Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 26 de novembro de 2021

» Mundo em desencanto: a alternativa do Comum

» Da tabelinha futebol e literatura sai gol de letra

» A potente imaginação política do Teatro Legislativo

» O tempo de tecer comunidade

» Somos todos cavalos

» 25 de novembro de 2021

» O colonialismo digital e o convite à impotência

» A volta às aulas e a suposta “geração perdida”

» Cinema: Satyajit Ray, poeta da clareza e discrição

Rede Social


Edição francesa


» Revendications et occupations en mer de Chine méridionale

» Le Vietnam

» De la décolonisation à la troisième guerre du Vietnam

» Diaspora vietnamienne

» Vietnam, comparaisons régionales

» La libération inachevée des Afro-Américains

» L'apparition d'un nouveau type d'homme

» Une flammèche obstinée a embrasé la Guadeloupe

» Élection présidentielle américaine : des frontières, pour qui, pour quoi ?

» Bouchers roumains pour abattoirs bretons


Edição em inglês


» China is open for investment

» Colonial accountability in Niger

» In search of luxurious communism

» November: the longer view

» The carbon balance

» CO2 emissions around the world

» What's in a phone?

» If only Assange had been Navalny

» India's silent but deadly killer

» The Gulf shuts out its migrant workforce


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2021

» O tecto de vidro europeu

» E a Grécia volta a ser exemplar

» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul


Comentários sobre esse texto:

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Os Vermelhos, ah, os vermelhos...
Eles estão estratégicamente posicionados. São donos de editoras ditas "vermelhas". Mas seus donos praticam o preço de capa de suas publicações a um valor que nenhum MSTista poderia comprar. Eles só conseguem alugar ou comprar os imóveis em bairros onde só se encontra negros e nordestinos morando: Pinheiros, Vila Madalena, Vila Mariana (falo da cidade de São Paulo). Ah, e moram bem próximos de suas editoras.

Os vermelhos... fazem lançamentos dos seus livros na Livraria da Vila (uma livraria em um bairro muito pobre em São Paulo; Vila Madalena). No lançamento, empilhado de gente, não consegui identificar uma alma que pudesse se audemominar MSTista, Pedreiro, faxineiro, etc... estes que os vermelhos "lutam por eles". Mas eles não poderiam ir mesmo. Não saberiam segurar a taça de vinho, não usavam perfume importado, o ambiente ficaria fedido.

Ah, os vermelhos... essa turma do governo que os nordestinos, (os fudidos, não os Sarneis maranheses) negros da ZL, ZS, ZN, pedreiros, faxineiros, etc... aprovam o seu presidente em um índice que a oposição treme só em pensar no 85% do cabra.


Gilson B
2009-07-28 05:40:22

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Os movimentos sociais estão super bem conectados mesmo. MV Bill e Celso Athayde estão conectados à Petrobrás assim como Sérgio Vaz está conectado à Ação Educativa, e essa aos ingleses e ao lulopetismo endinheirado. Nunca antes nestepaiz a cultura periférica rendeu tanto! Vamos calcular: são 8 milhões de reais na mão de três pessoas: Raphael Brandão, Celso Athayde e MV Bill, sem contar os milhares de conhecidos dessas três figuras que acabaram pegando um pouquinho dessa grana. É uma pena que MV Bill e Celso Athayde usem o fato de serem favelados para justificar uma roubalheira dessas. Se não queriam estar conectados a essa sujeira, por que não procuraram conhecer melhor onde estavam se metendo? Não, MV Bill e Celso Athayde fizeram vista grossa para a sacanagem e se envolveram com um moleque ladrão. Como já dizia Sérgio Vaz e Eleilson Leite, roubar faz parte da periferia, não é mesmo???
Agora só falta o Renaldo Azevedo fechar o cerco sobre a Cooperifa (já que Diogo Mainardi caiu de pau em cima da CUFA).
Tomara que todas as conexões sejam descobertas, e que todos os "agitadores culturais" terminem atrás das grades. Afinal, Mv Bill e Celso Athayde sempre conviveram com traficantes numa boa, o que é um absurdo: na prisão, eles vão poder até dormir com os traficantes que eles tanto defendem.
Está na hora de rapper malandro e poeta ladrão irem para a prisão.

Nataly Cerqueira



2009-07-21 21:35:38

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

daniel,

você está a um passo da santidade, segundo a Teologia da Libertação!!

compre uma AK 47 com dinheiro das FARC, e saia atirando na cabeça de todo mundo que você acha que supostamente é beneficiado pela "mão invisível".

Ou melhor, continue apoiando o MST, coloque crianças como escudo de bárbaros indecentes. Mande as crianças fazerem o trabalho sujo, é disso que vocês gostam.

Faça isso, daniel. Mostre ao mundo quem está certo. Elimine fisicamente quem você achar que merece. Leonardo Boff e Frei Betto ensinam que "a revolução os libertará".

Mate, daniel, mate, e assim ganharás o Reino dos Ceús!! Não é isso o que vocês pensam??


Nunes Conde
2009-07-05 20:50:29

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Nunes,

Você tem liberdade do quê?

Eu não pude escolher nem meu emprego, tive que pegar o que apareceu pra sobreviver

talvez por isso não tenha essa fé toda nessa liberdade formal ideal, que não existe na vida real

to com o MST, porque liberdade mesmo, só quando não tivermos que obedecer uma mão invisível que beneficia uma minoria e exclui cada vez mais gente

essa falsa liberdade só serve pra quem ta muito bem acomodado


daniel
2009-07-03 16:32:50

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Pois saibam todos que usamos a internet para articulacao politica e estrategica com o objetivo da tomada do poder.Quando atingirmos o objetivo final, pretendemos proibir o uso da internet para todo o pais, assim como nosso comandante fez em Cuba. La,nossos companheiros nao tem acesso a nenhuma informacao para que nao possam mais conspirar contra a revolucao(incluindo ai telefones, jornais, tv, e internet) . Toda a informacao sera fornecida por nos no governo . E tenho dito. Viva la revolucion, e nosso Coma Andante!!!


arnaud
2009-06-12 03:05:39

Conectar-se às piores coisas para ganhar alguma fama

Um dos problemas mais sérios hoje é a maneira como a esquerdapatia vem tomando certos movimentos criminosos como expressões de rebeldia civil. O exemplo mais atual dessa demência da esquerda é a ligação que os comunistas fazem do tráfico de drogas carioca com Canudos ou Quilombo dos Palmares. É extremamente perigoso o que muitos sociólogos e antropólogos fazem com o dinheiro público, quando formulam textos pretendendo mostrar que os narcotraficantes nada mais seriam do que cidadãos rebelados contra o sistema capitalista ocidental.

Leandro Sapucahy é um artista muito famoso por sua canção "Polícia e Bandido", que poderia ser comparada com "Soldado do Morro" de MV Bill, no quesito "como legitimar a bandidagem".
Quem tiver estômago para tolerar essas apologias do crime organizado, deve ler também os famosos romances de Ferréz "Manual Prático do Ódio" e "Capão Pecado". Imagina-se que esses artistas não só desejam legitimar as atividades ilícitas e desumanas dos narcotraficantes e assaltantes como, também, criar gêneros artísticos específicos para essa função.

O pior de tudo é que a Cooperifa não deixa de estar nesse bonde (no sentido funk da palavra). Ao exibir filmes sobre o tráfico de drogas e os Panteras Negras, o criador da Coop. e seus discípulos pretendem passar a imagem de que a criminalidade é um lado cruel da vida, cruel porém necessário, pois é dessa forma que, num primeiro momento, os pobres podem tomar consciência de sua "condição marginalizada", como diria um jornalista do Le Monde.
Ou seja, ser Pantera Negra é ter consciência da raça negra e representar a luta armada que caberia aos pobres, segundo o que a Cooperifa apresenta. Ou seja, se alguém é pobre e negro, deve se armar a matar policiais, segundo esse pensamento periférico.

Todavia, de que adiantam as palavras, quando esses artistas podem, a qualquer momento, explodir na mídia, dizendo que são vítimas de preconceito e intolerância? A sociedade é obrigada a tolerar canções e livros que cantem as glórias e mazelas da bandidagem; mas a mesma sociedade não pode contestar esses que dizem ser a voz das ruas? É estranho como o poder do maligno pode assumir a face da marginalidade mendiga e, no instante seguinte, mostrar seu fuzil de marginal bandido. É uma estratégia de marketing que joga com os dois lados da pobreza (mendicância e bandidagem), para manipular o imaginário popular.

Essa é a retórica estratégica que estrutura essa "apologia do crime" em "arte periférica":

- basta ser pobre e defender ou legitimar a criminalidade para ser artista;
- basta parecer mendigo para receber atenção e verbas públicas;
- basta parecer criminoso para hastear a bandeira da bandidagem e dizer que tudo lhes pertence.

Por um lado, mendigos, pobres miseráveis, sem forças, dignos de caridade e cuidados da sociedade civil e do Estado; por outro, bandidos, foras-da-lei, anarquistas, antisociais, contra a cultura burguesa pela cultura, tão pobre quanto a burguesa, da periferia.

São movimentos sociais conectados, cujos nexos vinculantes são todas essas idéias que compõem o imaginário sobre a e da periferia, imaginário este do mendigo e do bandido, que esses artistas exploram para ganhar fama e renome e, com isso, poder político, não para transformar as relações sociais, mas tão somente para invertê-las, com todas as suas iniquidades, a favor de seu pequeno grupo de participantes.


Nabuco, J.
2009-06-04 22:19:17

Movimentos baderneiros associados: está sobrando dinheiro do Governo Federal

As palavras não me assustam. Mais do que isso: católico, conheço os homens mais por meio de obras do que de palavras. Os que despejam cotidianamente as suas lágrimas na imprensa em defesa dos pobres, dos oprimidos, dos excluídos ou do governo operário serão mesmo mais humanistas do que eu? Basta que o sujeito transforme a sua consciência culpada numa peça de acusação das desigualdades brasileiras para que ganhe um lugar no céu dos que defendem a justiça social? A maioria de nossos “pobristas” é patética. Sua própria rotina diária serviria para ilustrar uma das letras de Mano Brown. O burguês ou pequeno-burguês sensível acredita que basta fazer justiça com o próprio teclado. Quer, por exemplo, “ouvir a voz da periferia”. Eu digo com todas as letras: eu não quero. Acho que a periferia precisa de escola, luz elétrica, esgoto tratado. Para que possa aprender os códigos do centro. Essa conversa de pobre falar enquanto pobre; de periferia, enquanto periferia; de favela, enquanto favela é uma das coisas mais reacionárias e estúpidas que ganharam a mídia nos últimos tempos.

Não é marxismo, não é liberalismo, não é nada. Trata-se apenas de uma bobagem de integrados flertando com o apocalipse. Quer coisa mais patética do que a psicanalista petista Maria Rita Kehl, no Roda Viva, tentando fazer de Mano Brown o representante de um corpo teórico, de uma corrente de pensamento, de uma categoria analítica quando, visivelmente, ele não queria representar nada e ninguém? Como deixou muito claro, aquilo que ele faz é só rap, é uma opção de mercado, com a qual ganha dinheiro e vive em condições muito superiores — ele o revelou — à de seus supostos representados. Ah, mas o seu olhar encantado de Kehl lembrava ou o de uma européia vendo um “ameríndio” pela primeira vez ou o do crente diante da epifania. Entendo: apelar à barbárie, ao caos e à desordem virou a última e única saída das esquerdas.


Chamem o Capitão Nascimento, a guerra já foi declarada
2009-05-19 03:03:23

Onde estão os caveirões?

Precisamos enfrentar o que está acontecendo. Artistas e mais artistas defendem o tráfico de drogas nas comunidades carentes, como se o banditismo fosse a melhor forma de resist6encia às atrocidades cometidas pelo neoliberalismo. Infelizmente, esses mesmos artistas não entendem o quão neoliberais são os criminosos de bermuda e chinelo.

Eu me pergunto por quanto tempo os governos de Rio e São Paulo serão coniventes com as grandes quadrilhas que infestam as favelas, prejudicando moradores pobres e inocentes que ali habitam por infortúnio do destino. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, vem enfrentando problemas porque, ao querer retirar moradores das favelas, os mesmos vem sendo molestados por traficantes, que querem a continuação das áreas favelizadas. Lógico, para o tráfico, zonas sem infra-estrutura são essenciais para seu negócio ilegal e imoral.

Onde estão os caveirões para proteger a população? Onde estão os homens de farda preta e fuzil para vingar a morte de centena de milhares de mortos pelos criminosos? Justiça seja feita. Precisamos apoiar a polícia e a polícia deve aprender a respeitar os cidadãos de bem e enfrentar os indecentes que se fingem de pobres só para ganhar dinheiro com o trafico de entorpecentes. Polícia e sociedade civil devem se unir na luta contra o crime. Chega de ter piedade de bandido que não perdoa nunca.


Carlos Bona
2009-05-16 18:45:16

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Eu sempre fui uma trabalhadora muito esforçada e sempre encontrei muitos problemas de exploração nos meus trabalhos. Os maiores problemas eram meus colegas, mais pobres do que eu, querendo levar vantagem em cima de todo mundo. Pobre se acha sempre no direito de passar a perna nos outros.

Quando eu pensava que no mundo da cultura era diferente. fui enganada pelos lobos maus da cultura. Rappers, atores, poetas, escritores, tudo farinha do mesmo saco: pobre se achando mais do que os outros. Não sei, A Cooperifa, o Sarau na Brasa, Marcelino Freire, Mano Brown, Ferréz, é incrível, todos esses caras conectados nas rádios, na mídia e na internet, ganhando verbas daqui e dali e produzindo..."arte do oprimido".

Mas é uma arte do oprimido que oprime, que não aceita diferenças, e que está sempre disposta a apontar o dedo para a cara de alguém e dizer bem alto: "Voc e é um arrogante, um conservador, um elitista". Engraçado, eles não gritam assim com bandido...tenho certeza que eles nunca gritariam assim com Lampião.

Marcelino e Sérgio Vaz têm aquela queda por homens fortes e nervosos, que cresceram nas ruas e são sempre violentos só contra os burgueses. Estranho...se você se deixar levar pela conversa de Marcelino e Sérgio, com certeza vai começar a achar que bandido não agride gente pobre. Eles são bons no que fazem, eles fazem a gente crer em ilusão de que bandido é bonzinho.

Ferréz e Mano Brown fazem questão de cumprimentar todo mundo na rua. E não cumprimenta para você ver! Todo mundo tem que ficar pianinho perto deles, porque eles são as vítimas do sistema, os últimos resistentes. E haja conta no banco!!

Elizete Cardoso, que diva maravilhosa, que voz, que orgulho de ouvir aquela mulher...mas aí aparecem as cantoras da periferia, requebrando os quadris e erguendo seus topetes black power, falando palavrões e querendo que a burguesia se fo@#...

Uma pena que a periferia está deixando os tambores pagos pelo Vaivai da prefeitura tomar conta da Brasilândia, com permissão vocês sabem de quem não...

E é tão hipócrita o Sérgio Vaz falar que a cultura está na cabeça do povo, quando ele mesmo diz que ninguém está lendo e que o povo não tem cultura... é o Sérgio tem que se conectar com o governo Lula já já...

Nossas crianças, se a literatura periférica se conectar com o MST, com a Eliane Brum, com o Chico Pinheiro (que mulher linda a Carla), vão ter que ler Capão Pecado no colegial, e nem vão precisar ler pro vestibular, porque se depender dessa gangue, quem passou no vestibular vai ser expulso a chicotadas das federais para dar lugar às cotas para negros, pardos, azuis, amarelos, corinthianos, palmeirenses, santistas, gays, lésbicas, simpatizantes, ongueiros...

é, eu que fiz errado de trabalhar e ser uma mulher bissexual honesta e que nunca reivindiquei nada pela minha cor e pela minha altura...

errada fui eu. devia ter me casado com um bandido e ser bailarina de funk, amiga de ongueiro e de dono de associação cultural.

porque os próprios pobres acham que uma mulher pobre não pode ser inteligente como eu, ou que, se for inteligente, tem que trabalhar em porcaria de serviço comunitário. Só se me pagar em libra esterlina e euro!!


Marluce Vargas Freitas
2009-05-13 01:05:14

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

O ressurgimento do grupo que espalhou o terror pelo Peru nos anos 80 e 90 ameaça desatar um novo conflito em algumas regiões do país. Fortalecidos pela associação com o narcotráfico, remanescentes da guerrilha Sendero Luminoso voltaram a agir principalmente no Vale dos Rios Apurimac e Ene - conhecido como VRAE . Seu objetivo não é mais substituir as "instituições burguesas" por um regime comunista camponês, como no passado. Nos últimos meses, porém, seus líderes estão tentando revalorizar o componente ideológico do grupo para dar ares de "guerra popular" ao que hoje não passa de uma luta pelas rotas da droga.
O nome da operação que o governo peruano pôs em prática para combater o novo Sendero no VRAE é "Excelência 777". Trata-se da maior operação militar da última década no Peru. Ela começou em agosto, mas nos últimos meses ficou clara a necessidade de mais investimentos. Desde janeiro, 32 militares já morreram em 11 emboscadas na região. Na sexta-feira, no mais recente ataque, dois militares foram mortos por senderistas nas selvas do Peru. O chefe do Exército, Otto Guibovich, admitiu que o número de integrantes do Sendero pode chegar a 600 - o dobro do que as autoridades reconheciam até então.
"O Sendero Luminoso conseguiu mudar sua relação com a população e está avançando tanto que lembra as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)", disse Guibovich em abril. "Não descarto que haja uma relação com esse grupo, as técnicas empregadas são muito parecidas."
De inspiração maoista, na esteira da proliferações de guerrilhas na região durante a Guerra Fria, o Sendero ganhou fama como a mais feroz e sanguinária organização revolucionária da América Latina (mais informações nesta página). Chegou a ter 10 mil integrantes e foi responsável por mais de 35 mil mortes entre 1980 e 1999 - uma média de 5 assassinatos por dia.


Nunes Conde
2009-05-11 17:56:50

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Excelente notícia! O MST é um dos mais importantes, senão o mais importante, do Brasil.
A interação com os Zapatistas, com certeza, suavizará o discurso do MST, às vezes excessivamente agressivo. Não que não haja razões para revolta, mas agressividade não angaria solidariedade.


Roberto Locatelli
2009-05-10 18:17:13

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Uma saída alternativa é acreditar na social-democracia conforme ela apareceu na década de 80. Mas isso, tenho certeza, custará muito caro à esquerda, pois o pensamento vermelho não coaduna com a essência da democracia, que é o respeito às diferenças. Todos deveremos portar um brasão da justiça histórica no peito, ou nos mudarmos para os Estados Unidos, para lavar pratos nos restaurantes mexicanos ou chineses.
Por que a esquerda não se revolta contra a escravidão praticada pelos coreanos contra os bolivianos em São Paulo?



2009-05-09 15:22:59

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Amigos, o que está acontecendo com a página do LMD? Ela parece um tanto abandonada. Spams nas caixas de comentários, textos antiquissimos, falta de atualização... Bom, falo pq acompanho a página faz tempo, e nunca a vi assim tão caidinha.
Bjs da Lana



2009-05-08 16:58:51

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Meu caro Nunes, como vai?

Não tenho palavras para descrever o tão preconceituoso e calunioso você se demonstrou. Mas não posso dizer que não é corajoso, pois escrever o que escreveu sem provas é pra quem tem muita coragem. Enfim, não "gostar" do PT vai lá... mas generalizar a esquerda como "vermelhada" é no mínimo infantil.
Penso que nossos discursos devem mudar, assim como o mundo está mudando. Temos que admitir que esse modelo que ai está, só traz beneficios para uma minoria, enquanto outros sonham com a possibilidade de se juntar a ela.... Não sei se você ainda acredita no estilo de vida americano, mas não podemos negar que o mundo é outro e estamos em meio a um processo histórico importantissímo que vamos nos dar conta somente mais tarde. Em todo caso fica meu conselho, não seja tão preconceituoso e vamos botar a "cachola" pra pensar em uma saída alternativa.


Eduardo Thomaz
2009-05-06 23:07:21

Nunca antes neste país a esquerda cumpriu tanto sua agenda

Caro Igor,

afirmar que o Pt é de esquerda não é bobagem. O PT é de esquerda, basta analisar as falas muito bem calculadas do presidente Lula. O nosso presidente fala o que o povo quer escutar, e sua popularidade está nas alturas em razão da expertise de sua demagogia. Não me venham dizer que o PT não é de esquerda. As alianças do PC do B com o PMDB no Rio de Janeiro mostram que a vermelhada age sempre como o lado demagógico, populista, da política brasileira.
A esquerda está cumprindo sua agenda à risca: tudo para povo, em nome do povo e pelo povo. O PT quer agora uma mulher ex-guerrilheira no governo da república. Joquim Barbosa (já elogiado por mim pela coragem), pode se candidatar mais à frente. Será o governo do Brasil dirigido pelas "minorias oprimidas".Como dizer que o PT não é daquela esquerda sórdida, ladra, malandra?
O PT não é só da esquerda, o PT é do crime também. Infelizmente, nossos pobres e explorados estão muito mal representados pelo lado esquerdo, da astúcia.


Nunes Conde
2009-05-04 18:42:14

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Só um desinformado afirmaria que o PT é de esquerda! Olhe o tamanho da dívida pública, olhe o desmonte enfatizado no início do mandato de Lula, olha a importância que têm o capital fictício em detrimento do produtivo, etc.
E dizer que o PT quer transformar o MST numa guerrilha para que este torne-se heróico é uma bobagem tamanha. Com um presidente que tem grande aprovação popular por seu simbolismo, qualquer movimento que o contrarie não será bem visto. E se o MST o contrariar não virará herói de jeito nenhum, mas vilão !


Igor
2009-05-04 18:14:28

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

Esse ou essa(?)Nunes Conde presisa se libertar da Escola Alemã Marxóloga e se igualizar aos que souberam resistir aos impetuosos, ambiciosos e esfomiados do lucro capital dos que insistem dividir o mundo em Direita e Esquerda, esquecendo a Igualdade Social, com distribuição de Renda para todos, empregabilidade e desenvolvimento que contibua de igual modo aos povos amantes da Liberdade sem prescindir da Igualdade. Afirmo isso se é que entendi mesmo sua exegese social.
O artigo bem que poderia publicar os sites dos movimentos sociais analisados. Seria bom beber o leite na fonte...


PROF. TUITI
2009-05-02 15:09:54

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

A preocupação maior é com essa conexão entre movimento social, tática de guerrilha e algazarra generalizada. Muita gente de bom participa de movimentos sociais bem organizados e pacíficos, e acaba sendo confundida com baderneiros de plantão.


Miriam Ramos
2009-05-01 16:45:39

Movimentos sociais conectados: o MST e o Exército Zapatista

A preocupação maior é com essa conexão entre movimento social, tática de guerrilha e algazarra generalizada. Muita gente de bem participa de movimentos sociais bem organizados e pacíficos, e acaba sendo confundida com esses baderneiros de plantão. Acho que a sociedade deveria aprender a separar o joio do trigo.


Miriam Ramos
2009-05-01 16:45:27

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.