Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 15 de agosto de 2022

» O que precisamos aprender com André Janones

» 11 de agosto: balanço e perspectivas

» A lição de Lima Barreto na Crítica Impura

» E se a agricultura favorecer a reindustrialização?

» 12 de agosto de 2022

» Nos arquivos soviéticos, a vida real sob Stálin

» Propostas agroecológicas para o novo governo Lula

» Crônica: Influências

» Conversas entre a psicanálise e a terapia psicodélica

Rede Social


Edição francesa


» Entourloupes démocratiques

» Poussières d'empire britannique

» L'Europe ? « Yes… but no »

» Le grand plongeon des Britanniques

» Pathologies de la démocratie

» Vote Le Pen, une bataille de proximité

» L'Afrique du Sud lassée de ses libérateurs

» Le rêve américain au miroir du basket-ball

» Minsk se rebiffe contre le grand frère russe

» L'agriculture biologique dans l'Union Européenne


Edição em inglês


» August: the longer view

» America's ageing nuclear facilities

» Julian Assange, unequal before the law

» Wuhan: the Covid diary

» The high price of becoming a student in Russia

» Why Parisians fear and loathe Saint-Denis

» Kosovo's problematic special status

» Summer in Moldova: will the party have to stop?

» Three little letters the world came to hate: IMF

» Will the FARC accords finally work under Petro?


Edição portuguesa


» Dos lucros dos oligarcas aos vistos dos pobres

» Em defesa da água e do futuro do Algarve

» A escrita delas, África em Portugal (ou Donde sou)

» Vozes femininas e o livre imaginar

» O Comité de Salvamento Privado

» A burguesia francesa recompõe-se em Versalhes

» Que país pode ser independente?

» O fim do desencanto para os ex-guerrilheiros?

» Acarinhar Pinochet, destruir Assange

» Ardósia mágica


Comentários sobre esse texto:

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Prezado Mario...é "lenta gradual e segura a abertura que iniciou no governo Geisel....ampla geral e irrestrita foi a anistia que, porém, não contemplou elementos considerados de alta periculosidade, tais como o filho de Nelson Rodrigues, p. ex, o "Prancha" que só foi libertado depois da lei da anistia e sob intensas negociações. Vide Elio Gaspari - A ditadura derrotada e o Anjo Pornográfico de Ruy Castro. Quando comentarem qualquer texto do Le Monde, por favor estejam instrumentados e capacitados a isso, ora pois...


Celso Rodrigues Neto
2008-02-23 01:54:54

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Lenta, gradual e irrestrita, este era o slogan da abertura. O texto tem um claro viés. Conclamo os autores a serem neutros e verdadeiros cientistas sociais em seus escritos.
Bom trabalho.


Mario Silva
2008-02-21 22:11:04

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Não entendi o trecho "Embora não perdoasse os praticantes de ’atos terroristas’, a lei da anistia aprovada a 29 de agosto de 1979 eximia os militares de toda e qualquer culpa." A anistia não eximiu todos, de um lado e de outro, de eventuais crimes cometidos antes da lei?


Baiano
2008-02-17 13:49:03

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Uma excelente análise histórica das instituições políticas e sua relação com o povo. Democracia deve vir do povo e não da concessão de quem está no poder. Ademais são estes ocupantes do poder que classificam como "vandalismos, depredações e cárcere privado" as ações de "alguns movimentos popularis". Num governo democrático, pois, a resistência deve vir da socidade organizada e não somente de "grupos políticos".


Fabio
2008-02-16 18:56:38

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Uma verdadeira aula de história os textos de Claudio e Silvia. Sempre muito esclarecedores e acrescentando muito a cultura de quem os lê. Somente discordo quando classifica atos de vandalismos, depredações e cárcere privado, como fazem alguns movimentos popularis, como atos de democracia.


Afonso Pires Faria
2008-02-16 14:09:40

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Discordo que o texto é um abacaxi de esquerda. Desculpe, mas como professora de história concordo em grau e gênero com os autores. Enquanto a gente se recusar a reflexionar um pouco além do que a tv ou os jornais nos entregam, estamos realmente destinados a seguir a mesma cartilha. E olha que os efeitos parecem não agradar a nenhum de nós brasileiros, e mesmo assim temos dificuldades pra mudar. Existe resistência? Com certeza. Mas também né necessário dialogar e participar da política, senão nosso grito fica no vazio.



2008-02-15 22:37:13

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

A idéia de trazer à superfície o caráter conciliatório, conservador mesmo das rupturas políticas de nossa história é louvável pois permite ampliar e aprofundar nosso conhecimento.

Apenas um senão. colorir as revoltas do período colonial com as tintas no nacionalismo é forçar a barra. Tirando a cobertura do romantismo mítico colocada pelas elites do século XIX, e mesmo do XX, observa-se tratar-se de movimentos da elite branca colonial contra os excessos gerados pela permanência do regime de monopólio e contra a pesada carga tributária metropolitana.

Edu Marcondes


edu marcondes
2008-02-15 15:35:06

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Texto magnífico, a nossa submissão, estamos cansados de saber, é histórica e é muito bom para as elites que continuemos alienados. Mas a nossa resistência não é em vão, já temos a lei de cotas, já temos mecanismos de pressão que aos poucos vão mudando algumas letras dessa cantilena. Parabéns aos autores!


Rachel Neumann
2008-02-15 13:32:20

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Esse texto é uma mentira. Uma invencionisse, um abacaxi de esquerda.



2008-02-14 17:35:26

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.