Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Oito teses sobre a Revolução Feminista

» As feridas da Guerra com Paraguai ainda latejam

» A última chance de salvar Julian Assange

» Quando a polícia bandida quer mandar na sociedade

» Zé do Caixão, herói do Cinema Popular Brasileiro

» Poderá Francisco salvar a Economia e o planeta?

» Auschwitz: os portões da memória ainda abertos

» As democracias engolidas e o erro de Piketty

» Eles lutam por todos nós

» Paulo Guedes, o bravateiro velhaco

Rede Social


Edição francesa


» Les échecs de la démocratisation et le lourd héritage de M. Moubarak

» Les paradoxes d'un régime libéré de l'héritage nassérien

» Départ sans gloire pour M. Anthony Blair

» Précurseurs et alliés du nazisme aux Etats-Unis

» Une Internationale… de la santé

» Wal-Mart à l'assaut du monde

» Réalité en quête de fictions

» Émergence d'une voix africaine

» L'astrologie, la gauche et la science

» L'Afrique conteste en rap


Edição em inglês


» Sinn Féin and the Irish elections

» The future of democracy in India

» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


Comentários sobre esse texto:

A violência no aconchego do lar

Não é ele quem tem o poder. É vc! Vc tem todo o poder da sair desse inferno, já! Passei pela terrível experiência de ter um namorado que me agredia psicologicamente. Tenho traumas até hj, mesmo já tendo passado quase um ano do fim do namoro. Mas o que importa é que consegui com a minha força e a de meus amigos e parentes, sair dessa. Hj estou muito feliz só de pensar que aquele inferno já é passado e que nunca mais ele vai poder me fazer mal. Bom sorte, tu consegue sair disso. Não queira que seu filho cresça vendo tanto horror contra a mãe dele.


Site: A violência no aconchego do lar

2007-03-12 06:06:15

A violência no aconchego do lar

Sou bancária, 29 anos um filho de 01 ano e seis meses fruto de um relacionamento de 03 anos. As agressoes pelo meu companheiro começaram apos o sexto mes de gravidez, mesmo sendo o que ele mais queria. O primeiro sinal de violencia ele cometeu contra uma filhote de Lhasa apso de seis meses que eu tinha. Ele a pendurou no varal de roupas em plena madrugada debaixo de chuva. Acordei com seus ganidos a retirei de la a sequei e passei o resto da noite chorando enquanto ele ria ironicamente. Depois que nosso filho nasceu, tivemos uma discussao muito grave ainda no meu periodo pos operatorio, o que na minha concepção foi pura traiçao e falta de respeito ... e mesmo assim continuamos juntos ... mas agora, sao suas palavras que me maltratam, suas atitudes desleixadas e a falta de respeito por mim que me apavoram, e mesmo eu, com curso superior, bem esclarecida e independente financeiramente ainda nao consegui dar um basta nisso. Qual é o poder dele?!



2006-11-25 19:54:02

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.