Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 15 de agosto de 2022

» O que precisamos aprender com André Janones

» 11 de agosto: balanço e perspectivas

» A lição de Lima Barreto na Crítica Impura

» E se a agricultura favorecer a reindustrialização?

» 12 de agosto de 2022

» Nos arquivos soviéticos, a vida real sob Stálin

» Propostas agroecológicas para o novo governo Lula

» Crônica: Influências

» Conversas entre a psicanálise e a terapia psicodélica

Rede Social


Edição francesa


» Entourloupes démocratiques

» Poussières d'empire britannique

» L'Europe ? « Yes… but no »

» Le grand plongeon des Britanniques

» Pathologies de la démocratie

» Vote Le Pen, une bataille de proximité

» L'Afrique du Sud lassée de ses libérateurs

» Le rêve américain au miroir du basket-ball

» Minsk se rebiffe contre le grand frère russe

» L'agriculture biologique dans l'Union Européenne


Edição em inglês


» August: the longer view

» America's ageing nuclear facilities

» Julian Assange, unequal before the law

» Wuhan: the Covid diary

» The high price of becoming a student in Russia

» Why Parisians fear and loathe Saint-Denis

» Kosovo's problematic special status

» Summer in Moldova: will the party have to stop?

» Three little letters the world came to hate: IMF

» Will the FARC accords finally work under Petro?


Edição portuguesa


» Dos lucros dos oligarcas aos vistos dos pobres

» Em defesa da água e do futuro do Algarve

» A escrita delas, África em Portugal (ou Donde sou)

» Vozes femininas e o livre imaginar

» O Comité de Salvamento Privado

» A burguesia francesa recompõe-se em Versalhes

» Que país pode ser independente?

» O fim do desencanto para os ex-guerrilheiros?

» Acarinhar Pinochet, destruir Assange

» Ardósia mágica


Comentários sobre esse texto:

O playboy vacilão

Assim que Gerson foi eleito presidente, ele resolveu acabar com as eleições, mas manteve o referendo, para que o povo, seduzido pelo seu discurso fácil, pudesse sempre referendar a lei do governo federal. Para assegurar isso, Gerson dava um pouco de dinheiro para as famílias e subia no palanque dizendo que a miséria era culpa DELES, e que só ELES eram os verdadeiros ladrões. Quando Gerson conseguiu picar a rasteira na elite branca (pelo menos naquela que era inimiga sua), colocou todos seus amigos e companheiros no poder, repassando para eles a grana daqueles. Não havia mais elite, porque então todo mundo que morava nas mansões não era gente DAQUELA GENTE. Gerson aboliu todas as leis e desfez o sistema de segurança pública, o que fez muita gente abrir um sorriso de orelha a orelha. Ele era a lei agora. Só ele cantava de galo, porque havia reunido todos os galos que teciam a manhã. E quem não tecia a manhã não estava nem vivo para ver o sol nascer. Gerson mandou erguer uma estátua sua no Planalto Central e outra na Praia de Copabacana. Os artistas se inspiraram numa mistura de cangaceiro com caudilho russo para esculpir os monumentos, porque os ideólogos do governo achavam que cabra-macho e revolucionário eram as duas faces da mesma moeda. Como não havia mais legislação, tudo era decidido por júri popular na rua mesmo, e as punições mais severas, como linchamento e apedrejamento, eram reservadas para quem tinha cara de playboy. Quem tomava algo de alguém na rua e dizia que o roubo ocorrera em razão de desavença pessoal era prontamente absolvido pelo júri. A honra de um cabra-macho e seu amor pela voz do povo era o que fazia de alguém um homem bom. Quem vacilava e não era esperto merecia ser segregado, porque não era antes de tudo um forte. Desde que Gerson não teve vergonha de seu nome e retrucava quando levava desaforo sua fama ganhou brilho e destaque. Mas foi seu amigo playboy da televisão que ensinou o segredo do sucesso para Gerson. Ele ensinou que Gerson deveria criar um jeito de ser e rotular as pessoas que moravam perto dele com este mesmo jeito de ser; depois, se alguém criticasse essa postura, bastaria gritar que essa pessoa estava sendo preconceituosa. Quem ofendesse Gerson era logo chamado de preconceituoso, arrogante, fingido. Era isso o que o playboy fazia para vender o que ele quisesse na televisão. Foi um vacilo inconsciente do playboy de rolex que mudou a história deste país. Gerson descobriu que sua vida poderia ter um escudo, e até hoje Gerson agradece, em segredo, ao seu amigo playboy por este vacilo.



2009-01-07 16:42:40

O Lula e a periferia

Por que o presidente não escolheu alguém da periferia para ser vice-presidente?Preconceito de classe? Ou ele não quis se queimar com a mão direita que balança o berço?



2008-12-22 19:52:50

Jardim Santo André na Galeria Vermelho

Os séculos de desigualdade social produzidos pela colonização são argumento para a justificação de uma identidade cultural periférica. No entanto, se a justificação decorre de razões históricas, impressiona ver os movimentos sociais de periferia defenderem a identidade com frases emblemáticas como: a periferia e um modo de ser, a periferia é um sentimento, a periferia é uma cultura, etc. Ao mesmo tempo em que se acusa a produção histórica de espaços geográficos onde a desigualdade econômica existe, faz-se a contraditória naturalização de uma identidade. Explico: ao mesmo tempo que dizemos ser a periferia um lugar produzido pela exploração de uma classe-cor por outra, dizemos que ser da periferia não é nada mais do que um fenômeno natural, já que ser da periferia é algo próprio de homens e mulheres de grande valor e dignidade, em oposição a uma elite cheia de vícios e mau caráter.

Por que não decidem logo se a periferia é um lugar produzido pela exploração ou um modo de ser próprio de pessoas valorosas e trabalhadoras?



2008-12-22 19:44:26

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.