Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 12 de agosto de 2022

» Nos arquivos soviéticos, a vida real sob Stálin

» Propostas agroecológicas para o novo governo Lula

» Crônica: Influências

» Conversas entre a psicanálise e a terapia psicodélica

» Ab’Sáber: Caetano Veloso do transe à transa e depois

» 11 de agosto de 2022

» O capitalismo à beira da Grande Estagflação

» Entre ver estrelas e apagar pessoas

» Os possíveis estertores do neoliberalismo autoritário

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique du Sud lassée de ses libérateurs

» Le rêve américain au miroir du basket-ball

» Minsk se rebiffe contre le grand frère russe

» L'agriculture biologique dans l'Union Européenne

» Retrouver le rire de Bertolt Brecht

» En campagne avec les troupes de Jeremy Corbyn

» Au Chiapas, la révolution s'obstine

» Profession : député

» La civilisation de la tomate

» Le capitalisme raconté par le ketchup


Edição em inglês


» America's ageing nuclear facilities

» Julian Assange, unequal before the law

» Wuhan: the Covid diary

» The high price of becoming a student in Russia

» Why Parisians fear and loathe Saint-Denis

» Kosovo's problematic special status

» Summer in Moldova: will the party have to stop?

» Three little letters the world came to hate: IMF

» Will the FARC accords finally work under Petro?

» A tiny piece of Palestine, not quite forgotten


Edição portuguesa


» Dos lucros dos oligarcas aos vistos dos pobres

» Em defesa da água e do futuro do Algarve

» A escrita delas, África em Portugal (ou Donde sou)

» Vozes femininas e o livre imaginar

» O Comité de Salvamento Privado

» A burguesia francesa recompõe-se em Versalhes

» Que país pode ser independente?

» O fim do desencanto para os ex-guerrilheiros?

» Acarinhar Pinochet, destruir Assange

» Ardósia mágica


Comentários sobre esse texto:

A violência no aconchego do lar

Não é ele quem tem o poder. É vc! Vc tem todo o poder da sair desse inferno, já! Passei pela terrível experiência de ter um namorado que me agredia psicologicamente. Tenho traumas até hj, mesmo já tendo passado quase um ano do fim do namoro. Mas o que importa é que consegui com a minha força e a de meus amigos e parentes, sair dessa. Hj estou muito feliz só de pensar que aquele inferno já é passado e que nunca mais ele vai poder me fazer mal. Bom sorte, tu consegue sair disso. Não queira que seu filho cresça vendo tanto horror contra a mãe dele.


Site: A violência no aconchego do lar

2007-03-12 06:06:15

A violência no aconchego do lar

Sou bancária, 29 anos um filho de 01 ano e seis meses fruto de um relacionamento de 03 anos. As agressoes pelo meu companheiro começaram apos o sexto mes de gravidez, mesmo sendo o que ele mais queria. O primeiro sinal de violencia ele cometeu contra uma filhote de Lhasa apso de seis meses que eu tinha. Ele a pendurou no varal de roupas em plena madrugada debaixo de chuva. Acordei com seus ganidos a retirei de la a sequei e passei o resto da noite chorando enquanto ele ria ironicamente. Depois que nosso filho nasceu, tivemos uma discussao muito grave ainda no meu periodo pos operatorio, o que na minha concepção foi pura traiçao e falta de respeito ... e mesmo assim continuamos juntos ... mas agora, sao suas palavras que me maltratam, suas atitudes desleixadas e a falta de respeito por mim que me apavoram, e mesmo eu, com curso superior, bem esclarecida e independente financeiramente ainda nao consegui dar um basta nisso. Qual é o poder dele?!



2006-11-25 19:54:02

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.