Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que murchamos os pneus de SUVs

» Retrato do esgotamento dos comerciários digitais

» Golpes no Brasil (I): Uma república febril e oligarca

» Cinema: O dom de iludir

» Maranhão: CNBB denuncia a barbárie do “agro”

» 29 de junho de 2022

» Boaventura: o encolhimento do Ocidente

» Contramemória: Modernismo em alta voltagem política

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

Rede Social


Edição francesa


» Le poids des pamphlets, le choc des classes

» En Russie, réprimer plus et enfermer moins

» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica


Comentários sobre esse texto:

Mein Führer, ousadia e frustração

Assisti ao filme na Austria, e devo confessar que comoestava lá há apenas um mês, não pude compreender totalmente os diálogos. Mas eu, meus amigos austríacos e aparentemente todos ali no cinema abraçaram a proposta do filme, fazer rir, relaxar e o principal, tirar um enorme sarro da cara do ditador, caricaturizado pelos olhos do judeu que narra a história.
Também como percebi para os austríacos é muito pesaroso e tabu falar sobre a segunda guerra e Hitler, mas o filme possibilitou muito cmentários e comparações coma história, coisas que antes, na minha estadia, eram tópicos proibidos de conversa(expressamente desta forma em meu primeiro dia por lá).
Pudemos debater a história, a realidade, a atualidade, o filme, a comédia e a verdade por trás dele.

Para mim então o filme teve um propósito pessoal muito importante e me proporcionou também algumas risadas.


Nadja
2008-04-14 23:21:33

Mein Führer, ousadia e frustração

Excelente artigo, retórica impecável.Parabéns!


Cláudio
2008-03-27 14:13:46

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.