Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma inovação amazônida: o Geojornalismo

» Edição de 2 de junho de 2020

» O capitalismo ensaia sua distopia espacial

» Ultraliberais buscam sobreviver a seu desastre

» Regina, Jair e a manipulação da espontaneidade

» Não peçam o fim dos levantes, diz Alexandria Ocasio-Cortez

» Raiva e rebeldia e no coração do Império

» Edição de 1º de junho de 2020

» A Frente Ampla contra o Brasil

» Ken Loach e sua crítica incompleta à uberização

Rede Social


Edição francesa


» Bouée pour la Grèce, béquille pour l'euro

» Faust et l'alchimie capitaliste

» Indétrônables fauteurs de crise

» Comment la droite américaine exploitait les émeutes

» Les Républicains peuvent-ils tirer parti des émeutes de Los Angeles ?

» Les États-Unis, une nation née dans la brutalité

» Un débat intellectuel en trompe-l'œil

» Le Texas en armes contre le confinement

» Shaw ou l'engagement ironique

» Cinquante ans de « dé-mesure » à l'anglo-saxonne


Edição em inglês


» Another ‘Europeanisation'

» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus

» Austerity is the killer

» UK, a new leader for Labour


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)


Comentários sobre esse texto:

A justiça, a democracia e os sinos

Após uma boa reflexão sobre o conteúdo do artigo é quase impossível deixar de pensar em algumas coisas, como a nossa falta de coragem (ou de motivação quem sabe) em nos tornarmos “o camponês que soa o sino”, o que é perfeitamente compreensível, haja vista que as expressões que mais ouvimos como resposta à questão “O que você fará a respeito?” é: “De que adianta eu fazer sozinho?”; “Sou apenas um grão de areia”; entre outras.

Apesar de compreensível, não podemos permitir que seja aceitável, não podemos deixar de agir, ainda que individualmente, ainda que nossas ações pareçam não ter representatividade, precisamos sim agir: Um todo é formado pela soma de pequenas partes! Podemos fazer diferença.

Há de lembrarmos também da parcela individual, com a qual todos devemos contribuir, se não pela moral, pela obrigação que seja: honestidade, retidão, ética. Imagine a quantidade de conflitos que seriam evitadas se metade da comunidade fizesse uso destes valores, se soubesse respeitar os limites do convívio social. Será utopia? Não creio.

Se ousarmos um pouco mais, podemos “amplificar” nossa força, unindo-nos à movimentos, ONGs ou mesmo sindicatos, sim: sindicatos! Apesar do fato destas organizações estarem em descrédito por aparentarem ter se curvado aos interesses patronais, temos aí mais uma oportunidade de fazermos diferença.

Não podemos ainda perder as esperanças, ainda que as instituições referenciais se mostrem maculadas pela corrupção, ainda não estamos em “terra de ninguém”, ainda há saída, basta cada um fazer a sua parte, ainda que ache que não vá adiantar de nada.


Cléber Sesterheim
2007-11-05 02:04:54

A justiça, a democracia e os sinos

o texto fala a perda do sentido moral do indivíduo, relativizando o certo e o errado, o justo eo injusto, o necessario e o coveniente, produzio incoerência gritante na sociedade. Seus frutos apresentam ao redor do mundo o crescimento dos índices de corrupção. A injustiça social está presente em toda parte.


nazareth
2007-07-31 21:24:49

A justiça, a democracia e os sinos

Gostaria de ler comentários sobre o texto


fran
2006-08-31 23:52:55

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.