Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma inovação amazônida: o Geojornalismo

» Edição de 2 de junho de 2020

» O capitalismo ensaia sua distopia espacial

» Ultraliberais buscam sobreviver a seu desastre

» Regina, Jair e a manipulação da espontaneidade

» Não peçam o fim dos levantes, diz Alexandria Ocasio-Cortez

» Raiva e rebeldia e no coração do Império

» Edição de 1º de junho de 2020

» A Frente Ampla contra o Brasil

» Ken Loach e sua crítica incompleta à uberização

Rede Social


Edição francesa


» Bouée pour la Grèce, béquille pour l'euro

» Faust et l'alchimie capitaliste

» Indétrônables fauteurs de crise

» Comment la droite américaine exploitait les émeutes

» Les Républicains peuvent-ils tirer parti des émeutes de Los Angeles ?

» Les États-Unis, une nation née dans la brutalité

» Un débat intellectuel en trompe-l'œil

» Le Texas en armes contre le confinement

» Shaw ou l'engagement ironique

» Cinquante ans de « dé-mesure » à l'anglo-saxonne


Edição em inglês


» Another ‘Europeanisation'

» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus

» Austerity is the killer

» UK, a new leader for Labour


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)


Comentários sobre esse texto:

Por que o plebiscito deu no que deu?

CHÁVEZ, PRÁ QUE TE QUERO CHAVES?

Fala-se muito em Chavez, mas ele não é o protagonista. Tomá-lo como tal é cair na esparela, é reduzir em uma pessoa o protagonismo da nação Venezuelana. Ele até pensa que é, mas não passa de um eventual mandatário. No plebiscito a nação disse não! Não para o Eu; sim para o Nós!

Por seu turno, habilidosamente, o império rega a planta da idéia reducionista que muitos pensam que ser uma demonstração de fraqueza; quem comprar esta idéia vai acabar colhendo e comendo o fruto envenenado.

Para o império a tarefa de desmoralizar todo o processo ficará muito mais fácil quando todos pensarem que a revolução se ressume a uma pessoa. Inflam a vaidade daquele que, por si só, se sente o único protagonista e ficam esperando as falhas de uma só pessoa para descredenciá-la e, com isto, interroperem a corrida do cavalo que dispara com o freio nos dentes; a nação venezuelana.

Ao mesmo tempo em que inflam a vaidade do passageiro e circunstancial mandatário, semeiam a destruição da idéia. Abortam a disparada. Inflam a vaidade do homem para que ele busque a autodestruição, que virá por meio da perda da noção de quem é o verdadeiro dono do poder. Quando um se perpetua, ao cair leva tudo consigo colocando por terra todo o nascente protagonismo.

O passageiro mandatário deveria aproveitar a circunstancial oportunidade para fortalecer a nação e a revolução que está ocorrendo. Ao tomar para si o papel principal, amarra as mãos da nação ensejando o avantajamento do oponente.

A vaidade exacerbada gera a necessidade de ultrapassar as fronteiras em um movimento muito intenso que, no mínimo, divide as energias enfraquecendo o flanco principal ao descuidar das necessidades da sua nação.

É um paradoxo. Recebe a incumbência de organizar a nação consciente que emerge e de suplantar os interesses externos estabelecidos em sua pátria, e, no entanto, passa a ocupar-se de outras pátrias, enfraquecendo todas.

Se cuidasse de lustrar, polir a sua nação por certo ganharia muito mais do que a sua tentativa de se transformar em um transnacional.

Se focasse na sua nação, atingiria, por decorrência, a tão almejada transnacionalidade. A vaidade tende a enterrar mais um sonho libertário.

É fundamental reverter e passar a dar o crédito para os reais protagonistas e grandes mandatários: a nação, o eleitor, o povo Venezuelano.

A nação não necessita de um libertador, posto que ela é a libertadora; ela quer manter, sedimentar a nova liberdade conseguida. Para tanto, ela vai nomear tantos quantos for preciso, mas é fundamental ter presente esta realidade e não atrapalhar.

Chavez, prá que te quero chaves? Para abrir as portas de uma nova nação e não as portas para um novo patrão.

Esta é a minha leitura do plebiscito Venezuelano.


João Pedro
2008-03-23 00:07:13

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.