Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Mudar o mundo sem desprezar o poder

» Seria a Medicina moderna uma ilusão?

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» A política como arte do impossível

» O enigma da sobrevivência neoliberal

» Violência policial: o problema não está nos soldados

» Eleições na Bolívia: o que está em jogo?

Rede Social


Edição francesa


» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran

» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial

» À la recherche des « disparus » d'Algérie


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


Comentários sobre esse texto:

Mirar Battisti, acertar a multidão

Cara, você esculhambou com os braSILEIROS, ora, pontos de vista diferentes e pronto!


Site: http://speglich.blogspot.com
Maria José
2009-07-12 16:08:31

Mirar Battisti, acertar a multidão

É muito interessante o texto e mais interessante ainda são os comentários dos leitores (misturados c/ abobrinhas comerciais que deveriam ser evitadas...). O texto espreme, com rara perspicácia, como agem os formadores de opinião e os juízes: com 2 pesos e 2 medidas, fruto de preconceitos devidos à formação e cultura. Não vejo que o objetivo do articulista seja a defesa pura e simples de Battisti. Os comentários em geral são de inconformados c/ a defesa do "assassino" e bravos por serem contrariados em sua opinião escrevem criticando a publicação e/ou seu autor, quando é o pano de fundo o importante. Olha o título: "...acertar a multidão".
Parabéns Sr. Cocco pelo trabalho de pesquisa e pela capacidade de identificar nas entrelinhas dos editoriais as contradições de cada dia de este nosso querido Brasil.


Gabriel Avila
2009-07-12 03:32:44

Mirar Battisti, acertar a multidão

Acho que dessa vez vocês "pisaram na bola" dando um espaço para um artigo tão fraquinho. A argumentação é toda falha, percebe-se que o texto é tendencioso e que o Cocco deve ser amigo de infância do Battisti.
Pelo bem da qualidade da leitura, peço que tomem os devidos cuidados ao escolherem os redatores na próxima matéria de capa.


Nadia
2009-06-20 18:21:10

Mirar Battisti, acertar a multidão

O diplomatique perdeu uma grande oportunidade de ficar calado.Tenta expurgar o que não pode ser expurgado.injuriar o que não pode ser injuriado.Que Batisiti foi um terrorista foi,contudo tem sido massacrado sem o direito do perdão.ONDE ESTÁ PINOCHET?GEISEL,MÉDICI,IDI AMIN DADA,ONDE ESTÃO OS FACISTAS DA ITÁLIA?A direita italiana e europeia sabem esconder e perdoar suas crias e punir severamente seus opositores.Qualquer governo de exceção deve ser condenado e seus atos devem ser questionados! Eu tenho vergonha de um governo que abrigou ex-nazistas, em 70 era moda agora é legalidade.Foda-se Batisti que eu não sou Raimundo!


João Gilberto Ribeiro Barroso da Costa Lima
2009-06-14 19:00:28

Mirar Battisti, acertar a multidão

Le Monde é referência de boa leitura para mim, inclusive a ponto de preferi-lo juntamente com outros jornais internacionais divulgados pelo UOL.
Quando ocorre um deslize de publicar em seu espaço artigos nem tão sólidos em relação à qualidade do Jornal, seria preferível deixar de fazê-lo para não macular sua tradição e características.
Há vários ângulos sobre como abordar as celeumas brasileiras, mas usar a história de alguém de biografia duvidosa para comparar as mazelas brasileiras chega a ofender a dignidade nacional, pois, é evidente, sofremos aqui no Brasil de mil problemas, mas em nenhum momento vamos abdicar de nossa soberania em troca de personalidades críticas, quiça, neste artigo ao qual estamos nos reportando, criminosas, que fugiram a julgamento regular em seu país ou no local onde quer que lhe acusem de algum ilícito.
Comecei a ler este artigo e até gostei de sua abordagem. Entretanto, após ler os diversos comentários também expressos aqui, submeti minha recepção a julgamento de foro íntimo e concluí que meu pares, neste espaço, estão repletos de razão e rechaçar benevolência com relação a Battisti.
Talvez fosse melhor um comentário sobre a piedade dos franceses em relação ao mesmo, deixando o Brasil quieto nesse momento.
Almejo que Le Monde continue sendo sempre referência de inteligência, pois o aprecio sobremaneira.

Francisco Alves
Foz do Iguaçu - Pr


Francisco Antonio Ramos Alves
2009-05-18 02:31:11

Mirar Battisti, acertar a multidão

Chega deste boçaltisti...um babaca!..eta lugarzinho cheio de preconceito este le monde...O Sr. Mauro dise que aqui pode até maconheiro??? What???? Legalize it!


R3
2009-05-13 02:00:47

Mirar Battisti, acertar a multidão

O STF negou a extradição dos que estavam em situação análoga à situação de Battisti... por outro lado, se o governo era democrático, ou seja, legitimado
pela soberania popular, não se pode dizer que os crimes cometidos por eles devem ser elencados entre os de crimes de natureza política (e o autor do texto diz que essa argumentação é simplória e historicamente insustentável).
Sei que esse não é o tema do artigo, mas, às vezes eu me pergunto: como seria o Brasil sem a Lei de Anistia?


Victorius
2009-05-06 18:31:50

Mirar CartaCapital, acertar a verdade factual

Desde o lançamento da primeira edição impressa de Le Monde Diplomatique Brasil jamais deixei de comprar um exemplar do Diplo. Este mês foi a primeira vez que não comprei, porque peguei o jornal e percebi uma matéria de capa assinada pelo sr. Giusepe Cocco, o homem que se esmera em defender um assassino supostamente de esquerda. O Diplo não deveria defender o sr. Battisti, deveria defender a CartaCapital, única publicação brasileira a enfrentar Gilmar Mendes, única a enfrentar a Globo, uma das pouquíssimas publicações a enfrentar o dono do Brasil, o banqueiro bandido Daniel Dantas. Não quero ler somente textos com os quais eu concorde, acho que o Diplo tem todo o direito de defender quem quer que seja mesmo que muitos leitores discordem disso. Isso não compromete a qualidade da publicação. Mas é inacreditável o espaço concedido (neste site principalmente) para defesa de alguém que simplesmente não significa nada para nossa democracia, ou para os movimentos sociais, ou para o que quer que seja, mas que ainda por cima é um assassino. Vamos lá senhores, enfrentem o sr. Gilmar Mendes, enfrentem as manipulações da Globo contra os sem-terra como faz o Paulo Henrique Amorim, enfrentem o sr. José Serra e seu esquema mafioso para salvar a grande imprensa com assinaturas sem licitação (Abril, Estadão e Folha). Enfim, enfrentem algo que valha a pena enfrentar, defendam uma causa justa, sejam corajosos. Ver a defesa do sr. Battisti já cansou, não faz mais sentido, ele não significa nada para um país tão carente de jornalismo sério e independente.


Menjol de Almeida Neto
2009-04-28 17:42:17

Mirar Battisti, acertar a multidão

Concordo com Nunes Conde. O Diplo deveria explicar o motivo pelo qual defende o assassino Battisti. CartaCapital explicou exatamente o motivo pelo qual não o defende. Pode-se discordar da revista, mas lá estão os motivos. Já não se encontram articulistas de defendam esse assassino. Parece que o último resistente é o sr. Cocco.


Menjol de Almeida Neto
2009-04-23 18:00:52

Mirar Battisti, acertar a multidão

O sr. Cocco escreve textos imensos, mas não explica o motivo pelo qual deveríamos defender um criminoso comum como o sr. Cesare Battisti, por sinal um homem que em nada contribuiu ou contribui para o pensamento de esquerda no Brasil, ou mesmo para suas causas. O homem é um assassino, sinto muito sr. Cocco, e deve pagar pelos seus crimes onde os cometeu.


Menjol de Almeida Neto
2009-04-23 17:56:54

Mirar o Judiciário, acertar a imparcialidade

Nos cursos de Direito, é impressionante o número de alunos pobres que almejam serem juízes ou promotores. De repente, todo mundo se acha qualificado para julgar e ganhar renome de justiça e correção.

Engraçado é que muitos desses alunos não têm preocupações éticas rodeando seus olhares. Para eles, é preciso arrumar dinheiro e dar uma guinada na vida. Outros tantos alunos, também pobres, querem ser juízes e promotores para "tornar o povo mais consciente de seus direitos", e já planejam soltar todo e qualquer criminoso que pertença a uma certa classe social e tenha uma determinada cor étnica.

Ou seja, trocarão 6 por meia dúzia. Pretendem ser tão parciais quanto os juízes que privilegiam a "zelite".
Nosso problema não é com a justiça, mas com nosso apego à parcialidade. Adoramos ser parciais, privilegiar nossa panelinha, ferrar os outros em razão de nosso proveito.

Ser brasileiro é ser parcial, passional, cheio de querer estar inserido numa panela influente e poderosa.E ninguém mais do que os pobres para acreditar no poder da parcialidade.


Nunes Conde
2009-04-20 17:32:23

Mirar Battisti, acertar a multidão

O que eu acho mais estranho é que ainda há gente que pensa que o Judiciário age de boa fé.

É a maior vergonha do Brasil.


Site: Maria José Speglich
Maria José
2009-04-18 16:19:19

Mirar Dilma, acertar a dita dura

O Brasil não é uma democracia sob tutela militar e não será uma democracia sob a patrulha moral da esquerda armada. Battisti deve ser extraditado, em nome da seriedade de nossa república. Se Battisti não for extraditado, isto significará que aqui pode tudo, assassino, terrorista, maconheiro, gangster, cafetão. Sim, é claro que aqui, em Banânia, bandido é rei. Mas é exatamente isso que a esquerda quer dar a entender para mundo:"Aqui, no Brasil, gringo, é assim, respeito senão leva tiro no peito. Aqui a desigualdade social criou anjos que defendem os fracos e oprimidos matando impiedosamente os brancos e ricos opressores." Esta é a moral da patrulha armada da esquerda: defender qualquer bandido a qualquer custo. Afinal, nunca antes neste país a lei esteve tanto contra os inimigos: com os petralhas no poder a coisa funciona daquele jeito antigo: para nossos amigos, dinheiro do governo, para nossos inimigos, pau. A esquerda nada mais quer do que meter pau e mandar bala na sociedade inteira, ou seja, em todo mundo que não pertença a uma certa cor, a uma certa classe social e que não tenha uma certa consciência politicamente correta. Por isso eu digo: cuidado, meu amigo; se você nasceu com a cor errada, na classe social errada e discordar do sistema comunista, os vermelhos vão mandar bala na sua nuca.


Mauro Acib
2009-04-05 23:57:56

Mirar Battisti, acertar a multidão

Vocês acabaram de perder credibilidade com esse esquerdismo irracional, essa tentativa de justificar o injustificável.

Infantilidade pôr Gilmar Mendes e Mino Carta no mesmo saco.
Que perda de tempo essa leitura...


Roger Lai
2009-04-05 20:59:36

Mirar Battisti, acertar a multidão

Vingança Pessoal, Dissimulação, Obtenção de vantagens, tramas.

O Boi de piranha !!!!


vanderlei
2009-04-03 01:39:07

Mirar Battisti, acertar a multidão

Brasil é um Demônio


vanderlei
2009-04-03 01:36:47

Mirar Battisti, acertar a multidão

Vamos propor um problema para os advogados de direitos humanos que vivem ganhando dinheiro para livrar a cara dos assassinos que se escondem nos movimentos sociais:

1- os direitos humanos se fundamentam no direito de cada indivíduo humano à vida e à integridade física;

2- os direitos humanos exigem o respeito, por parte do Estado e dos cidadãos, aos direitos fundamentais do homem;

3- os direitos humanos defendem a liberdade de associação, desde que essa seja pacífica, para que a sociedade lute pela realição concreta dos direitos sociais, direitos esses do homem consumidor;

Pergunta:

Se o direito à vida é pressuposto para todos os direitos fundamentais, inclusos entre estes os direitos sociais (educação, trabalho,etc.), COMO A JUSTIÇA PODE LIBERTAR UM ASSASSINO QUE, EM NOME DA REALIZAÇÀO DOS DIREITOS SOCIAIS, FERIU SANGRENTAMENTE O DIREITO FUNDAMENTAL À VIDA?

Alguém pode responder?

NUNES CONDE



2009-03-24 16:35:44

Mirar Battisti, acertar a multidão

Deu nos jornais de hoje: a namorada do bandido esquerdista TIROFIJO mandou matar os quatro querrilheiros que providenciaram o sepultamento do bandido.Esses assassinatos se justificaram segundo ela , para que ninguem nunca venha a saber onde ficaram os restos mortais do tal TIROFIJO.E eh com essa gente que o PT , os foruns , o Chaves et caterva se inspiram para propagar tao espuria doutrina!!!!


arnold
2009-03-23 23:15:41

Mirar Battisti, acertar a multidão

A tragédia mora ao lado - Puro Õdio

O artigo chama muito a atenção para a reação da extrema direita colombiana aos crimes genocidas cometidos pela extrema esquerda, mas deixa de falar das atrocidades cometidas pelas FARC. A mídia esquerdopata insiste em desconsiderar a gravidade do problema que consiste na existência de um exército armado e fardado que se alimenta de e alimento um enorme plantio e comércio de drogas. Os traficantes do mundo matam milhares de usuários e ninguém se importa com isso, muito menos a esquerda que defende quadrilhas de guerrilheiros fardados. A raiva da esquerda é sempre contra fardados da dirieta, nunca contra fardados da esquerda.

Em tempo, vamos lembrar que aqui no Brasil Lampião, um verdadeiro assassino que nunca levantou bandeira comunista, é considerado como um ídolo pela juventude desmiolada que quer matar e, por isso, entra para o tráfico de drogas. No Brasil, na terra dos bananas, cada um pode virar traficante a hora que quiser, vai ter advogado e defesa na justiça, e vai ser chamado de rebelde, resistente, protetor do morro e outras honrarias.

Quem defende as FARC e só reclama dos crimes cometidos pela extrema direita colombiana só está ajudando a disseminar a idéia de que os crimes hediondos cometidos pela esquerda são atos santificados por Fidel castro e pela luta armada revolucionária.

Por que a esquerda que adora injetar uma heroína não se ajoelha e pede perdão para o traficante quando não consegue pagar a bandeja de pó! Isso, enfia a cara na bandeja de pó antes de fazer sua revolução e manda ver se o traficante deixa você sem levar uma bala na nuca!

Todo mundo acha os traficantes um monte de heróis, mas quando os heróis são mortos pela polícia, só falta chamar o Papa para rezar a missa de sétimo dia dos bandidos.

Os traficantes podem matar, os guerrilheiros podem matar, mas quando são mortos, de bandidos passam a coitadinhos para esse VERMELHO.ORG.

Puro ódio dessa canalha que apóia assassinos e torturadores que usam boina vermelha e farda e dizem lutar pela liberdade, quando só nos prendem à maldade humana.



2009-03-20 16:39:48

Sem cromatismo político não se faz política no Brasil

O cromatismo político no Brasil é crime porque os brasileiros vivem suas vidas acreditando na lorota criada por Gilberto Freyre e seus asseclas de que há uma casa-grande e uma senzala, e de que cada um destes lugares possui uma cor política apropriada. Dessa forma, a casa-grande é vista como o antro verde-amarelo ou tucano, enquanto a senzala é entendida como a Igreja da Libertação Vermelha. Em nenhum dos dois casos pode-se dizer que as cores correspondem aos ideais políticos de quem vive no interior dessas denominações sociais, simplesmente porque a casa-grande e a senzala, enquanto abstrações teóricas, foram criadas para aglomerar pessoas de determinadas raças e condições sociais desiguais para visualizar uma relação de dominação onde abundam diálogos nos quais se valorizam o traquejo e a humildade simulada. A cor avermelhada apropriou-se da senzala, dizendo-se sua redentora e defensora, apoiando a idéia de que o traquejo e a humildade simulada são as armas legítimas dos oprimidos na luta contra o capital, concordando, assim sendo, com Gilberto Freyre. A cor verde-amarela apropriou-se da casa-grande, dizendo-se a civilizadora desta terra tropical onde a safadeza e a sem-vergonhice dos escravos e dos capatazes justificavam sua posição inferior e explorada na hierarquia social, concordando, é claro, com Gilberto Freyre. O cromatismo político é fundamental para a manutenção das tensões políticas no Brasil, primeiro porque essas tensões mantêm a bipolarização dos recursos governamentais (dinheiro para as ONGS da esquerda e dinheiro para as empresas da direita), e segundo porque mantêm a casa-grande e a senzala divididas por raças e classes sociais, assemelhando uma raça a uma determinada classe social, e assim por diante. A briga agora está na "senzala", porque a nova burguesia que nasceu dela não quer mais o jugo da velha esquerda burguesa nascida alhures e que outrora a visitava e a defendia nos palanques e assembléias. A dita casa-grande luta para não perder seu cromatismo político, dado que a velha burguesia esquerdista quer tomar sua tonalidade verde-amarela, adicionando-lhe estrelas vermelhas. E o que cabe a nós, que não temos nada a ver com essa história toda? Cabe a nós, cidadãos moderados interessados em prosperar e seguir com nossas vidas, ou reagir contra vermelhos e verde-amarelos, mandando-os para o zoológico, ou nos resta fazer o jogo do contente, uma vez que a esquerda e a direita sonham em pegar armas novamente para praticarem aquilo que teorizaram em seus discursos embriagantes. Brasil, ame-o ou deixe-o. Em letras garrafais vermelhas com manchas verdes e amarelas.

Nunes Conde



2009-03-17 15:12:57

Mirar Battisti, acertar a multidão

Penso que bandido merece cadeia e punicao exemplar. O oportunista e espertalhao do Signore Batista fugiu da Italia , nao se defendeu por saber sobejamente que bandido comum como ele so restaria a condenacao e cadeia. Refugiou-se ao abrigo de mal informados esquerdistas franceses e travestido como tal continua a enganar ingenuos e mal intensionados "esquerdistas". Vivessemos nos na Era e na Russia de Stalin, esse canalha teria ido a um Gulag sem do nem piedade como milhares de pequenos proletarios russos o foram, sem terem cometido nem dez por cento do que praticou o Signore Cesare. Brasileiro precisa ser menos trouxa, tantos os do Centro, Esquerda e Direita! Tenho dito


arnold
2009-03-15 03:19:29

Mirar Battisti, acertar a multidão

Infelizmente muitos brasileiros veem a realidade através dos olhos da mídia tendenciosa. Somos um país injusto, desigual, racista e preconceituoso. Somos uma pseudo-democracia. Os que sempre estiveram no poder, político e econômico, continuam a mandar apesar de um governo popular e "quase" de esquerda. Interessa à oposição sem projeto e sem rumo o enfraquecimento dos movimentos sociais que ousam enfrentar os poderosos. Torna-se a cada dia mais difícil conter os miseráveis e famintos, estamos caminhando para o pai de todos os confrontos sociais que este país já teve.


Nick Stones
2009-03-14 15:37:53

Mirar Battisti, acertar a multidão

Quem foge da revisão da lei de anistia é o PT. E essa história de direita reacionária é balela. Para a esquerda, não existe direita que não a reacionária. Para a direita, não existe outra esquerda que a revolucionária. Como estamos todos felizes com a bosta que é a política brasileira, sinto que a França dá melhores exemplos de política do que o Brasil. Até onde eu sei lá não houve mensalão e PAC. Na França existe seriedade, e não farra com o dinheiro público. E se miraram em Battisti e acertaram a multidão, eu não sei em que multidão, se da extrema esquerda ou da esquerda petista, o que dá no mesmo, pois é só bagunça e levante, sem seriedade nenhuma.


Jorge
2009-03-13 18:19:52

Mirar Battisti, acertar a multidão

Asassinos por assassinos, seria muito bom começar arever, por exemplo, a lei da anistia...então alguns dos nossos torturadores da década de 70, confortavelmente sentados de pijamas em suas poltronas, poderiam ir a juri. Me impressiona como Battisti mobiliza a direita reacionária. Quem sabe cobramos uma posição da França em relação ao abrigo político que concedeu a ele? Críticas são sempre bem vindas, mas a tendenciosidade delas enfraquece o impacto. Em tempo, é realmente vergonhosos o papel do senhor Mino Carta nisso tudo.


Pedro Carvalho
2009-03-13 15:27:22

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.