Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 15 de agosto de 2022

» O que precisamos aprender com André Janones

» 11 de agosto: balanço e perspectivas

» A lição de Lima Barreto na Crítica Impura

» E se a agricultura favorecer a reindustrialização?

» 12 de agosto de 2022

» Nos arquivos soviéticos, a vida real sob Stálin

» Propostas agroecológicas para o novo governo Lula

» Crônica: Influências

» Conversas entre a psicanálise e a terapia psicodélica

Rede Social


Edição francesa


» Entourloupes démocratiques

» Poussières d'empire britannique

» L'Europe ? « Yes… but no »

» Le grand plongeon des Britanniques

» Pathologies de la démocratie

» Vote Le Pen, une bataille de proximité

» L'Afrique du Sud lassée de ses libérateurs

» Le rêve américain au miroir du basket-ball

» Minsk se rebiffe contre le grand frère russe

» L'agriculture biologique dans l'Union Européenne


Edição em inglês


» August: the longer view

» America's ageing nuclear facilities

» Julian Assange, unequal before the law

» Wuhan: the Covid diary

» The high price of becoming a student in Russia

» Why Parisians fear and loathe Saint-Denis

» Kosovo's problematic special status

» Summer in Moldova: will the party have to stop?

» Three little letters the world came to hate: IMF

» Will the FARC accords finally work under Petro?


Edição portuguesa


» Dos lucros dos oligarcas aos vistos dos pobres

» Em defesa da água e do futuro do Algarve

» A escrita delas, África em Portugal (ou Donde sou)

» Vozes femininas e o livre imaginar

» O Comité de Salvamento Privado

» A burguesia francesa recompõe-se em Versalhes

» Que país pode ser independente?

» O fim do desencanto para os ex-guerrilheiros?

» Acarinhar Pinochet, destruir Assange

» Ardósia mágica


Comentários sobre esse texto:

Depois de Fidel, o quê?

Antônio Martins:
Gostei tanto do seu artigo quanto do comentário de Mandrake. Fidel, mas uma vez, dá exemplo de sua capacidade de inteligência; viu no cenário político e econômico a possibilidade de continuar a revolução, e sua renúncia colabora para uma transição sem choques - mesmo tendo em vista mudanças necessárias. Nosso momento é único. A América Latina se unindo formará um bloco sólido.
Acrescento ainda que precisamos divulgar conteúdos como os do "LE MOND...", para que a sociedade torne-se um exército com idéias. A maioria das pessoas de meu convívio são completamente alienadas quanto ao que está ocorrendo, vêem Fidel, Chávez e Moralles como seres alucinados. Todos desejam sorte, mas também podemos ser responsáveis pelo sucesso de Cuba. Em consultórios médicos não encontramos leituras de boa qualidade, taí uma forma de divulgação que atingirá grande contigente.


Lúcia Ribeiro
2008-03-04 01:23:28

Depois de Fidel, o quê?

É certo que Cuba ainda hoje, não obstante as crises dos anos 90, tem um
dos maiores índices de desenvolvimento humano da América Latina, com
quase 100% da população alfabetizada e com acesso a saúde. Também é
certo que não há liberdade de imprensa, parlamento independente ou qualquer coisa que se assemelhe
a uma democracia.
Contudo, justificar a ditadura cubana em razão dos ganhos sociais,
seria como justificar a ditadura militar brasileira através do milagre
econômico dos anos 70.
Mas esquecer-se dos ganhos sociais da ilha de Cuba nesses anos e
sobretudo durante o apoio soviético seria levar Fidel Castro à vala
comum onde se encontram inúmeros ditadores que, sobretudo na América
Latina e na África, com a mesma força de Castro, não alcançaram sequer
metade do que alcançou Cuba.
Assim, tenho dificuldades em julgar a politica cubana e Fidel, deixando essa
missão para a História, mas boa ou ruim, a ilha deverá ser
sempre lembrada como algo diferente que marcou o século XX e sobetudo como uma
história de resistência à maior potência do planeta.
Torço para que Cuba possa progredir gradativamente e, quem sabe mutatis mutandis como fez
a China, aproveitar a economia de mercado para seu crescimento, e que
também de maneira progressiva, possa trilhar os rumos para que lá se
estabeleça um estado democrático de direito.
E que a política latino americana, a começar por Morales e Chavez possa
se inspirar em Fidel na sua preocupação social que, se somada ao reconhecimento da liberdade do indivíduo e da dignidade humana como pilares axiológicos do Estado trarão benefícios efetivos a todos.
Boa sorte a Cuba!


Mandrake
2008-02-24 13:57:49

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.