Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Um caixão grávido de luz

» Uma alternativa ao Projeto do Veneno

» Ciência no Brasil: entre “inovacionismo” e declínio

» A banalização da violência doméstica

» Relações Internacionais: um olhar marxista

» O trabalho do tempo

» Direito ao aborto na Argentina: Vencemos!

» Economia, ciência esotérica?

» O desastre urbano e os despertares

» Renasce o cinema italiano

Rede Social


Edição francesa


» Marchandage territorial au Swaziland

» Comment les fortes fluctuations du prix du sucre pénalisent les pays sous-développés exportateurs

» Deux visions opposées de l'avenir du socialisme

» Tentation et peur de l'histoire

» Innovation technologique et fonction sociale

» Et si on commençait la démondialisation financière ?

» Révolution sociale au Kirghizstan ?

» L'Etat norvégien protecteur de la culture

» La faute aux Britanniques…

» Les usagers financent l'entrée en Bourse des transports berlinois


Edição em inglês


» Ayn Rand's Promethean myth

» Iranians can't wait till 2020

» The legacy of infinite war

» The entropy wars

» Journalism in the age of Trump

» Meat goes out of style

» Where did you go to college, Daddy?

» How Morales stays in power

» Waiting in line to reach the dream

» Silicon Valley funds our helpless future


Edição portuguesa


» Que alterglobalismo?

» Atolamento saudita no Iémen

» Escalada

» Edição de Agosto de 2018

» Na construção do senso comum

» A fábula do 31 de Agosto de 2013

» Edição de Julho de 2018

» A divergência europeia

» O capricho do príncipe

» Edição de Junho de 2018


Comentários sobre esse texto:

Teoria Geral da Relatividade, 94 anos

Quando crescer queria ser alguém como Eistein!


G-lune’S
2010-04-02 04:13:25

Teoria Geral da Relatividade, 94 anos

há um poema muito interessante, eleonora, que poderia ter sido escrito por galileu/newton/planck/eistein.

atravesso devagar teu nada
essa abstração do espaço
ocupado pela aparência inercial
nú das noções de conteúdo
como criatura que vive alhures
contemplativa dessa solidão
para que me vejas com nitidez
o mesmo ser o único menestrel
e então se não fores atemporal
uma só vez ao menos poderá me ver
e retornar antes mesmo eu tenha partido
desta vez menos devagar a tua visão
e ainda assim te atravessar.

de todos eles mas principalmente eistein nada ao longo da teoria teria um valor por enquanto absoluto na sua relatividade, não fosse a presença do elemento mais importante, o efetivamente absoluto na acepção mais ampla do termo: o observador! em quaisquer das hipóteses, como diz no poema, é ele o fundamento universal, talvez no dizer de arquimedes, a alavanca, única, do conceito teórico.

no trem, no navio, em um ponto qualquer do espaço/tempo, sempre estará ele a materializar a afirmação da teoria, senão a sua proposição.

certamente que a relatividade aguçou nosso papel como observador,contudo este muito pouco contribuiu para um novo modo de ver ao nosso redor. alguns de nós vimos einstein e sua teoria, mas como que o reafirmando, ele e sua teoria, para milhões de criaturas, continuará sendo um ilustre desconhecido.

o aquecimento apenas veio comprovar nosso desprezo pelas teorias e como, também, a figura do observador foi satirizada.

as duas bombas, a constância da guerra as maldades comuns e o próprio senso comum sobre essa sorte de fatos, apenas se comportam como fotons e pouco a pouco estamos nos encaminhando para o encontro com a parte final da curvatura.

imagino que einstein deva ter se feito muitas reflexões ao ler a carta de galileu para fortunio,e talvez quando tenha escrito ao presidente, o tenha feito quase como um mea culpa, e mesmo assim, com uma secreta ponta de orgulho íntimo por ver na prática a sua equação mais dileta.



2010-03-24 14:03:39


Título:

Texto da sua mensagem:

(Para criar parágrafos, basta deixar linhas em branco.)

Quem é você? (opcional)

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.