Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de setembro de 2021

» Dissidência jovem no coração do sistema

» Ainda não acabou: o mal-estar na pandemia

» Para entender as três crises do Haiti

» Uma cineasta à altura dos desafios de nosso tempo

» 23 de setembro de 2021

» Evergrande: falência e oportunidade na China

» Tecnologia e política para reconstruir mundo em ruínas

» Cinema: Aranha e nossas raízes fascistas

» 22 de setembro de 2021

Rede Social


Edição francesa


» Émergence de l'Asie sur la scène scientifique

» Singapour, Malaisie, Indonésie : triangle de croissance ou triangle des inégalités ?

» Les rêves déçus et la colère rentrée des harkis

» Conflits d'usages en mer Baltique

» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord

» Batailles pour le partage de la mer de Chine


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


Comentários sobre esse texto:

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Prezado Mario...é "lenta gradual e segura a abertura que iniciou no governo Geisel....ampla geral e irrestrita foi a anistia que, porém, não contemplou elementos considerados de alta periculosidade, tais como o filho de Nelson Rodrigues, p. ex, o "Prancha" que só foi libertado depois da lei da anistia e sob intensas negociações. Vide Elio Gaspari - A ditadura derrotada e o Anjo Pornográfico de Ruy Castro. Quando comentarem qualquer texto do Le Monde, por favor estejam instrumentados e capacitados a isso, ora pois...


Celso Rodrigues Neto
2008-02-23 01:54:54

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Lenta, gradual e irrestrita, este era o slogan da abertura. O texto tem um claro viés. Conclamo os autores a serem neutros e verdadeiros cientistas sociais em seus escritos.
Bom trabalho.


Mario Silva
2008-02-21 22:11:04

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Não entendi o trecho "Embora não perdoasse os praticantes de ’atos terroristas’, a lei da anistia aprovada a 29 de agosto de 1979 eximia os militares de toda e qualquer culpa." A anistia não eximiu todos, de um lado e de outro, de eventuais crimes cometidos antes da lei?


Baiano
2008-02-17 13:49:03

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Uma excelente análise histórica das instituições políticas e sua relação com o povo. Democracia deve vir do povo e não da concessão de quem está no poder. Ademais são estes ocupantes do poder que classificam como "vandalismos, depredações e cárcere privado" as ações de "alguns movimentos popularis". Num governo democrático, pois, a resistência deve vir da socidade organizada e não somente de "grupos políticos".


Fabio
2008-02-16 18:56:38

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Uma verdadeira aula de história os textos de Claudio e Silvia. Sempre muito esclarecedores e acrescentando muito a cultura de quem os lê. Somente discordo quando classifica atos de vandalismos, depredações e cárcere privado, como fazem alguns movimentos popularis, como atos de democracia.


Afonso Pires Faria
2008-02-16 14:09:40

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Discordo que o texto é um abacaxi de esquerda. Desculpe, mas como professora de história concordo em grau e gênero com os autores. Enquanto a gente se recusar a reflexionar um pouco além do que a tv ou os jornais nos entregam, estamos realmente destinados a seguir a mesma cartilha. E olha que os efeitos parecem não agradar a nenhum de nós brasileiros, e mesmo assim temos dificuldades pra mudar. Existe resistência? Com certeza. Mas também né necessário dialogar e participar da política, senão nosso grito fica no vazio.



2008-02-15 22:37:13

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

A idéia de trazer à superfície o caráter conciliatório, conservador mesmo das rupturas políticas de nossa história é louvável pois permite ampliar e aprofundar nosso conhecimento.

Apenas um senão. colorir as revoltas do período colonial com as tintas no nacionalismo é forçar a barra. Tirando a cobertura do romantismo mítico colocada pelas elites do século XIX, e mesmo do XX, observa-se tratar-se de movimentos da elite branca colonial contra os excessos gerados pela permanência do regime de monopólio e contra a pesada carga tributária metropolitana.

Edu Marcondes


edu marcondes
2008-02-15 15:35:06

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Texto magnífico, a nossa submissão, estamos cansados de saber, é histórica e é muito bom para as elites que continuemos alienados. Mas a nossa resistência não é em vão, já temos a lei de cotas, já temos mecanismos de pressão que aos poucos vão mudando algumas letras dessa cantilena. Parabéns aos autores!


Rachel Neumann
2008-02-15 13:32:20

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Esse texto é uma mentira. Uma invencionisse, um abacaxi de esquerda.



2008-02-14 17:35:26

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.