Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 30 de novembro de 2021

» Elogio à pedagogia dos filmes de terror

» O apartheid vacinal e o vírus que nos devora

» 29 de novembro de 2021

» Breve nota sobre a futilidade do sucesso

» Paulo Freire e a aposta na comunicação libertadora

» Pochmann: do colonialismo mental ao tecnológico

» 26 de novembro de 2021

» Mundo em desencanto: a alternativa do Comum

» Da tabelinha futebol e literatura sai gol de letra

Rede Social


Edição francesa


» Mirages verts et sobriété californienne

» Harry Potter expliqué aux parents

» Revendications et occupations en mer de Chine méridionale

» Le Vietnam

» De la décolonisation à la troisième guerre du Vietnam

» Diaspora vietnamienne

» Vietnam, comparaisons régionales

» La libération inachevée des Afro-Américains

» L'apparition d'un nouveau type d'homme

» Une flammèche obstinée a embrasé la Guadeloupe


Edição em inglês


» Iraq's great divides

» China is open for investment

» Colonial accountability in Niger

» In search of luxurious communism

» November: the longer view

» The carbon balance

» CO2 emissions around the world

» What's in a phone?

» If only Assange had been Navalny

» India's silent but deadly killer


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2021

» O tecto de vidro europeu

» E a Grécia volta a ser exemplar

» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul


Comentários sobre esse texto:

Preparando-se para os conflitos urbanos

As polícias do mundo precisam se preparar cada vez mais pra enfrentar os bandidos. Vemos diariamente na mídia a ousadia de criminosos que torturam e matam impunemente onde querem, como querem e quando querem. Claro, temos muitas Ongs de Direitos Humanos que defendem os direitos fundamentais dos traficantes homicidas, mas alguém aí já ouviu falar de Ong especializada no atendimento de vítimas do tráfico?

A polícia tem que estar armada. O BOPE tem que subir e detonar os ninhos de ratos, isto é, de traficantes, que têm nas favelas.



2009-08-08 01:45:41

Preparando-se para os conflitos urbanos

Eu acredito que o MV Bill e o Celso Athayde tenham concordado com o Brandão naquelas negociações milionárias com a Petrobrás por uma única razão, que é preparar-se para os conflitos urbanos. Pô, pensa bem, com oito milhões e tanto de reais é possĩvel comprar armas para um morro inteiro de favelados ignorantes, e dá, inclusive, para financiar um mensalão, só que pagando mensalmente para a polícia do Rio não subir nos morros. Projeto social nada, o que os caras queriam mesmo era roubar dinheiro do governo para ajudar bandido na favela. Mv Bill é como o Adriano, o "imperador", só quer saber de viver na mamata na favela, a favela como escudo para o crime.



2009-07-31 01:35:23

Preparando-se para os conflitos urbanos

Sugiro ao Le Monde Diplomatique que compre fuzis e metralhadoras ponto 30, suba o morro e se junte aos seus queridos e amados traficantes, já que o Diplô possui tanta admiração por estes criminosos.

Vamos lá, por que vocês não se juntam aos "pobres rebeldes"?

Allez-y, fils d`une putaine!!


Nunes Conde
2009-06-27 18:12:42

Facções e luxo, e mulheres lindas

Os líderes das facções criminosas cariocas vivem luxuosamente, vestem roupas de grife, namoram mulheres lindas e gostosas, possuem armas de grosso calibre e compram quem quiserem na Administração Pública. Diante desses fatos incontestáveis, resta perguntar aos defensores da bandidagem de que condições de conforto eles falam quando justificam o crime organizado pela pobreza nas favelas.

os membros das facções criminosas cariocas são amigos de artistas, cantores, jogadores de futebol, jornalistas, midiáticos, enfim, nossa sociedade tolera o intolerável de uma forma absurda.

Nas faculdades de ciências humanas, alunos criticam a polícia mas não condenam as práticas desumanas dos traficantes: se os narcotraficantes colocam crianças para trabalhar no refino e venda de entorpecentes, parece que os Direitos Humanos não vêem nessa ESCRAVIDÃO INFANTIL uma escravidão factual. Parece que só os capitalistas de olhos azuis são capitalistas; será que os narcotraficantes menos branquinhos, por sua cor ou classe social (se é que essa diferença existe), são menos capitalistas do que os bandidos de terno e gravata?

Muitas coisas intoleráveis andam ocorrendo nesta terra tropical. Aqui, bandido que veste ouro e põe criança para vender droga é considerado herói, e trabalhador honesto recebe o nome de arrogante.

Reforma moral ninguém quer, só libertinagem para usar, produzir e vender drogas. É isto o que fizemos com nossa liberdade de ir e vir e com nossa liberdade de expressão: liberdade para traficar, matar e liberdade para elogiar quem mata e trafica.

É UM ABSURDO!!



2009-06-09 17:39:14

Tem gente que acha que em Canudos tinha tráfico de drogas...

Uma coisa é a opressão da China contra os tibetanos. Os tibetanos têm toda razão de reagir contra o comunismo imperialista chinês.

Agora, dizer, nas entrelinhas, que o tráfico de drogas é uma forma de revolta dos oprimidos...Bom, aí a questão é outra.

Normalmente, quem chama traficante de oprimido é quem se deita na cama com uma carreira de pó e curte ver um X-9 sendo torturado...

acertei camarada anônimo?

QUEM SÃO OS POBRES CAÇADOS PELA POLÍCIA? OS VENDEDORES DE SAPATOS OU OS VENDEDORES DE PÓ?

eu nunca ouvi dizer de vendedor de sapato morto pela polícia em confronto. Mas, se você já viu vendedor de sapato andar armado com fuzil e vendendo pedra pra criança, aí é outra coisa...



2009-05-16 18:52:48

Preparando-se para os conflitos urbanos

Lendo este texto, acabei de me convencer de que as “escolas”, também, mentem! E mentem feio! Feio por ser de propósito! Mentem muito mais que os demais, pelo simples fato de que a função delas é nos dizer a verdade. Ou pelo menos tentar...
Eu, por exemplo, 1- aprendi, durante as aulas de História, que os europeus colonizadores eram civilizados, os povos “descobertos” eram ou são ainda selvagens, e que civilização era o melhor estágio evolutivo das pessoas: sobre esse último fato, agora eu tenho minhas dúvidas. 2- ensinaram-nos que o período das injustiças e brutalidades do período colonial era coisa do passado ou do tempo de Tiradentes (esse do 21 de abril, aqui no Brasil) e companhia: mais uma balela!

Não só, mas as duas grandes guerras do século XX foram selvagerias!
Agora, em pleno século XXI, os civilizados planejam e se modernizam para continuar matando os pobres, os ignorantes, os oprimidos e controlar melhor suas colônias e negócios...

E será que alguém de lá, ou seja, do exército ou do governo do Primeiro Mundo ou mundo melhor, mais inteligente e civilizado, vai reservar um pouco da inteligência para planejar meios de acabar com os motivos de tantas revoltas? Ou seja, pobreza, fome, ignorância, marginalidade e tudo mais que desencadeia descontentamento e revoltas?

NINGUÉM É AGRESSIVO, A PONTO DE PRECISAR DE UM EXÉRCITO PARA CONTE-LO, QUANTO VIVE CONFORTAVELMENTE E FELIZ!



2009-05-13 18:37:39

Preparando-se para os conflitos urbanos

A guerra urbana deverá ser travada nos morros do Rio de Janeiro, em primeiro lugar. E o Rio terá que cortar na carne. Artistas, cantores, modelos, atores, quem tiver ligação com o tráfico de drogas deverá ser preso. O BOPE deverá contar com total apoio da população nas suas ações. A prefeitura deverá fazer campanha a favor das ações policiais na periferias, pedindo apoio da população favelada.

O crime é um câncer na nossa sociedade. O tráfico de drogas encadeia nos elos de sua corrente toda uma série de criminosos (assassinos, torturadores, fraudadores, estelionatários) que precisam ser retirados do convívio social e punidos no máximo rigor da lei.

O exército deveria entrar nas favelas e auxiliar nos processos de descontaminação, participando das ações mais vigorosas juntamente com o BOPE.

Além disso, os líderes de associações de moradores deveriam ser investigados, pois podem estar sob influência dos traficantes, fazendo lavagem cerebral a favor do tráfico nas comunidades carentes.

Mas quem diz que os governos têm peito para enfrentar os Direitos Humanos e a Vermelhada?

Ainda precisaremos esperar até que um político queira realmente nos livrar desses males urbanos que são os traficantes.


Carlos Bona
2009-05-11 18:06:39

Preparando-se para os conflitos urbanos

Quem está se preparando para causar conflitos são os caras de um sarau na Chácara Santana, passando filmes que incentivam os jovens a serem violentos como os Panteras Negras.

Canalhas como os participantes desse sarau deveriam ser presos, pois pregam a violência no lugar da paz.

Só neste país de m... um ex-militante do PT recebe verbas públicas para passar filmes e documentários que incentivem o preconceito racial de negros contra brancos e de pobres contra ricos.

O vira-lata e sua gangue quer mesmo o fim da decência na periferia. O poeta vadio acredita que só é decente quem acredita no poder paralelo de grupos armados. Ele não saiu ainda daquelas historinhas que os comunistas contam para as crianças: para esse "poeta", os capitalistas comem criancinhas...

Como podemos falar em paz, se há militantes da esquerda auxiliando os jovens da periferia e cerrarem os punhos (literalmente) contra o sistema? Será que esse "poeta" sabe mesmo o que é ser contra o sistema? Ou será que ele está querendo ensinar os jovens a agirem dentro do sistema?

Esse sarau só quer ensinar nossos jovens que o pobre deve ser grosso e violento, malandro e mau caráter. O sarau quer ensinar para os jovens que todos os pobres devem pensar que merecem agir como a escória da humanidade. O sarau sabe que muitos pobres gostam da honestidade e não querem saber de violência. Mas esse sarau trata muito mal o pobre que tem preconceito contra o roubo e o assassinato: pobre tem que ter preconceito contra rico, diz o Cara, não contra criminoso...

Aí é complicado, querer dizer que as pessoas pobres não podem ter preconceito contra quem é bandido...
parece o Mano Brown, que disse numa entrevista que traficante é apenas um comerciante...

isso é cultura? Dizer que pobre tem que gostar de bandido é cultura?
Compreender o que leva alguns bandidos a serem bandidos é uma coisa, mas querer aliviar pro lado da criminalidade...

aí é foda!!


Detefon
2009-05-08 20:17:13

Preparando-se para os conflitos urbanos

Os jornalistas falam de guerra urbana mas poucos conhecem a realidade.

Guerra urbana é polícia sendo agressiva com trabalhadores honestos. Mas muitos trabalhadores são coniventes com a criminalidade, fazem vista grossa e até acham certo o que a bandidagem faz. Mas a polícia não pode espancar ninguém, isso não é certo espancar.

Muitos casos de violência poderiam ser evitados se a polícia fizesse ronda na periferia, mas uma ronda decente. Se cidadão normal consegue reconhecer quando está rolando coisa errada, a polícia pode conseguir melhor ainda. Basta treinamento e honestidade.

Muitos artistas querem o fim do Bope, da Rota. Esses artistas são amigos dos bandidos, por isso defendem a impunidade.

Devemos ter uma polícia boa, que defenda as pessoas certas e prenda as pessoas erradas. Prender não é matar ou executar. Prender é levar preso pra delegacia.

Polícia é importante, senão tem guerra urbana mesmo. Sai da redação do jornal e anda aqui na periferia depois das onze, quero ver!


José de Abade Pajeú
2009-05-05 07:11:49

Preparando-se para os conflitos urbanos

Gostaria de sugerir ao Roberto que ele se sinta à vontade para recitar frases do Mahatma Ghandi para os assaltantes numa esquina qualquer do Rio.
Tudo é muito bonito longe da gente, mas quando o crime chega na nossa cara, a coisa muda de figura.
Vocês viram, nas favelas, as prisões que os bandidos fizeram para prender outros bandidos? Parece que eles prendem aqueles ladrõezinhos que roubam e matam para comprar droga ou para outros fins mesmo. É, ninguém gosta de ser roubado ou assassinado. Nem os bandidos.

Maurício Corrêa



2009-04-30 04:43:35

Preparando-se para os conflitos urbanos

O artigo analisa com maestria técnica uma evolução na forma de reação dos profissionais da violência (os militares de qualquer nação). Mas não procura entender as causas da violência nem resolvê-las. Estas novas formas de ação não acabarão com a violência do futuro, e podem até fazê-la recrudescer.

É preciso entender que uma das causas fundamentais da violência crescente no mundo é o Estado Dinossauro, o Estado instrumentalizado de forma cada vez mais sofisticada pelo Complexo Industrial Militar, que é a verdadeira praga do mundo moderno e pós moderno, a partir de 1850, por um Desvio Moral (nascido no Ocidente) da benéfica Revolução Industrial.

Devemos sim por fim ao Armamentismo, à Corrida Armamentista, ao projeto, fabricação, comércio,fornecimento, contrabando, de armamentos cada vez mais perfeitos, à violência militar, à Injustiça sob qualquer aspecto no
Mundo, a começar pelos poderosos.

O Ahimsa de Gandhi, sim, é que seria uma solução real, "a mais poderosa de todas as armas", única capaz de utilizar a capacidade quase infinita de adaptação do cérebro humano, e não torná-lo criador de seus próprios infortúnios, de seu próprio inferno.


Roberto F. A. Souza
2009-04-28 23:19:51

Preparando-se para os conflitos urbanos

Tirando o foco no regionalismo e analisar sob a ótica mundialista, essa nova formação de força é bem mais ampla.
Não estamos partido para uma Nova Ordem Mundial das Coisas?


Observador
2009-04-28 20:00:30

Os comunistas já prepararam o conflito na periferia

O comunismo declarou guerra aos pobres honestos, aos pobres trabalhadores que detestam bandidos, aos pobres que querem ser artistas e intelectuais de elite, aos pobres que não gostam de rap ou funk, aos pobres que não gostam de ser pobres.

O comunismo declarou guerra ao pobre que não gosta de Frei Betto, ao pobre que detesta Fidel Castro, ao pobre que odeia consciência negra e outros racismos intelectualóides.

O comunismo declarou guerra a todo pobre que ousa não ser comunista, e que sonha com uma vida livre e digna. O comunismo quer meter bala em quem não se acha vira-lata.

Essa é a verdadeira guerra urbana: a guerra que o comunismo declarou a todo pobre que odeia ser pobre.


Chamem o Capitão Nascimento, a guerra já foi declarada
2009-04-21 17:55:49

Preparando-se para os conflitos urbanos

Quem está promovendo uma verdadeira guerra urbana são as torcidas organizadas. Nossa polícia deve agir vigorosamente contra delinquentes que se acham superiores por andar em bandos. Escondem-se, dzendo que são pobres e que têm o direito de ir e vir, que não podem ser presos nm rechaçados pela polícia.

As torcidas organizadas exigem os direitos humanos para transgredirem as leis, para espancar e matar. A polícia não pode se conivente com estes bandidos disfarçados de cidadãos. Não será a escola ou o esporte que tirará esses dementes do mundo criminoso. Vândalos que depredam o patrimônio alheio e espancam pessoas na rua em nome de uma bandeira não merecem viver em nossa sociedade.

O Estado deve estar qualificado para repreender multidões violentas. Inglaterra, França e Alemanha não aliviam nada para quem depreda as ruas antes e depois de um jogo. Tanques são lançados contra os baderneiros, e muitos são presos.

Não há que compreender esses jovens perversos que transformam os estádios em campos de batalha. Violência nos estádios não é cultura popular, mas onde está a esquerda para se queixar disso?

A esquerda é contra torcidas organizadas?
Ou é conivente com qualquer aglomerado de safados?

Povo é sociedade humana que vive de acordo com as leis, não um monte de gente que sai por aí depredando e matando.


Nunes Conde
2009-04-20 17:44:12

Preparando-se para os conflitos urbanos

Ontem escutei de algumas pessoas que membros de uma poderosa facção criminosa foram presas na escola de samba Barroca da Zona Sul. Lembrei que em 2006 o Império da Casa Verde acolhia membros dessa mesma facção.
Os pobres se identificam com o crime, mas isso é um erro que nós, os pobres, deveremos aprender a não aceitar. Não é porque somos pobres que devemos aceitar ser infestados com as máculas de gente mau-caráter.
Detalhe: os membros presos dessa facção são bem brancos...e não têm cara de trombadinha ou despossuído.
Melhor a esquerda acordar enquanto ainda é tempo.


José de Abade Pajeú
2009-04-17 16:56:27

Vitória da Conquista vencida pelo medo

Vamos sair da ditadura que começou em 64, caro anônimo. No fundo você deve ter saudades do Médici, daqueles áureos tempos em que a esquerda brincava de mocinho e bandido com o "SISTEMA".

Guerra urbana seria uma guerra em que forças armadas se enfrentam. Eu fico pensando, quando dizem que os negros pobres são vítimas da violência militar, em que sentido a esquerda doente diz isso. Vamos ver: se um bandido mata um homem na subida do morro, nenhum problema. Mas quando a polícia acerta um bandido em um confronto armado, a coisa é outra, sobram advogados de Direitos Humanos se queixando da "violência policial"...

Eu já levei enquadro umas três vezes e nada de mal me ocorreu. Muito pior foi quando me assaltaram n subida da rua. Um senhor, operário e negro, viu um garoto ser assaltado no ponto de ônibus. Este senhor reagiu e espancou o larápio, chamaram a polícia e a polícia ficou sem saber o que fazer. O policial era mulato, o senhor agressor era negro, o larápio era moreno. Eles estavam em dúvida quem estava certo e quem estava errado, pode?
A esquerda conseguiu o que queria, destruiu toda idéia de justiça neste país...misturamos raça e classe social com idéia de justo e injusto, é um absurdo.

Quantos tiroteios insanos os bandidos promovem para aumentar suas bocas...e ninguém fala nada.
Todos queriam ser como o Adriano, ganhar milhões lá fora, ter loiras e carros importados, montar na grana e depois voltar para a favela com o nariz empinado, sendo recebido com rajadas de metralhadora pelos colegas...

Espero que nossa polícia seja qualificada para enfrentar a bandidagem bem nutrida e forte capaz de tocar o terror numa cidade de milhões de habitantes. Uma coisa é trombadinha, outra coisa é quem tem exército fortemente armado para enfrentar o Estado e o sistema policial. Aqui em Vitória, quem venceu até agora foi o crime.


José de Abade Pajeú
2009-04-15 23:44:27

Preparando-se para os conflitos urbanos

Revolução de 64 e implantação da República Federativa em 1968.

Em 1968, (Israel x Árabes; Vietnã, Coréia, Primavera de Praga, Tropicália, renovação étnica, outros) a República Federativa foi implantada pela ditadura militar e Golpe de Estado de 64, saindo os Estados Unidos do Brasil, percebe-se que sua principal política desde então foi a migração, política interessa a fazendeiros e empresários, mão-de-obra barata, a terra foi aberta na década de 1970, foram feios diversos loteamentos, a preferência foi fazer ao redor de empresas,(bem organizado) milhões de Nordestinos e Mineiros foram trazidos, hoje os migrante e suas gerações são maioria na região, isto é comandam a sociedade, então nas empresas você só encontrará migrantes e suas gerações, dificilmente Paulista será encontrado, Paulista e Branco é colocado para fora destas sociedades, faixa de gaza ?

Se Paulista rico e branco será aproveitado, se pobre, será excluído ou convidado, salvo melhor juízo, uma continuação das revoluções anteriores, numa cidadezinha próxima a São Paulo, por exemplo, onde cinco por cento da população trabalha, esta população é constituída por migrantes em sua maioria, é a realidade.

O que faz 95% da população? Vivem num esquema de “pedra de tropeço”, o quer dizer? Tramam dia e noite para derrubar branco e paulista, como? Usando religião, política, organizações, grupos de pressão, e principalmente a sua família, esta será usada para fins de destruição, a base deve ser destruída.

Toda política realizada nesta região será indiretamente realizada para migrantes e não paulistas.



2009-04-14 10:20:27

O Capitão Nascimento precisa fazer curso na França

Na cidade, revela o coronel Nicol, “a ameaça vem de toda parte. Cada rua, cada quarteirão pode se tornar um microteatro de operação. Às vezes, as unidades são cercadas, despedaçadas. É uma situação permanente de “duelo”, não importando o sistema de armas. Você deve tentar perceber, dentre os habitantes, qual está implicado, quem é o agente perigoso e quem não é, algo muito delicado. E você age sempre sob o olhar da mídia”.

Como um jornalista francês faz toda diferença ao efetuar uma análise ponderada e imparcial da realidade urbana! Claro, trata-se de uma análise marxista, pois considera que o exército francês reagiria a um conflito insurrecional, ou seja, reagiria a uma rebelião contra o poder estatal vigente. Mas Philippe usa a boa e velha fórmula da linguagem abstrata. Porque ao Estado, de fato, cabe a defesa da sociedade e, diante de uma insurreição, é preciso agir de modo a contê-la a manter a situação minimamente em ordem, até para que a própria solução política seja possível e viabilizável.

Mas o problema está no caso brasileiro. O que seria insurreição urbana para os jornalista do Le Monde brasileiro? Tendo em vista o que a esquerda diz sobre a guerra contra o crime organizado nos subúrbios cariocas, é possível ter um idéia muito clara: quando a esquerda considera as favelas como territórios quilombolas em processo de canudização, misturando tempos e espaços absolutamente distintos em suas categorias analíticas, a esquerda nada mais faz do que construir uma figura idealista de guerra civil, geurra civil declarada contra o pobre e marginalizado. Isto não é verdade, essa guerra civil não existe, é mitologia petralha.

O tráfico que domina as favela do Rio não é uma associação de moradores buscando a ampliação dos direitos humanos. Tráfico é tráfico. Mas os petralhas separam o inseparável: idealizam Zé Pequeno e demonizam Johnny Estrela. Zé Pequeno e Johnny Estrela são uma mesma coisa, indivíduos egoístas que usaram a sociedade como meio para viver na moleza. Mas os vermelhos acham que pobre e negro traficante possuem um aspecto mais virtuoso, porque o crime de uma pessoa pobre é crime de um bandido social. Basta ser pobre e matar alguém para ser bandido social: mas tem que confessar que roubou e matou porque era pobre. Essa é a moral da patrulha vermelha tupiniquim.

Se nossa polícia e nosso exército possuíssem um treinamento adequado para situações de confronto com o crime organizado nos centros urbanos, certamente não teríamos um número de mortos tão elevado. São salvador, Natal, São Luiz do Maranhão, Vitória da Conquista, São paulo e Rio de Janeiro precisam de tropas qualificadas para enfrentar esses delinquentes que insistem em contaminar as comunidades mais pobres com seus vícios desumanos. O crime organizado impede as pessoas pobres de escolherem opções melhores para suas vidas. O crime organizado impede o avanço da democracia e do estado de direito. O crime organizado deve ser eliminado do mapa urbano, e isso só será possível se nossos aparelhos repressores contarem com treinamento específico para tanto.


Borduna nas ratazanas
2009-04-07 16:03:45

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.