzir em uma pessoa o protagonismo da nação Venezuelana. Ele até pensa que é, mas não passa de um eventual mandatário. No plebiscito a nação disse não! Não para o Eu; sim para o Nós!

Por seu turno, habilidosamente, o império rega a planta da idéia reducionista que muitos pensam que ser uma demonstração de fraqueza; quem comprar esta idéia vai acabar colhendo e comendo o fruto envenenado.

Para o império a tarefa de desmoralizar todo o processo ficará muito mais fácil quando todos pensarem que a revolução se ressume a uma pessoa. Inflam a vaidade daquele que, por si só, se sente o único protagonista e ficam esperando as falhas de uma só pessoa para descredenciá-la e, com isto, interroperem a corrida do cavalo que dispara com o freio nos dentes; a nação venezuelana.

Ao mesmo tempo em que inflam a vaidade do passageiro e circunstancial mandatário, semeiam a destruição da idéia. Abortam a disparada. Inflam a vaidade do homem para que ele busque a autodestruição, que virá por meio da perda da noção de quem é o verdadeiro dono do poder. Quando um se perpetua, ao cair leva tudo consigo colocando por terra todo o nascente protagonismo.

O passageiro mandatário deveria aproveitar a circunstancial oportunidade para fortalecer a nação e a revolução que está ocorrendo. Ao tomar para si o papel principal, amarra as mãos da nação ensejando o avantajamento do oponente.

A vaidade exacerbada gera a necessidade de ultrapassar as fronteiras em um movimento muito intenso que, no mínimo, divide as energias enfraquecendo o flanco principal ao descuidar das necessidades da sua nação.

É um paradoxo. Recebe a incumbência de organizar a nação consciente que emerge e de suplantar os interesses externos estabelecidos em sua pátria, e, no entanto, passa a ocupar-se de outras pátrias, enfraquecendo todas.

Se cuidasse de lustrar, polir a sua nação por certo ganharia muito mais do que a sua tentativa de se transformar em um transnacional.

Se focasse na sua nação, atingiria, por decorrência, a tão almejada transnacionalidade. A vaidade tende a enterrar mais um sonho libertário.

É fundamental reverter e passar a dar o crédito para os reais protagonistas e grandes mandatários: a nação, o eleitor, o povo Venezuelano.

A nação não necessita de um libertador, posto que ela é a libertadora; ela quer manter, sedimentar a nova liberdade conseguida. Para tanto, ela vai nomear tantos quantos for preciso, mas é fundamental ter presente esta realidade e não atrapalhar.

Chavez, prá que te quero chaves? Para abrir as portas de uma nova nação e não as portas para um novo patrão.

Esta é a minha leitura do plebiscito Venezuelano.


João Pedro
2008-03-23 00:07:13

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.