logo

maio 2007



VIOLÊNCIA

Como os EUA cultivam a impunidade

No trecho abaixo, extraído de Dining with Terrorists, Phil Rees destaca a ação da Casa Branca para livrar os soldados norte-americanos do Tribunal Penal Internacional, que julga crimes de guerra


Phil Rees

“Em 1998, os representantes dos países-membros da ONU reuniram-se em Roma e adotaram um tratado que estabelece uma jurisdição mundial para julgar os crimes de guerra, os contra a humanidade e os genocídios. Apenas um governo importante recusou-se a ratificar o tratado: os Estados Unidos. A legislação (o American Service-Members’ Protection Act de 2001) impede os norte-americanos de colaborarem com o tribunal e autoriza o presidente a “recorrer a todos os meios necessários e apropriados para obter a libertação de membros dos Estados Unidos, ou assimilados, detidos contra sua vontade pelo Tribunal Penal Internacional”. Os EUA privaram de qualquer ajuda dezenas de países que recusaram admitir a imunidade dos soldados norte-americanos acusados de crimes de guerra. E por outro lado, Washington assinou acordos bilaterais com aproximadamente uma centena de governos que isentam de perseguição os soldados americanos e assimilados.

"A ’guerra contra o terrorismo’ modificou a paisagem jurídica internacional e tornou legítimo recorrer aos tribunais militares para se fazer justiça, ao invés dos tribunais civis de vocação internacional. Agora, não temos mais relações com a uma guarda internacional encarregada de fazer reinar a justiça, mas com um exército ‘mundial’ dirigido pela América do Norte que se bate contra o Mal".

(Dining with Terrorists, página 176.

Tradução: Elisa Buzzo
elisabuzzo@gmail.com

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

O Bem, o Mal e o Terrorismo
Quatro livros recém-lançados examinam o recurso à violência pessoal, a pretexto de obter reivindicações políticas. Entre os debates necessários, uma pergunta incômoda: que distingue o terror dos "inimigos" do que é praticado pelos "aliados"?

Quem são os recutas da Al-Qaeda
Entre sua origem, nos anos 1990, e hoje, a rede terrorista mudou o perfil de seus adeptos, revela Laurence Wright neste trecho de O vulto das Torres

As novas obras sobre o terrorismo