Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 20 de maio de 2022

» O impasse da democracia e o dilema feminista

» Como o patriarcado engole a democracia

» O modernismo a contrapelo – em exposição e livro

» Argentina: a potência das cooperativas de plataforma

» 19 de maio de 2022

» O mundo à beira da grande crise alimentar

» O que o Brasil pode perder sem a Eletrobras

» A distopia trabalhista da Amazon

» Cinema: A arte de observar a poesia das miudezas

Rede Social


Edição francesa


» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


Comentários sobre esse texto:

Muito além da assistência estudantil

Estudei na universidade entre os anos de 85 a 90. Foi na Univ. Fed. de Viçosa. É uma universidade de interior e com isto, por bem ou por mal, teve de montar uma infra-estrtura de alojamentos e bandeijão para receber os alunos. A cidade não comportava. Um ponto fundamental eram as bolsas de carência, que possibilitavam alunos como eu, estudar na universidade praticamente a custo zero. Estas bolsas eram concedidas com base em análise sócio-financeira e não em critérios de raça... Associado às bolsas, a Biblioteca Central fornecia todos os livros necessários e as fotocópias trabalhavam a todo vapor. Sem este suporte, eu e uma grande quantidade de alunos na época jamais teriam conseguido concluir um curso de tempo integral, com quase cinco anos de duração.


Paulo
2008-02-21 01:00:03

Muito além da assistência estudantil

Parabéns, ótimo texto!
Sabemos de tantas propostas belas como esta que com certeza reduziriam a evasão escolar/universitária, entretanto, o que mais me preocupa é a "cultura do jeitinho" que temos no Brasil e que muitas vezes derrubam propostas grandiosas de redução do fosso social, me refiro ao caso do Bolsa Família no qual diversas pessoas que possuem uma devida renda se aproveitam do governo mantendo seus cartões, quando não deveriam ser acolhidos pelos mesmo programa por serem portadores de tal renda.
A proposta é que tais políticas sejam, conjuntas a uma efetiva reforma no Sistema de Ensino Público, somente assim alcançaríamos uma autêntica igualdade e um país que respeite as diferenças étnicas.


Alex Brasil Maninho
2008-02-20 14:34:36

Muito além da assistência estudantil

Inicialmente devo parabenizar o autor pela qualidade do artigo.
Sou professor universitário e trabalho em uma universidade situada na baixada fluminense, Rio de Janeiro e percebo o quanto é difícil para muitos manterem-se na graduação. São pessoas que normalmente possuem uma origem humilde e que tiveram uma educação básica deficitária. Infelizmente o processo de avaliação não considera muito isso e o Enade, de certa forma também. O conhecimento básico junto a falta de acesso a leituras complementares e a cultura de um modo geral transforma em um verdadeirto desafio ao professor que tenta tratar os alunos sem diferenciá-los. O termo assistencia estudantil deve também ser utilizado por nossas universidades como um suporte para estimular os alunos a leitura crítica de jornais, revistas científicas ou não para que tente resgatar o desejo de ampliar novos horizontes com um conhecimento geral sobre assuntos do dia-dia pouco valorizados.
Saudações
Elielso de Sousa


Elielso de Sousa
2008-02-20 02:35:17

Muito além da assistência estudantil

Excelente o texto!
Aí está em síntese todo o programa que pode retirar da pobreza milhares de jovens brasileiros, distribuindo renda e aprofundando a democracia na universidade.
Parabéns, mais uma vez, ao Bruno Cava.
Alexandre


Alexandre
2008-02-19 19:17:41

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.