Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

» Franz Kafka: como sair do labirinto

» Por trás do iPhone, o Estado e os militares

» Equador: bastidores e sentidos da notável vitória

Rede Social


Edição francesa


» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin

» Gauche latino-américaine, version Uruguay

» Fascisme, islam et grossiers amalgames


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


Comentários sobre esse texto:

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

Enquanto tudo isso, continuamos trabalhando 5 meses por ano para sustentar o salário de suas excremências.
Democracia o Cacete.
Acorda Gente...............................


Um cidadão
2008-06-10 10:31:49

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

Eu não sei porque da reclamação quanto ao comportamento do PT e da "esquerda brasileira", isso era mais que esperado...
Me digam um único regime comunista que não é marcado por corrupção, previlégios aos dirigentes e seus "amigos", restrição das liberdades individuais, censura a imprensa e perseguição politica e eu fico quieto.
Todos sabem que é isso que a "esquerda brasileira" gostaria e nem é preciso dizer quem eles gostariam no comando do partido único do povo...


Claudio
2008-06-04 19:30:21

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

Sim, a Amazônia é nossa. Também é das BRASILEIRÍSSIMAS Bunge, Cargill, Monsanto, Nestlé etc, etc. Ainda hoje foi noticiado que mais de 30 milhões de brasileiros "vivem" em áreas urbanas sem tratamento de esgoto, segundo o IPEA. A Anistia Internacional denuncia o trabalho escravo nos canaviais, mas isso em nada afeta os FABULO$O$ LUCRO$ BANQUEIRO$. E aquele general idiota ainda fala em soberania nacional. QUÁQUÁQUÁQUÁ! Que me desculpem os mais sensíveis, mas isso aqui não é um país, é um gigantesco acampamento.
PS. E ainda querem ressuscitar a CPMF com outro nome e criar mais de 7 mil vagas para vereadores, esse cargo tão inútil quanto oneroso.


BAKHUNIN, O ANARQUISTA
2008-05-30 21:13:08

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

Mas era díficil ela continuar no cargo. Pressões políticas da bancada ruralista que está na base do governo, e também da velha direita Demo-Tucana. Sem contar o loby do agronegócio. A muitos congressistas com rabo preso com o latifúndio do agronegócio, fez pressão ao governo Lula. Lula foi obrigado a ceder para não perder apoio político no congresso da bancada ruralista. E o loby da bancada ruralista é forte, basta ver o exemplo dos biocombustíveis que dizem que irão salvar o planeta, mas controversamente a produção desses biocombustíveis que figuram a maior fator de liberação de Co2 na atmosfera para o Brasil. O loby do agronegócio na nossa política nacional é muito grande. Infelizmente é a velha políticagem cínica e descarada de sempre, sempre em favor dos poderosos.


Xanladen
2008-05-24 02:50:32

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

A saida é pela democracia,mais democracia.É imprecionante como o pensamento político é elaborado a partir de uma visão patriarcal : o problema é o homem ( o Lula), ou , a santa é a Marina ( a mãe da Natureza); parece que a natureza está lá e nós ( urbanos ) cá. É incrível, a crítica ao desenvolvimentismo, na maioria das vezes, firma-se nos pressupostos filosóficos que o fundamentam, ou seja, a visão dualista, a oposição entre cultura e natureza.Não há democracia sem instituições fortes. Instituições fortes não são feitas pela força de um presidente. Tá certa a autora quando chama atenção da sociedade civil, não da sociedade servil - as ongs que vendem ideários por recursos públicos -  isso é lógica, razão utilitária que corrói e não constrói intituições políticas sérias.O acerto do Lula está em entender que não  há democracia sem povo,  e ,não há povo organizado se houver fome, analfabetismo,exclusão dos bancos universitários. Não há democracia sem estado aparelhado ( saúde sem médico, educação sem professores, polícia sem técnicos, etc). Que se contenha,essa minoria branca. Nossa democracia não tem volta, tá demorando um pouco mas as reformas estruturais saírão, pois a Marina com muitas outras marinas não se cansarão na luta junto com os milhões de Lulas inspirados e movidos pela energia vibrante do irmãos: zumbi , betinho , irmã dorothi, o querido chico etc....Avante, reforma política e eleitoral já, reforma agrária, reforma tributária, taxação das grandes fortunas, etc. Mudanças se fazem pela hegemonia que nossas idéias tenham na sociedade, para que tenhamos de fato governo pela nossas idéias.Todo apoio, e critica necessária ao Lula, Força Minc. Estamos juntos, estamos de olho.Afonso pereira - Abc SP.


José Afonso Pereira
2008-05-23 05:27:41

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

Como se desenvolver de maneira sustentável?



2008-05-23 03:02:37

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

Mais uma TRAIÇÃO de Lula e do PT ao povo brasileiro.


Nubem Medeiros
2008-05-21 17:05:15

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

MARINA SILVA OU QUALQUER OUTRO SILVA.

A administração de um Ministério depende da vontade política e da cooperação das pessoas que ali trabalham e desempenham suas funções. Podemos e devemos reconhecer a trajetória de vida de Marina Silva, mas isso somente não a credencia a lidar com a burocracia e o poder.
O exercício de um cargo público exige conhecimento, desprendimento, articulação e principalmente saber trabalhar em grupo e motivar pessoas. Mariana era só, nunca teve junto a si uma equipe que gerisse a maquina administrativa, muito pelo contrario, submissa aos tecnocratas radicais se indispôs por falta de equipe e conhecimento técnico com a maioria de seus pares na esfera ministerial.
Marina confundiu o cargo legislativo com o executivo, o legislativo é laisse faire,o executivo é ação, determinação, liderança, esse foi o pecado, mas o nome Marina Silva é marca mundial de luta ecológica, queiram os companheiros de plantão ou não, Marina é tradição e não somente plantão.


AlfKlein
2008-05-20 20:18:03

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

Reputo Marina Silva uma das grandes mentes dispostas a salvaguardar nossas reservas naturais e consequentes biodiversidades, além de preocupação justa e consequente com os povos da mata e seus direitos históricos.

Creio, porém, que no que concerne ao quesito ideológico-administrativo para implementação de políticas necessárias, a ex-ministra me pareceu em alguns momentos dessa interminável "batalha-santa", face seus imensos desdobramentos, um tanto ou quanto messiânica em suas posições. Concordo que devamos proteger o território de quaisquer tipos de investidas econômicas prejudiciais ao meio-ambiente e sua sustentabilidade, porém o equilíbrio nas discussões e decisões se faz necessário. Demarcações são extremamente importantes e necessárias, desde que venham acompanhadas de alternativas e fomentos visando atividades econômicas produtivas, autosustentáveis e com o devido controle técnico preventivo para eliminar-se riscos de possíveis danos a serem, porventura, causados. Desmatamentos irregulares devem ser terminantemente coibidos e seus agentes desmobilizados.
Enfim, políticas públicas de desenvolvimento e ocupação ordenada devem ser objeto de tais discussões, levando-se a estas regiões organismos essenciais como por exemplo, o BNDES e suas políticas de fomento; a EMBRAPA e suas alternativas tecno-científicas; Ministérios da Justiça e da Reforma Agrária com suas diretrizes jurídicas para assentamento de novas populações e de soluções pretensamente apaziguadoras dos inevitáveis conflitos decorrentes.
Então, só nos cabe torcer pelo novo ministro Minc, o qual é animal político honrado e tecnicamente preparado para tal desafio.
Boa sorte à nós todos e que políticas realistas e factíveis, insisto, sejam adotadas e perseverantemente mantidas.
Afonso.


Afonso Celso Castro de Oliveira
2008-05-20 19:35:46

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

Pois é, Acreditar nas boas intenções do Sr Lula é crer em papai noel no fim de ano. Este senhor que por ora nos governa terá que acertar contas com a história, A verdadeira esquerda errou feio ao acreditar que um opérário que mal sabe falar, que não leu se quer um livro de algum autor mais engajado, poderia nos conduzir a modernização do Estado brasileiro transformando em Nação posteriormente através de outras gerações. É triste que as pessoas hoje ainda não constataram que o nosso presidente nunca foi um personagem da esquerda brasileira.É meramente uma figura lastimável, que dá esmolas as classes mais pobres (bolsas, cotas, pró-unes,etc.)e presenteia as classes ricas(agronegócios,bancos, usineiros etc.)com o céu que nunca tiveram nem mesmo no governo dos tucanos é só olharmos as estatisticas para conferir. Portanto a ministra Marina aguentou o quanto pode,ela é uma heroína, saiu ser atirar em ninguém, agora ficará mais fácil para os chamados "desenvolvimentistas" agilizarem a entrega do Brasil a quem interessar, ou seja o grande capital financeiro- especulativo.


Nilson Ribeiro do Nascimento
2008-05-20 15:40:10

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

No comentário, Marisa levanta alguns pontos passíveis de crítica.

O primeiro se refere às organizações não governamentais. Marisa as compreende, ao que parece, como se mantivessem as mesmas características que tinham em sua fase de surgimento. Em suas raízes essas instituições eram constituídas a partir dos embates sociais contras formas de organização totalitária, notadamente, na Europa. Cabe, lembrar, que nessa fase, eram apoiadas por organizações de voluntariado estadunidenses. E, para muita gente, ainda prevalece essa idéia de que as denominadas ongs são expressões do voluntariado, organizações a serviço da coletividade.

Olhando com algum cuidado, as ongs operando no Brasil, regra geral, são espaços de emprego e de empresariamento para muita gente. E, para completar, são organizações que executam programas de trabalho apoiadas em recursos públicos. Há, portanto, a necessidade de que se forme, como de fato se formou, um entrelaçamento muito íntimo entre a burocracia do estado e as ongs. Ninguém agirá, portanto, para por em risco suas fontes de financiamento. Como reagir, portanto, contra a saída da senadora Marina?

A segunda passagem da mensagem da Marisa que merece comentário diz respeito a uma certa crença que ela atribui ao senhor presidente: "o próprio Presidente Luis Inácio da Silva Lula, ex. liderança sindical, certamente reconhece a importância da vitalidade de uma sociedade civil organizada para o sucesso de seu governo.", diz ela.

Talvez, algum dia, ele tenha acreditado nisso. Hoje, entretanto, o presidente Lula acredita, mesmo, é no poder do capital e a ele se rendeu. As principais políticas visam o fortalecimento da acumulação de capital e as reformas trabalhistas afirmam-se como mecanismos de afirmação das estruturas de coerção do trabalho.

Por fim, Marisa, a idéia de programas sociais de integração é um pouco exagerado. O que se faz, neste país, hoje em dia, é distribuir alguma grana para que os milhões de pessoas vivendo em condições miseráveis alcancem algum alimento diariamente. Para falarmos em integração teríamos de ir além disso. Em nada, as ações do atual governo contribui para modificar as estruturas de reprodução da miséria.


Mário
2008-05-20 05:22:52

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

Srs,

Como cidadão comum, que não chega a ler "Caros Amigos" de fio a pavio mas leitor regular da Carta Capital (e não de "Veja"); um cara que não é petista mas grande admirador de Lula pelos RESULTADOS EFETIVOS que sua gestão trouxe para o nosso País, por favor alguém me explique:

1) que tipo de ações Marina efetivamente propôs e conseguiu implementar em defesa de nossos recursos naturais (diminuição de queimadas na Amazônia principalmente)? em outras palavras, qual o balanço de sua gestão em termos efetivos?

2) porquê Marina é tão "endeusada", além do grande valor pessoal que efetivamente tem, pela sua trajetória de vida?

Com todo o respeito, porquê essa choradeira? O futuro da Floresta Amazônica depende de Marina da Silva? Metade da floresta será uma plantação de soja e a outra metade vai ser ladrilhada, agora que ela saiu???

O Minc seria por acaso um incapaz e não estaria à altura de prosseguir e até apresentar melhores RESULTADOS??

Por fim: quem sai porque quer, porque não aguentou a pressão, ou porque desistiu, apesar de ter lutado, deve RETIRAR-SE DE CENA ÉTICAMENTE, e não fazer como certo ex-Presidente faz arrotando despeito e inveja; deve resistir à imprensa que se alimenta de polêmicas improdutivas. E é claro, nós todos devemos fazer silêncio respeitoso pelo herói caído.

A Amazônia é nossa, vai continuar NOSSA, cada vez mais protegida, e devemos todo o nosso apoio ao Minc neste momento.
Rei morto rei posto.

Parabéns Marina, força Minc.
Bruno


Bruno
2008-05-19 21:58:50

Carta aos conterrâneos, após a queda de Marina

A intenção da carta é por demais interessante. No entanto, quando enfatiza que o problema que envolveu a saída da conterrânea Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente está relacionado com os desenvolvimentistas, a história muda de rum. "Por que se calar, então, diante da visão desenvolvimentista que predomina no governo?" Os chamados desenvolvimentistas vêm sendo acusados de tudo quando é pejorativo, pelos ortodxos financeiros (Gustavo Franco, Armínio Fraga, Maílson da Nóbrega, Armando Castelar, Fábio Giambiaje, etc.). Se a crítica a forma como a Ministra saiu do governo tina a intenção de questionar aqueles que defendem os ganhos de qualquer forma, os argumetos utilizados desmantelaram a idéia, pois não são os desenvolvimentas os responsáveis pela situação de "terra de ninguém" no âmbito ambiental.
José Porfiro - Rio Branco, AC.


José Porfiro da Silva - http://jporfiro.blog.uol.com.br
2008-05-19 21:09:38

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.