Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

» Cinema: três filmes para olhar além da fronteira

» Pacote Guedes (1): Uma distopia cujo tempo passou

» Pacote Guedes (2): Unidos pelo fundamentalismo

» A execução de Baghdadi e o autoengano do Ocidente

» Por que fracassou o mega-leilão do Pré-Sal

Rede Social


Edição francesa


» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors

» Gagnants et perdants de l'ouverture chinoise

» L'islam au miroir de la télévision


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


Comentários sobre esse texto:

Por que o plebiscito deu no que deu?

CHÁVEZ, PRÁ QUE TE QUERO CHAVES?

Fala-se muito em Chavez, mas ele não é o protagonista. Tomá-lo como tal é cair na esparela, é reduzir em uma pessoa o protagonismo da nação Venezuelana. Ele até pensa que é, mas não passa de um eventual mandatário. No plebiscito a nação disse não! Não para o Eu; sim para o Nós!

Por seu turno, habilidosamente, o império rega a planta da idéia reducionista que muitos pensam que ser uma demonstração de fraqueza; quem comprar esta idéia vai acabar colhendo e comendo o fruto envenenado.

Para o império a tarefa de desmoralizar todo o processo ficará muito mais fácil quando todos pensarem que a revolução se ressume a uma pessoa. Inflam a vaidade daquele que, por si só, se sente o único protagonista e ficam esperando as falhas de uma só pessoa para descredenciá-la e, com isto, interroperem a corrida do cavalo que dispara com o freio nos dentes; a nação venezuelana.

Ao mesmo tempo em que inflam a vaidade do passageiro e circunstancial mandatário, semeiam a destruição da idéia. Abortam a disparada. Inflam a vaidade do homem para que ele busque a autodestruição, que virá por meio da perda da noção de quem é o verdadeiro dono do poder. Quando um se perpetua, ao cair leva tudo consigo colocando por terra todo o nascente protagonismo.

O passageiro mandatário deveria aproveitar a circunstancial oportunidade para fortalecer a nação e a revolução que está ocorrendo. Ao tomar para si o papel principal, amarra as mãos da nação ensejando o avantajamento do oponente.

A vaidade exacerbada gera a necessidade de ultrapassar as fronteiras em um movimento muito intenso que, no mínimo, divide as energias enfraquecendo o flanco principal ao descuidar das necessidades da sua nação.

É um paradoxo. Recebe a incumbência de organizar a nação consciente que emerge e de suplantar os interesses externos estabelecidos em sua pátria, e, no entanto, passa a ocupar-se de outras pátrias, enfraquecendo todas.

Se cuidasse de lustrar, polir a sua nação por certo ganharia muito mais do que a sua tentativa de se transformar em um transnacional.

Se focasse na sua nação, atingiria, por decorrência, a tão almejada transnacionalidade. A vaidade tende a enterrar mais um sonho libertário.

É fundamental reverter e passar a dar o crédito para os reais protagonistas e grandes mandatários: a nação, o eleitor, o povo Venezuelano.

A nação não necessita de um libertador, posto que ela é a libertadora; ela quer manter, sedimentar a nova liberdade conseguida. Para tanto, ela vai nomear tantos quantos for preciso, mas é fundamental ter presente esta realidade e não atrapalhar.

Chavez, prá que te quero chaves? Para abrir as portas de uma nova nação e não as portas para um novo patrão.

Esta é a minha leitura do plebiscito Venezuelano.


João Pedro
2008-03-23 00:07:13

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.