Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 10 de julho de 2020

» A luta decisiva contra o reconhecimento facial

» “Austeridade”, uma concha vazia

» Um vírus que revela nosso dissídio com a Natureza

» (Auto)cuidado – coletivo, político e inadiável

» Por que aproxima-se uma onda de fome no Brasil

» 9 de julho de 2020

» A formação da personalidade autoritária

» A estratégia indígena para enfrentar o vírus

» Brasão da PM: coleção de massacres em nome da elite

Rede Social


Edição francesa


» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers


Edição em inglês


» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


Comentários sobre esse texto:

Quase matei

Bonito. Forte. Parabéns!


Cacá, de Viena
2008-10-10 19:04:50

Quase matei

Estilo forte, original. As palavras se juntam num jogo que prende a atenção do leitor, o fazendo pensar.

Angela NadjaBerg Ceschim Oiticica



2008-10-08 22:42:21

Quase matei

Querida arabela gorda-magra Ja’sabe quem tá falando (better saying: escrevendo) aqui , certo?.Pois é amiga FINALMENTE to^na rede. voglio dire, compramos, better saying again, O marido adquiriu um poderoso lap top, isto significa q agora posso muito confortavelmente diretamente do aconchego do meu quarto comunicarme e responder a todos os e-mails maravilhosos q tenho recebido ultimamente e q por starem sujeitos a ESTA ste’ril atmosphere dos lanHouses daqui, permaneciam irrespondidos. MAS VOU AGORA DIRETO AO Q INTERESSA : SEU CONTO MINHA AMIGA E’LINDO D MORRER. E’DE MATAR a Mulata aqui. E encurtando novamente o ponto da questOWN(sorry but no teclado aqui nKnown encontrei o danado do TiL ! )Parabe’ns. Sei BRAVissiMA. DEPOIS NOS FALAMOS MAIS POR TELEFONE.ah. e pra’ncerrra’r,
faSSo (ssssorry again, mas no teclado aqui, kNOWN encontrei o C-Cidilha! )meus os comentarios das outras pessoas a seu respeito. FUI. AGORA fui. abrrrrrrraSSos e Bjs. CENHA.



2008-08-14 13:18:00

Quase matei

Helô:

Sua narração simples, direta e insinuante abordando o tema da dor de uma separação está perfeita para mim.

O sentimento que conseguiu impingir ao conto me fez sentir ser a protagonista dele.

Parabéns! bj da angel :)



2008-08-05 02:09:48

Quase matei

Lindo texto, Heloisa. Lindo e envolvente.
Adorei.
Sandra Colodetti.



2008-08-03 22:49:44

Quase matei

Quase morri! :)

Muito bom!


Marcia
2008-08-01 19:41:37

Quase matei

Pô, Helô! Mandou lindamente bem.
Você tem um estilo bem peculiar e que foi muito bem usado perante o tema.
Parabéns, menina.


Thomé de Oliveira
2008-08-01 01:19:40

Quase matei

Belo texto e idéia! Um turbilhão de sentimentos que nos invade em segundos! Quem não viveu momento semelhante? Muito bem escrito!!


Carlos Navarro
2008-07-28 22:17:05

Quase matei

Lindo conto! O que eu faria no lugar dela??
Lucia de Fátima



2008-07-27 16:49:21

Quase matei

MUITO BOA A NARRATIVA.CONSEGUE NOS PASSAR TODO O SENTIMENTO DE TRISTEZA E REJEIÇÃO!
ADOREI!


Celeste Bastos
2008-07-27 15:31:54

Quase matei

Muito bom!


Cláudio B. Carlos (CC)
2008-07-27 03:20:51

Quase matei

Gostei muito do tema, de como a personagem lida com sofrimento e com o abandono e, sobretudo, do desfecho. Tocante sem ser piegas. Excelente!


Henriette
2008-07-26 18:02:47

Quase matei

Excepcional narrativa. Direta, a prosa da autora economiza recursos que numa história assim fariam muitos autores cometerem "gordura verbal". A trama é elementar, feita da clássica perda, do inevitável extravio e de uma coincidência num lugar quase óbvio: o bar antes freqüentado por ela e o objeto de desejo, agora com outra pessoa. Ela tenta de tudo, desde agüentar firme até a deixar que se expresse a raiva do revide. Mas na verdade não a deixa. Intui até aonde essa mágoa pode levá-la. O leitor pressente que a tragédia pode ser maior e a autora encerra antes que um desastre grande ocorra. Na verdade, o grande desastre já ocorreu: a perda a que ela foi submetida.
Em suma: excepcional conto!


Paulo Bentancur
2008-07-26 17:47:52

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.