Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chantagem do governo aos desempregados

» Ruínas do neoliberalismo: Chile, caso precursor

» E se as startups pertencessem a seus funcionários?

» Boaventura vê Lula Livre

» América Latina: a ultradireita contra-ataca

» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

Rede Social


Edição francesa


» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


Comentários sobre esse texto:

No Pequod – em busca de Moby Dick

Só li o original em inglês (que releio sempre que posso - Melville, junto com Conrad e London, é o meu autor novecentista americano preferido), mas, como tradutor, fiquei muito feliz com as soluções encontradas por Irene Hirsch e Alexandre Barbosa de Souza. "Trate-me por Ishmael" é de uma simplicidade enganadora, pois é uma solução belíssima que, desconfio, os autores devem ter trabalhado muito para atingir - como todos os bons tradutores fazem. Parabéns a eles, e a você, pelo excelente texto.


Site: Fábio Fernandes

2008-07-18 01:52:56

Moby Dick, a Baleia

Confesso que, já há algum tempo, detenho um exemplar de "Moby Dick", cuja leitura ainda não me foi possível terminar. No entanto, o lançamento desta nova edição integral da obra de Mellville pela Cosac Naify, traduzido com esmero por Irene Hirsch e Alexandre Barbosa de Souza, é tido por mim como uma oportunidade de embarcar novamente à bordo do baleeiro Pequod. Espero, assim, adquirir em breve esta belíssima edição; lançar-me aos mares infindáveis da obra de Mellville.



2008-07-06 00:51:54

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.