Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» “Não esqueçam Julian Assange”

» Índia ocupa a Caxemira muçulmana

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» E quando nos levantaremos contra os rentistas?

» “Quem tá na rua nunca tá perdido”

» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

Rede Social


Edição francesa


» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


Comentários sobre esse texto:

Mundo pós-americano

Quem escreveu isso vive em outro planeta.
"(...) a ordem liderada pelos Estados Unidos é diferente pois é mais liberal do que imperial e, por isso mesmo, tão acessível, legítima e durável, o que faz com seja difícil de derrubá-la e fácil aderi-la".

- Os EUA não foram "liberais" com seus vizinhos e demais países do mundo uma vez que ajudaram a derrubar governos eleitos e manter líderes questionáveis no lugar (inclusive pessoas que mataram e torturaram seu próprio povo - como no Irã e no Chile).

Durável eu sei que não é, Roma foi durável marcou terreno por mil anos.Já os EUA eu não vejo possibilidade de mais 800 anos de EUA pela frente, até por que a crise ambiental que eles criaram colocam em dúvida a permanência da própria humanidade no planeta nos próximos 100 anos.

E por que o ocidente não pode se alinhar com a China? Para quê guerra com a China? Só para homens brancos ricos mandarem mais que homens amarelos ricos?


Jorge G. Nunes
2008-11-12 19:52:06

Mundo pós-americano

A imprensa transforma a vitória do candidato Barak Obama à presidência da República num triunfo pacífico e linear do liberalismo. Como se pegássemos a escada rolante do liberalismo iríamos para o reino dos céus.
Mas a História é totalmente outra, basta consultarmos o livro Contra-História do Liberalimo de Domenico Losurdo, da editora Idéias e Letras, para lermos a declaração do ministro da Justiça dos EUA na Suprema Corte: "A discriminação racial leva água para a propaganda comunista...". Isso e muito mais demosntra que o processo de emamncipação dos povos(trabalhadores nas metrópoles, libertação dos negros nas colônias e a emancipação da mulheres) passa totalmente - externo!!! - ao mundo liberal.
Viva à luta de classes! Delenda Cartago, Cartago precisa ser destruída; para que tenhamos paz, acabemos com a fome com quaisquer formas de dicriminação, tenhamos previdência social... sejamos felizes!


José Marques Vieira Filho
2008-11-06 18:49:58

Mundo pós-americano

Não tenho dúvida quanto a ascensão dos países emergentes como economias de grande peso no mundo pós-americano, e, especialmente, o Brasil entre os países do futuro. Os Estados Unidos interferem na economia global, utilizam seu poder hegemônico (até não sei quando)para matar e firmar soberania. Este país possui meios para melhorar o mundo, no entanto, emprega mal ou para o mal essa potencialidade.
É verdade que o mundo gira em torno dos recursos econômicos, mas a financeirização que é alimentada pelos aparatos estadunidenses, não interferem na problemática da economia real. Esta sim, poderá ser contemplada por meio da ascensão de países de liderança importante, sem viés de hostilidade.
Os países emergentes possuem grande capacidade econômica de desenvolvimento e terão o desafio de ampliar seus atributos e disseminar seus frutos, de forma eqüitativa e buscar alternativas ambientais para que o mundo leve em conta a problemática do desenvolvimento sustentável.


Carina Cargnelutti Dal Pai
2008-10-09 23:47:58

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.