Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» « Il Manifesto », le prix de l'engagement

» Des treillis sous les blouses blanches

» Hanoï s'étend vers l'ouest

» Contourner et désenclaver Anvers

» « La France gesticule… mais ne dit rien »

» Russie, un territoire à géographie variable

» Démographie et richesse en Russie, les grands déséquilibres

» J'ai assisté à la montée du nazisme

» L'Afghanistan ne croit pas à la paix

» La jeunesse burkinabé bouscule la « Françafrique »


Edição em inglês


» January: the longer view

» Mutual suspicion in Greece's borderlands

» Border tensions

» Disunited States of America

» The British monarchy's smoke and mirrors

» UK Brexiteers' libertarian goal

» Time to reform the Peruvian system

» Russia's attempted return to Africa

» ASEAN's diplomatic triumph

» When Algerians took to the streets


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários

» A amarga vitória democrata

» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal


Comentários sobre esse texto:

As vantagens do decrescimento

Pela primeira vez encontro alguma discussão sobre a desaceleração do que chamam crescimento econômico.

Que bom!

Acontece que não encontrei reflexão alguma sobre a diminuição do que chamo "pulsão de reprodução" ou seja, a substituição do " crescei e multiplicai-vos" por " cuidai-vos e adotai-vos".

Em suma, quais são as condições para a humanidade arrefecer o rítmo procriativo, levando-se em conta uma não desigualdade entre paisse, regiões e classes? Será isto possível?

Imprescível diria eu.

Com certeza, neste campo, não iremos esbarrar somente nos economistas e sim em todo o etnocentrismo metafísico humano amparado por uma pulsão sexual / reprodutiva que Marx assinalou como central em qualquer ser vivo - se fazer vivo alimentando-se e cuidando-se como pode e se reproduzindo.

Acho que qualquer desconstrução desenvolvimentista passa por esta discussão, que envolve um ponto nevrálgico : a sustentabildade da vida humana, a produção da vida no Planeta e sua importância no universo.


Juão Tavares
2007-11-28 13:37:47

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.