Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

» As mentiras da ciência a serviço do mercado

» Anatomia da próxima recessão global

» Passo a passo para frear a devastação da Amazônia

Rede Social


Edição francesa


» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil

» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation

» Le piège du 11-Septembre

» Quand la gomme arabique fait tanguer l'Amérique

» Au Kosovo, la « sale guerre » de l'UCK

» L'école publique à l'encan

» Le régime de Khartoum bousculé par la sécession du Sud


Edição em inglês


» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model

» Soft power influence in the Arabian Gulf

» Life with bribes and kickbacks


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


Comentários sobre esse texto:

Ciência e democracia na Amazônia

Olá,

1/3 das terras do Norte são griladas

Na quarta-feira, dia 02/06, o senado brasileiro aprovou a MP 458. Esta medida presenteia todos aqueles que fizeram grilagem na Amazônia com a regularização de terras ocupadas ilegalmente.

Se o presidente assinar a MP 458, 67 milhões de hectares de terras públicas da Amazônia serão privatizados. Um patrimônio estimado em 70 bilhões de reais irá parar nas mãos dos grileiros.

Amanhã, dia 10/06, é o último dia para reverberar nossa voz. O Gabinete de Lula está recebendo milhares de ligações pedindo para que a MP 458 não seja aprovada. Faça sua parte, ligue e espalhe os números e o e-mail do presidente Lula para seus amigos. Peça para que eles digam NÃO A MP 458.

Telefone do Gabinete do Lula:

(61) 3411.1200 ou (61) 3411.1201

Ou envie um e-mail através do link:

https://sistema.planalto.gov.br/fal...

Se quiser saber mais sobre o assunto, recomendamos os links:

http://www.greenpeace.org/brasil/am...
http://www.avaaz.org/po/nao_privati...


vanderlei
2009-06-10 06:01:38

Ciência e democracia na Amazônia

O que devemos fazer para que estes conhecimentos sejam utilizados sem mais atraso?

Temos que criar uma estrutura tão poderosa quanto CNPq e FINEP que financiam a pesquisa e a inovação para fomentar e apoiar a extensão. Todas nossas instituições de pesquisa carecem do braço extensionista. Já está passando da hora.


Roberto Monteiro de Oliveira
2009-05-27 02:52:41

Ciência e democracia na Amazônia

O que devemos fazer para que estes conhecimentos sejam utilizados sem mais atraso?

Temos que criar uma estrutura tão poderosa quanto CNPq e FINEP que financiam a pesquisa e a inovação para fomentar e apoiar a extensão. Todas nossas instituições de pesquisa carecem do braço extensionista. As pesquisas estão acumuladas nas bibliotecas dos institutos de pesquisa sem que tenham apoio para serem levadas ao conhecimento da sociedade: trabalhadores e empresários.Já está passando da hora.


Roberto Monteiro de Oliveira
2009-05-27 02:51:36

Ciência e democracia na Amazônia

O Estado do Pará não consegue cuidar da APA de Algodoal, que tem somente 23km2, o poder público no Pará está como a polícia do RJ, quem pagar mais, leva. Não há moralidade. Incluo Governo Federal, que confiou todas as suas funções no Pará a Jader Barbalho e o Governo do Estado, que tem Ana Júlia com seus 40 ladrões no poder. Para saber mais da triste realidade da APA de Algodoal:
www.algodoal.com.br.


Site: APA de Algodoal/Maiandeua
Marcio Luis
2009-05-11 17:34:52

Ciência e democracia na Amazônia

Hoje é sabido que a floresta amazônica têm um papel importantíssimo no regime de chuvas que irriga quase toda a América do Sul,exceto Chile e parte do Peru!
As nuvens que adentram a América do Sul vem pelo Oceano Atlântico, as chuvas irrigam primeiro a Venezuela, Colômbia,parte do Peru e os demais países países sulamericano,com exceção do Chile
Portanto: as nuvens vinda do oceano pacifico acumulam-se na Cordilheira dos Andes formando as geleiras sem qualquer influencia no Brasil e nos países vizinhos.
Existe práticas agrícolas na amazonia,como produção palmas para a produção de azeite de dendê,cultivo de açaí e produção cupuaçu ainda de uma forma muito precária porque a cultura ainda precisa de muita pesquisa e ainda a piscicultura que têm tudo para dar certo!
Todas essas praticas culturais são capazes de existir na amazônica com total respeito ao meio ambiente e com inserção social; o que não ocorre com a falácia da agricultura empresarial ou agronegócio.
Se a amazo
ônia for desmatada todo o regime de chuvas na região sudeste estará comprometida com prejuízo para nossa agricultura!


Luiz Gonzaga simões
2009-04-20 17:47:36

Ciência e democracia na Amazônia

Gonzaga,

excelentes suas colocações. Os latifundiários não merecem destruir nossa floresta. No entanto, gostaria de concordar com os demais leitores e dizer o grande problema gira em torno da moral politicamente correta que cerca e asfixia os debates sobre a Amazônia. Muitos petistas estão usando a Amazônia como oportunidade para se fazerem os defensores de uma natureza e de povos que, ao fim e ao cabo, somos nós.
este é o problema essencial. Defender as florestas não significa honestidade, nem justifica a corrupção do senador Tião Viana: 15 mil reais em contas de celular!

Nunes Conde



2009-04-09 15:31:17

Ciência e democracia na Amazônia

Eu imagino a amazônia conservada, livre dessa praga que é se chama latifundiário;
muitos incentivos para os pesquisadores
do Impa e Embrapa.
Da biodiversidade amazônica sairá muitos produtos de muito maior valor agregado que a
produção bovina.
Eu imagino uma psicultura bem produtiva
em tanques rede; criação de pirarucu em grande escala e outros peixes.
Com aquela quantidade de rios,é possível
imaginar a quantidade de peixes aquela
região será capaz de produzir sem agredir o meio ambiente


Luiz Gonzaga simões
2009-04-01 20:05:18

Ciência e democracia na Amazônia

De minha perspectiva, a esquerda toma posse da Amazônia como toma posse de qualquer outro território, santificando-o primeiramente, evitando assim que outros o "profanem", para depois ocupá-lo e explorá-lo a seu favor. Se fosse o Tibet ou o território de Israel, seria a mesma coisa, mas, é claro, a esquerda não está se opondo à dominação chinesa no Tibet.

A propóstio, o recente filme de Clint Eastwood trata exatamente da consequência do êxodo do povo Hmong, êxodo este que tem por causa a perseguição que o regime comunista vietnamita lançou a este povo, que habita o Laos, a Tailândia e a China. Para certos comunistas o território dos que não são comunistas nunca é Amazônia.

Nesse filme, Clint Eastwood enfrenta uma poderosa gangue que vive ameaçando e agredindo uma família que insiste em não viver para o e do crime. Nos EUA como no Brasil, pobre que não cai para o crime é sempre considerado arrogante pelos criminosos pobres.

O filme é maravilhoso, e só consigo achar um único paralelo nacional para Walt Kowalsky (personagem interpretado por Eastwood): Roberto Nascimento, mais conhecido como Capitão Nascimento.

Depois que Kowalsky literalmente enfia um rifle na cara dos delinquentes a comunidade começa a depositar comida e bebida, e flores também, na varanda da entrada de Kowalsky, em retribuição ao ato combater os bandidos. No Brasil, graças aos costumes de nosso politicamente correto (politicamente incorreto, de tanto preferir o incorreto ao correto), em vez de agradecermos pessoas como o Capitão Nascimento, jogamos pedras, já que, entre nós, gente honesta e altiva é sempre tomada por arrogante.

Aí está uma crença nossa: a periferia é precisamente um lugar santificado como a Amazônia, lugar onde não pode haver heróis que enfrentam bandidos, mas bandidos transformados em heróis. Quanta gente chamou o Capitão Nascimento de nazista por ter subido o morro! Para mim, nazista é quem compactua com e alivia o que bandido faz.

O dia em preferirmos Walt Kowalsky e Capitão Nascimento aos cangaceiros e bandidos, teremos dado um grande passo rumo à democracia. Mas isso vai demorar.


Salvat
2009-03-30 06:23:33

Ciência e democracia na Amazônia

De minha perspectiva, a esquerda toma posse da Amazônia como toma posse de qualquer outro território, santificando-o primeiramente, evitando assim que outros o "profanem", para depois ocupá-lo e explorá-lo a seu favor. Se fosse o Tibet ou o território de Israel, seria a mesma coisa, mas, é claro, a esquerda não está se opondo à dominação chinesa no Tibet.

A propóstio, o recente filme de Clint Eastwood trata exatamente da consequência do êxodo do povo Hmong, êxodo este que tem por causa a perseguição que o regime comunista vietnamita lançou a este povo, que habita o Laos, a Tailândia e a China. Para certos comunistas o território dos que não são comunistas nunca é Amazônia.

Nesse filme, Clint Eastwood enfrenta uma poderosa gangue que vive ameaçando e agredindo uma família que insiste em não viver para o e do crime. Nos EUA como no Brasil, pobre que não cai para o crime é sempre considerado arrogante pelos criminosos pobres.

O filme é maravilhoso, e só consigo achar um único paralelo nacional para Walt Kowalsky (personagem interpretado por Eastwood): Roberto Nascimento, mais conhecido como Capitão Nascimento.

Depois que Kowalsky literalmente enfia um rifle na cara dos delinquentes a comunidade começa a depositar comida e bebida, e flores também, na varanda da entrada de Kowalsky, em retribuição ao ato combater os bandidos. No Brasil, graças aos costumes de nosso politicamente correto (politicamente incorreto, de tanto preferir o incorreto ao correto), em vez de agradecermos pessoas como o Capitão Nascimento, jogamos pedras, já que, entre nós, gente honesta e altiva é sempre tomada por arrogante.

Aí está uma crença nossa: a periferia é precisamente um lugar santificado como a Amazônia, lugar onde não pode haver heróis que enfrentam bandidos, mas bandidos transformados em heróis. Quanta gente chamou o Capitão Nascimento de nazista por ter subido o morro! Para mim, nazista é quem compactua com e alivia o que bandido faz.

O dia em preferirmos Walt Kowalsky e Capitão Nascimento aos cangaceiros e bandidos, teremos dado um grande passo rumo à democracia. Mas isso vai demorar.


Salvat
2009-03-30 06:23:32

Ciência e democracia na Amazônia

A Amazônia virou palco de exploração tanto dos países desenvolvidos quanto dos interesses particulares de indústrias madeireiras , posseiros e outros que acabam por devastar muito mais do que áreas comparadas a campos de futebol e sim praticamente a Amazônia está virando uma floresta sem árvores e sem biodiversidade , devido a superexploração existente neste lugar. Com o passar dos anos é bem provavel que ao invés de ser um linda floresta de belezas e biodiversidade vire uma futura savana ou um deserto , contribuindo ainda mais para os impactos das Mudanças Climáticas, ou seja, o Aquecimento Global que hoje assola algumas regiões do nosso país com enchentes e devastações chegará na Amazônia com secas e desertos , pois fenômenos como ocorridos em 2005 como foi a estiagem e além de tudo a perda de sua nascente ...aumentará o risco de desaparecimento da Amazônia. Acordemos agora antes que seja tarde!


Site: A qualidade do meio ambiente em consonância com a redução da alteração climática.
Sara Araujo de Souza
2009-03-26 00:01:57

Ciência e democracia na Amazônia

DIZEM QUE O CAPÃO REDONDO É A AMAZÔNIA

A disputa política da Amazônia serve de modelo para a disputa dos votos nas periferias do sudeste, São Paulo e Rio de Janeiro. Os suburbanos que infelizmente sofrem com os processos de exclusão social produzidos pelo regime neoliberal da economia são vítimas não só de traficantes e outros criminosos, mas também das Ongs de esquerda, que avermelham os territórios da periferia. Não faltam sociólogos e jornalistas, ávidos por uma bocada no dinheiro público, dispostos a separar a periferia do centro, atribuindo uma identidade distinta e mais superior a quem mora nas áreas mais pobres das grandes cidades. Universitários burgueses que fumam sua maconha e bebem sua caipirinha em ambiente universitário, não se cansam de defender a imagem que fazem da periferia, de um lugar violento porque vítima do sistema, onde a violência sempre pode ser justificada, e até legitimada. Os morros se tornaram a Amazônia dos sociólogos e burocratas que detestam ver a polícia fazendo o seu serviço. Quantos "cantores" condenam o BOPE no Rio e a ROTA em São Paulo e são usuários de drogas? Fossem só usuários, mas fazem apologia das drogas e do tráfico, contando com ampla defesa dos setores mais progressistas da esquerda e da direita. Na Amazônia periférica, as Ongs proíbem que a polícia realize a segurança das favelas, já que muitos ongueiros acreditam que a segurança da favela é muito boa quando feita pelos criminosos que, "vitimados pelo regime econômico capitalista, nada podem fazer a não ser vender drogas para a playboyzada e dar sumiço nos ladrões de varau do morro". Engraçado é que a playboyzada que usa droga, se você reparar bem , não é sempre aquele sujeito liberal, super pra frente, que usa todas, fuma, cheira, pica, e depois vai trabalhar na ONG, filmando a cultura da periferia? Na Amazônia urbana ninguém pode encostar a mão em quem é pobre, mesmo se for bandido dos pesados, basta lembrar que depredaram toda uma avenida no Morumbi porque a polícia matou um bandido em confronto armado. Quem são os primeiros a defender os bandidos? Os maconheiros e cheiradores das Universidades. Quem é o primeiro a querer que a polícia faça seu serviço? Os moradores honestos das favelas, que trabalham duro e ainda têm que aguentar bandidos dominando e ameaçando todo mundo, querendo comprar o silêncio de famílias com um botijão de gás ou um pacote de remédios. Os sociólogos adoram chamar as favelas de quilombos, mas o que ninguém sabe é que para os sociólogos os traficantes não são bandidos, mas heróis, porque não são pobres resignados. O conluio dos sociólogos com os vermelhos e o alto escalão da violência nos morros inverteu completamente a boa e velha moral, onde bandido era bandido e polícia era polícia. Se ser bandido é não ser pobre resignado, então eu vou virar ladrão e vou vender pó para estourar o nariz do meu semelhante, talvez eu vá ser melhor considerado do que trabalhar oito horas por dias, andar três de ônibus e ter ainda de ouvir safado dizendo que "a periferia é a Amazônia, temos que cuidar para pobre não entrar em extinção".
É muita safadeza falar isso, esse Zé povinho do inferno.
A honestidade é que é bicho em extinção, e não a safadeza que se esconde com o escudo da pobreza.


Lauro Gomes
2009-03-19 21:57:12

Ciência e democracia na Amazônia

Penso sinceramente que toda a regiao Amazonica que inclui parte da Colombia,Venezuela e Brazil, deveria ficar tutelada por orgaos da ONU, sem haver a ingerencia de politicos nacionais. O que temos observado eh a devastacao pura e simples de toda a biodiversidade e riqueza de flora e fauna ora com a invasao do agro negocio ou a invasao de falsos agricultores do MST.
Sobre o subdesenvolvido agreste nordestino, a melhor solucao seria importar parte das populacoes que hoje reinvidicam territorios na Palestina e mesclar tais populacoes com imigrantes provenientes do Japao que garantirao com certeza o desenvolvimento agricola e comercial da regiao, como ja o fizeram no sul brasileiro.


arnold
2009-03-15 13:59:03

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.