Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

» No cinema, o ser fragmentado dos indígenas

» Seriam os neoliberais terraplanistas?

» Paulo Guedes sonha com seu 18 Brumário

» A hegemonia pentecostal no Brasil

Rede Social


Edição francesa


» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »

» Naissance d'un charisme


Edição em inglês


» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


Comentários sobre esse texto:

Deusas do cotidiano

Muito bonito. Essa é a literatura minha gente! Não podemos ler isso como se fosse uma notícia de jornal..


Fabi
2009-08-05 17:59:23

A PERIFERIA NÃO É PUTA NÃO! NÃO VEM COM CONVERSA FURADA BLACK PANTHER!!

As deusas do cotidiano do povão são:

Tati quebra-barraco
Moranguinho
Mulher maçã
mulher jaca
mulher filé
milena santos

e quem disser que essas mulheres não representam a cultura popular, cuidado, ou o Sérgio Vaz vai mandar a gangue dele mandar chumbo em você!!

E se os Panteras Negras disserem que Tati quebra barraco é cultura popular, quem vai criticar?
Com os panteras negras é assim: respeito senão leva tiro no peito. Se depender desses comunas da periferia, Policia e Bandido (Sapucahy) vira hino nacional. E vai se fuder quem não cantar!

Serjão, contra a ditadura dos brancos de olho azul e a favor da ditadura dos negros!! E vai tomar tapa quem não se disser negro!!
Serjão, bela democracia que tu quer. democracia do fuzil na cara de quem tu acha playboy!!

Sérgio Vaz fez aí uma censura:

ninguém pode ser branco
ninguém pode ser rico
(e não interessa se é honesto ou não)
ninguém pode ser MPB
ninguém pode ser elite
(todo mundo tem que cantar rap, porra!)
ninguém pode ser BOPE
ninguém pode ser ROTA
(não tem que ter polícia nenhuma, porra!)
ninguém pode ser USP
ninguém pode ser Mackenzie
(todo mundo tem que ser graduado na malandragem)
ninguém pode ser VEJA
ninguém pode ser IVETE
ninguém pode ser Mcdonalds
(tem que ler caros amigos, gostar de Tati quebra barraco e comer churrasco grego)

quem não fizer do jeito dele tá fora meu irmão, tá fora, tá na mira da bala.

Todo mundo agora tem que ser Black Panther

eu prefiro mil vezes o Matias da Tropa, substituto do Nascimento

NO FINAL DAS CONTAS, A GENTE SABE QUE ESSA CONVERSA DA PANTERAS NEGRAS É PURA PRESSÃO, SÓ PRA GANHAR VOTO PRO PT...

Mailson



2009-05-08 20:43:03

Deusas do cotidiano

Nossa, quanto comentário horroroso perto de um texto tão lindo! Um beijo Sérgio Vaz...


Tati
2009-04-17 21:06:14

Deusas do cotidiano

Não percam seu tempo com essa corja canalha da esquerda. São uns patifes que se vestem de pobre mas recebem gordas somas no banco. Os Cooperiféricos, esse pessoal todo, só quer fazer social com o social, só isso. Imagina só, um poeta chega, tira todo mundo de playboy, diz que ou a sociedade está do lado dele ou está contra ele, e ainda quer verba, é rapaz, verba, para fazer sarau em penitenciária, olha só como funciona.
Dinheiro para educar jovens o governo não tem, mas dinheiro para financiar evento social em cadeia, pra bandido, sobra dinheiro e boa vontade. Sobra dinheiro e boa vontade para gastar com quem não merece nada, mas falta dinheiro para investir nos jovens que estudam e trabalham.
Eles ensinam para as crianças que o crime não é assim tão ruim, que faz parte do sistema, que a solução está no Chávez, no Lula, naqueles que são contra o sistema da lei e da ordem. Para os cooperiféricos a ordem é fazer levante, fazer barulho, fazer pressão, para receber dinheiro no bolso e não mudar nada.
As deusas desses cooperiféricos são mesmo as poesias que falam bem das armas e da droga, como se a droga fosse a arma certa do pobre contra o rico.
Abram os olhos, os cooperiféricos são o MST da cultura, só que eles querem roubar (roubar mesmo) a cultura pra eles, e vocês, que acham que serão beneficiados por eles, acordem, eles querem a cultura (e o dinheiro) para ELES, e não para o cidade toda.
Essa gente canalha só pensa no próprio bolso e na própria fama, fora isso, eles querem que todo mundo se rale de trabalhar e pare de reclamar da violência urbana.

só mais uma coisa, o Lula é um bundão perto do Chávez, que pelo menos tem a disciplina do exército. Queria ver os cooperiféricos com uma disciplina feito a do Chàvez, nunca, os caras querem é moleza.


Venâncio Moreira Alves
2009-04-16 19:52:26

Deusas do cotidiano

Cada um enxerga o que lhe convém. Eu vejo exatamente essa "pintura", mas outras também enxergo. Desprezar uma em detrimento de outra é ser, no mínimo, reducionista. Mulheres que sublimam suas dores, desencantos para levar adiante sonhos de outros são aquelas que já entenderam o belo da vida: a partilha, na qual a vida será "pingada gota-a-gota" como se bálsamo fosse. E não sentem que ficaram, estão indo junto com toda a corrente, que como o rio não tem descanso. Fluem.


Dora
2009-04-01 16:17:32

Deusas do cotidiano

As deusas do cotidiano na periferia costumam ser a arma e a droga, as culpadas pela morte de tantos jovens, de tantos nóias que tem a infelicidade de serem viciados pobres. as deusas do cotidiano são a violência das gangues e a violência dos chefes que fingem não ver o que acontece nas comunidades. As deusas aqui são as maldades do diabo.



2009-03-30 22:50:15

Deusas do cotidiano

As deusas do cotidiano na periferia costumam ser a arma e a droga, as culpadas pela morte de tantos jovens, de tantos nóias que tem a infelicidade de serem viciados pobres. as deusas do cotidiano são a violência das gangues e a violência dos chefes que fingem não ver o que acontece nas comunidades. As deusas aqui são as maldades do diabo.



2009-03-30 22:50:14

Deusas do cotidiano

Posso dizer que as mulheres que eu conheço não se parecem com essas que ele descreveu. Elas são interesseiras, grossas, maldosas e até corruptas. Ningu em nasce melhor só porque nasce mulher.


Puro Ódio
2009-03-20 16:23:37

Deusas do cotidiano

Meu irmão, um texto bom, mas muito apelativo, sei lá, nem eelas se acham tão desgraçadas. Fui ler teus outros textos, você falou de ajoelhar por força da maioria, o que é isso meu irmão. Quem fazia ajoelhar por opinião da maioria era o Stálin, sabe. Stálin fazia lavradores e camponesas indefesos se ajoelharem e pedir perdão. Mas eles pediam perdão do outro lado, já com um balaço na nuca.
De joelhos nunca, nem por consciência.
Só quero ver o Stedile de joelhos.


Site: http://colecionadordepedras.blogspo...
Marco Vlach
2009-03-16 20:30:21

Deusas do cotidiano

Tudo é defensável para esse pessoal dos movimentos social-lulistas. Pode-se defender as mulheres, as crianças, os deficientes, os homens, o céu, a terra, os bichos, a água, os bandidos, as FARC, o Chávez, Fidel Castro, os gulags, os russos, os chineses que matam tibetanos, os vietnamitas, os americanos das ONGS, os ingleses das ONGS, os holandeses das ONGS, os guerrilheiros e sei lá mais o quê estiver na moda. Para algumas pessoas de vida fácil fácil é a mesma coisa, o mesmo trabalho, a mesma função, defender mulheres oprimidas e bandidos presos. Eis que para esse pessoal do social é todo mundo resto, margem do sistema. Como se direito social fosse o mesmo que direito da malandragem.
Dá licença mano. Quanta palhaçada.


Davi Simonatti
2009-03-15 17:29:40

Deusas do cotidiano

Vaz:

Gostei do excesso, acho legal o exercício de trazer a realidade para a literatura de um modo tortuoso. Tudo isso é um pouco barroco. Há a realidade, mas há também trabalho com a linguagem. Tem gente que não suporta... É natural.

abraço

carlos pessoa rosa
publicou Dulcinéia Catadora: "Sobre o nome dado" e Não sei não... (histórias que o povo conta, mas do meu jeito de contar) e A cor e a textura de uma folha de papel em branco - prêmio UBE-CEPE 1998


Site: EXCESSO
carlos pessoa rosa
2009-03-13 12:08:49

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.