Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Argentina: o que esperar de Fernández e Cristina

» 2019, o ano do Pibinho do Guedes

» Lowy resgata a atualidade de Walter Benjamin

» Como Weintraub devasta e militariza a Educação

» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

Rede Social


Edição francesa


» Le crépuscule de la raison

» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »


Edição em inglês


» UK's austerity election

» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


Comentários sobre esse texto:

Mein Führer, ousadia e frustração

Assisti ao filme na Austria, e devo confessar que comoestava lá há apenas um mês, não pude compreender totalmente os diálogos. Mas eu, meus amigos austríacos e aparentemente todos ali no cinema abraçaram a proposta do filme, fazer rir, relaxar e o principal, tirar um enorme sarro da cara do ditador, caricaturizado pelos olhos do judeu que narra a história.
Também como percebi para os austríacos é muito pesaroso e tabu falar sobre a segunda guerra e Hitler, mas o filme possibilitou muito cmentários e comparações coma história, coisas que antes, na minha estadia, eram tópicos proibidos de conversa(expressamente desta forma em meu primeiro dia por lá).
Pudemos debater a história, a realidade, a atualidade, o filme, a comédia e a verdade por trás dele.

Para mim então o filme teve um propósito pessoal muito importante e me proporcionou também algumas risadas.


Nadja
2008-04-14 23:21:33

Mein Führer, ousadia e frustração

Excelente artigo, retórica impecável.Parabéns!


Cláudio
2008-03-27 14:13:46

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.