Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A catástrofe da água como síntese do Rio

» Fascinante é produzir comida de verdade

» Nazismo: banalidade do mal ou gozo dos carrascos?

» Austrália: o outro crime ambiental da direita

» Ou as vacas na Amazônia, ou as uvas no Sul

» Cinema: Longa (e humana) viagem Itália adentro

» Por uma nova Declaração dos Direitos Humanos

» Justiça, espaço contra os crimes climáticos

» O plano de Trump para militarizar o espaço

» A nova face do conflito EUA x Irã

Rede Social


Edição francesa


» L'univers télévisé du « porno » immobilier

» La « stratégie de Schéhérazade »

» Les facettes de l'individu empêtré dans l'individualisme

» Guy Debord, l'irrécupérable

» La liberté réduite au portefeuille

» Un monde polyglotte pour échapper à la dictature de l'anglais

» Sur les chantiers de la démolition sociale

» Ce monde-prison où nous vivons

» Transition sereine au Liban

» Une sélection scientifique pour écarter les plus faibles


Edição em inglês


» As Australia's right tacks left on climate, the course is set

» The two souls of veganism

» January: the longer view

» Iranians united

» Luxembourg's multilingual geography

» Controlled by Ritalin

» The hero of Petliura Street

» The myth of Judeo-Bolshevism

» Rewriting Luxembourgish

» Mobilising for a new political system in Iraq


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?


Comentários sobre esse texto:

Viagem com o Submarino Vermelho

Muito bom o papo! Fico feliz de ver que, tanto cineastas, artistas plásticos e, por quê não?, os jornalistas que fizeram a matéria, conseguem extravasar os limites que suas respectivas linguagens lhes impõem. Conhecendo de perto o coletivo, posso afirmar que eles têm um longo caminho a percorrer, muitos projetos a serem concretizados e, sobretudo, uma porção de questionamentos a serem praticados. A idéia de romper com a pasmaceira, inércia crônica dessa nossa geração, através da arte, não é tarefa fácil. Incorporar a percepção de que a ação pode estar além das assembléias vazias, de reuniões eternas e de métodos que a gente nem explica o porque os adotamos, é parte fundamental no processo de transformação.
Submarino Rojo, como eu gosto de chamá-los, pode ser o Canil, o Porão, as ocupações, o Procura-se, o Eixo-do-Mal, não importa, estão todos aí pra mostrar a parte viva e não mítica do que foi 68.

Simbóra que falta muito!

Raiana Ribeiro


Raiana Ribeiro
2008-10-08 20:35:53

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.