logo

abril 2007



PRECARIZAÇÃO

O preço do trabalho na França

O mito de que os assalariados europeus são bem-remunerados não resiste à análise dos números


Michel Husson

Em 2002, a metade dos assalariados (com exceção dos assalariados do Estado) ganhava um salário médio de menos de 1.220 euros por mês.

• Esse salário líquido mediano era de 1.360 euros por mês para os homens e 1.054 euros para as mulheres, com uma diferença de 22,5%.

• Um terço dos assalariados ganhava menos que o salário-mínimo (SMIC [1]) mensal líquido (936 euros).

• 10% dos assalariados ganhavam menos de 182 euros por mês.

• 20%, menos de 512 euros.

• 30%, menos de 869 euros.

• 40%, menos de 1.064 euros.

Em 2005, o custo do trabalho na indústria foi um pouco mais baixo na França que no Reino Unido (–4%) e na Bélgica (–2%). Porém, mais elevado que na Holanda (+2 %) e na Alemanha (+4%). Os salários franceses situam-se em patamar próximo ao dos países europeus cujo nível de desenvolvimento é comparável.

Fontes: Conselho do Emprego, da Renda e da Coesão Social (CERC), La France en transition 1993-2005, La Documentation française, Paris, 2006; Agência Estatística das Comunidades Européias – Eurostat.

Tradução: Leonardo Teixeira da Rocha leorocha2003@yahoo.com.br

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

Trabalhar mais, para ganhar menos Um balanço da políticas neoliberais "de emprego" na França revela: além de rebaixarem salários, elas ampliaram as diferenças de rendimento entre homens e mulheres, a precariedade e a necessidade de trabalhos complementares. Que mais será preciso para uma mudança de rumos?

Estamos condenados aos salários? Um documentário catalão explora, além da crítica à mercantilização do trabalho, alternativas para um mundo em que se consuma de forma consciente e se reserve tempo e energia para o que de fato vale a pena...

[1] SMIC é a sigla, na França, de Salário Mínimo Interprofissional de Crescimento), reajustado todos os anos, em 1º de julho. O valor atual bruto do SMIC é 8,27 euros por hora. Numa jornada de 35 horas por semana, equivale a 1.254,28 euros mensais brutos. (Nota da edição brasileira)