Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Privatização da água: o mau exemplo de São Paulo

» O tripé nefasto que sustenta um governo capenga

» Como EUA fabricaram o “marxismo cultural”

» No futebol, uma síntese do racismo brasileiro

» 13 de julho de 2020

» 99 Teses para uma economia pós-capitalista

» As crianças que nos governam e como vencê-las

» Maquiavel explica o novo ministro da educação

» 10 de julho de 2020

» A luta decisiva contra o reconhecimento facial

Rede Social


Edição francesa


» Un capitalisme financier habillé à la française

» Aux bons soins d'une société sécuritaire

» La police, la gauche et le changement

» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe


Edição em inglês


» Meanwhile in Minneapolis

» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


Comentários sobre esse texto:

Mein Führer, ousadia e frustração

Assisti ao filme na Austria, e devo confessar que comoestava lá há apenas um mês, não pude compreender totalmente os diálogos. Mas eu, meus amigos austríacos e aparentemente todos ali no cinema abraçaram a proposta do filme, fazer rir, relaxar e o principal, tirar um enorme sarro da cara do ditador, caricaturizado pelos olhos do judeu que narra a história.
Também como percebi para os austríacos é muito pesaroso e tabu falar sobre a segunda guerra e Hitler, mas o filme possibilitou muito cmentários e comparações coma história, coisas que antes, na minha estadia, eram tópicos proibidos de conversa(expressamente desta forma em meu primeiro dia por lá).
Pudemos debater a história, a realidade, a atualidade, o filme, a comédia e a verdade por trás dele.

Para mim então o filme teve um propósito pessoal muito importante e me proporcionou também algumas risadas.


Nadja
2008-04-14 23:21:33

Mein Führer, ousadia e frustração

Excelente artigo, retórica impecável.Parabéns!


Cláudio
2008-03-27 14:13:46

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.