Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Quando os cientistas enfrentam o sistema

» Moro tenta escapulir em latim

» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

Rede Social


Edição francesa


» Autopsie d'une canicule

» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle

» Faut-il larguer la république ?

» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps


Edição em inglês


» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


Comentários sobre esse texto:

Para ir além de minérios e agronegócio

Quem já pesquisou editais do Minc, escreveu roteiros de documentários e enviou os projetos para Brasília sabe muito bem o que é viver um drama.
Para quem não tem formação em Adminstração de Empresas, não fala "jurisdequês" e não tem curso de contabilidade, os editais são obras de difícil entendimento.
Então, você tem a história, o tema; todas as possibilidades de fazer o documentário e monta o projeto; mesmo com todas as dificuldades. Depois de meses, o pessoal de Brasília não te dá satisfação, você não sabe se sua história é ruim ou se montou o projeto errado. Simplesmente não te respondem. Parece até que isso é proposital, para você recorrer as assessorias especializadas em montagem de projetos culturais e que ficam com uma comissão da verba do Minc.
Parece que tem de ter uma super estrutura junto com o autor para que o tal projeto fique "de acordo com as normas vigentes".
Dane-se o tema, dane-se a história, o importante são as regras da ABNT?


Tobias Ferraz
2008-07-15 12:43:36

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.