Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» “Não esqueçam Julian Assange”

» Índia ocupa a Caxemira muçulmana

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» E quando nos levantaremos contra os rentistas?

» “Quem tá na rua nunca tá perdido”

» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

Rede Social


Edição francesa


» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


Comentários sobre esse texto:

Mindlin e outros carimbos

A Livraria Cultura consegue oferecer quase tudo o que está na Bienal, o que significa tristeza para o leitor apaixonado. Antigamente, a Bienal era o momento do encontro de coisas novas e interessantes. Era, também, uma oportunidade para pegar as editoras fazendo promoções. Hoje, não tem nada disso.

Quanto aos imortais, eu não seria tão contundente nas críticas. Talvez se eles olhassem para as periferias, deixariamos de considerá-los como "eles", não é verdade?

Quanto ao Mindlin, permito-me dizer que sua bibliofilia é uma das tafularias elegantes da nobreza paulistana. Mas não é que muita gente acha que o Largo São Francisco agita a cena cultural de São Paulo?

Mas é isso aí. Vamos meter o pau. "Vamos meter o pau e aproveitar as brechas", dizem por aí.

Sábio Rimbaud. Ele acharia a Bienal um tédio. Eles te dão um vale-dinheiro na entrada, não uma dose de absinto.


Site: http://festadeaguias.blogspot.com/
Vivacqua
2008-08-23 19:38:39

Na Bienal do Livro, um roteiro alternativo

A Bienal do Livro, esta festa literária de tão expressiva proporção, estimula uma nova geração de brasileiros a se unir aos livros para que se tornem dignos, bem informados e conscientes. Não queremos e nem esperamos por salvadores da pátria, e sim por cidadãos confiantes, num país que ofereça perspectivas, segurança, recursos - por prosperidade. Não dá mais para aceitar um país de faz de conta, mas um Brasil emocionalmente equilibrado,igualitário que, mesmo encarando adversidades, seja capaz de manter inabalável sua lisura, sua ética e a sua integridade.

Palmiro Mennucci
Presidente do Centro do Professorado Paulista (CPP)
São Paulo - SP


Site: Na Bienal do Livro, um roteiro alternativo
Palmiro Mennucci
2008-08-22 15:14:58

Na Bienal do Livro, um roteiro alternativo

Fui pela 1ª vez na Bienal, porque meu filho pediu.Fiquei feliz porque ele não gosta muito de ler.
Mais me decepcionei, pois a feira não passa de um comercio, muito mais de revistas, que querem vender assinaturas, não há interatividade com os visitantes.
O preço do ingresso é caro, é mais divertido ir a uma livraria dessas megas que existem, do que nessa feira.
Deveria ter preços baixos tanto no ingresso como nos livros, para incentivo a leitura.
Com certeza não irei mais, foi a 1ª e ultima vez.
Pagar R$ 10,00, para ver livros expostos em pratileiras, sem nenhum atrativo, vou a uma livraria que é mais divertido, para quem quer ter incentivo a leitura.
É uma pena!!!


Marta
2008-08-22 14:42:18

Na Bienal do Livro, um roteiro alternativo

Uma agradavel surpresa, e o estande da Editora KVT, bem organizado e por ser a 1 vez que esta na bienal chama antenção em função do seu jeito diferente de abordar os temas, com 4 livros de lançãmentos, vale a pena
Avenida 6 esquina f Editora KVT


Regis
2008-08-22 14:03:35

Na Bienal do Livro, um roteiro alternativo

A Bienal deixou de ser, em suas últimas edições, uma feira cultural para se tornar comercial, não que a venda seja menos importante, porém acredito que a proposta nunca foi vender livros desesperadamente como ocorreu desde a 2 edições atrás.
O preço do livro no Brasil é algo vergonhoso, se torna um artigo de luxo, talvez o governo devesse diminuir a carga tributária sobre eles, mas sabe como é - povo bom é povo ignorante!!!


Adriana
2008-08-22 13:56:26

Na Bienal do Livro, um roteiro alternativo

E isso já vem de longe!
Livro no Brasil é luxo! Aliás, em todos os países pobres e sub-desenvolvidos as pessoas não lêem porque ler para elas é um luxo que a suas pobrezas não permitem.
Livro nesses países é pura mercadoria e as editoras tratam os autores como simples fornecedores, isso os conhecidos, porque os que não conseguem colocar o nome na mídia são tratados como inexistentes. ... Não têm valor nenhum!
Nas editoras periféricas, como vocês se referem,os pobres escritores novos ’rebolam’ para vender o seu livrinho, e muitas vezes vende só para os parentes e amigos.
Não há incentivo nenhum, nem da mídia, nem das editoras e muito menos dos órgãos culturais responsáveis pela difusão de um pouco de intelectualidade. Governo não culto, cultura ’porcaria!’.
Nem as livrarias dão qualquer ’força’ para os novatos, parece mesmo que autor novo é praga, é estorvo.
O autor ’periférico’, o que não tem editora, é tratado como vendedor ambulante e é repelido pelas livrarias que não lhe concede uma oportunidade.
E, podem crer, as editoras, muitas vezes, perdem grandes possíveis escritores por tomarem essa medida preconceituosa.
Autor novo é leproso e ninguém liga pra ele, não!
Se bem que editora, sem incentivos dos órgãos governamentais, passa a ser só mais um negócio, e não importa o que venda. Precisam dar lucro, lógico, e correm atrás do prejuizo contratando somente nomes conhecidos, alguns nem tão bons assim...


Site: AUTOR PERIFÉRICO É "LEPROSO"...
I. Boris Vinha
2008-08-22 13:39:37

Na Bienal do Livro, um roteiro alternativo

Assino embaixo. Uma alternativa para o preço salgado dos livros (e para fugir dos sebos) é a Livraria 30PorCento aqui em são paulo.


Site: Livraria 30PorCento
Tiago Pavan
2008-08-22 03:24:58

Na Bienal do Livro, um roteiro alternativo

Nos, os pais, preocupados em estimular nossos filhos para a leitura, e essa Bienal, se fosse por um preço mais acessível(do tipo: entrada R$5,00 e estacionamento também), incentivaria muitos pais a passarem uma tarde com sua família, cada qual descobrindo seu gosto, seu encanto, etc....

Mas, como tudo só é comércio, coitados dos nossos filhos e com o que se espera do futuro.......



2008-08-22 02:13:59

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.