logo

fevereiro 2008



OUTROS CINEMAS

Hou Hsiao Hsien celebra a criação

Em Le Voyage du Ballon Rouge, novo filme do diretor chinês, os artistas são trabalhadores comuns, que andam pelas ruas, fazem compras, pagam aluguel. Mas uma série de surpresas estéticas sugere quanto é singular o seu ofício: propor outras formas, ousadas e inventivas, de enxergar o mundo e a vida


Bruno Carmelo

Toda obra de arte implica um grande trabalho anterior à sua conclusão: para o filme existem as filmagens, a montagem, os truques; para o teatro, o texto e os ensaios; para a pintura, o processo do desenho, das cores, das tintas... O novo filme de Hou Hsiao Hsien dedica-se justamente a mostrar o dia-a-dia da arte.

Nele, Juliette Binoche interpreta uma marionetista extremamente atarefada, que contrata uma babá chinesa, estudante de cinema, para cuidar de seu filho pequeno, Simon. O ambiente dessa casa é dominado pela arte: a mãe treina com sua marionetes, a babá segue Simon com sua indissociável câmera de vídeo, enquanto este tem aulas de piano.

Os três, por sua vez, são seguidos por um grande balão vermelho que passeia livremente por Paris: ele anda pelos parques, por dentro do metrô e assiste constantemente à vida desses três personagens através da janela. A primeira cena em que vemos o balão é um tanto ousada: ele nós é mostrado de perto, de longe, rodando, tomando a cidade... é um objeto presente mas que circula entre os homens sem ser notado. Ele é, junto do nosso trio de protagonistas, uma verdadeiro personagem.

Como bom personagem, ele também passa por suas “transformações”. Dessa primeira cena poética e verossímil, a babá nos revela, em seu computador, o truque de um curta-metragem que ela faz e que, logicamente, chama-se “o balão vermelho”: o balão nunca esteve lá. Com a dificuldade de acompanhar a trajetória imprevisível do objeto, a câmera filma livremente a cidade e o balão é inserido posteriormente, por computador. Trata-se simplesmente de um truque.

JPEG - 15.2 KB
"O ambiente dessa casa é dominado pela arte: a mãe treina com sua marionetes, a babá segue Simon com sua indissociável câmera de vídeo, enquanto este tem aulas de piano."

Essa revelação do curta-metragem, que é logicamente a mesma do filme que o contém, tem por finalidade explicitar o mecanismo da arte, os artifícios técnicos do processo artístico. Para as aulas de piano, há cenas do grande instrumento sendo aberto e afinado; para as marionetes, ensaios e consertos (“cuidado porque tua mão está aparecendo”, ouve-se). Hsiao Hsien parece nos dizer que toda bela obra de arte deve ser compreendida em seu processo de fabricação, do uso de instrumentos à implicação do artista.

Nada da imagem do gênio perturbado e excluído do mundo. No filme, a arte faz parte de uma rotina normal; o artista conta não por seu ego, mas pela inventividade do que enxerga

Quanto a este criador da obra de arte, pode-se dizer que o diretor toma o cuidado de tratá-lo como um trabalhador comum, esforçado. Nada da imagem do gênio perturbado e excluído do mundo: na Voyage do Ballon Rouge, a arte faz parte de uma rotina normal. Os artistas são vistos andando pelas ruas, fazendo compras, pagando o aluguel, num cotidiano que, pelos olhos de Hsiao Hsien, é sempre barulhento e caótico. Para intensificar essa opção, o diretor apela para um uso muito especial de som e imagem.

Primeiro, pode-se dizer que sua câmera está sempre distante dos personagens. Contra a quase obrigação do cinema moderno, de contextualizar os personagens através de imagens de rostos e expressões, o filme toma a liberdade de se afastar e observá-los num conjunto, no movimento de seus corpos mais que nas expressões do rosto.

Seus enquadramentos, igualmente, optam por um intermediário entre a imagem estática e o travelling (movimento da câmera): nosso personagens são sempre acompanhados por uma imagem livre e fluida; e mesmo quando estão parados, a câmera desliza lentamente entre um e outro.

Para esta calma recusa da estabilidade, o filme dedica grande atenção às interferências do ambiente: talvez pela opção de distanciamento, cada personagem é mostrado em meio ao caos urbano, e ele se encontra sempre atrás de carros, parcialmente encoberto por cabines telefônicas, placas de trânsito, vitrines de lojas... existem invariavelmente obstáculos entre a visão oferecida ao espectador e àquela que pertence aos personagens do filme.

Este trabalho inventivo e livre se estende à trilha sonora. Por vezes, as músicas tocadas ao piano por Simon continuam após o fim de suas aulas e se fundem a outras cenas

Essa interferência aplica-se acima de tudo ao som, que recebe um tratamento impressionante. Nas cenas de caos e barulho das ruas parisienses, a babá conversa com Simon, mas quase não entendemos o assunto. Os ruídos são propositadamente (e apoiados na verossimilhança) mais altos e incômodos, e nos deixam a impressão de que os diálogos que ouvimos são corriqueiros, nada contêm de especial.

Do mesmo modo, muitas vezes as conversas entre duas pessoas negam a lógica do “plano-contra-plano” (imagem que alterna entre o rosto de cada personagem, de acordo com a fala de cada um): freqüentemente, o som não corresponde à imagem mostrada, e alguns diálogos acontecem enquando a imagem está longe, percorrendo cantos da casa e mostrando objetos que não são temas da conversa.

Esse trabalho inventivo e livre se estende à trilha sonora: por vezes, as músicas tocadas no piano continuam a tocar mesmo após o fim das aulas de Simon. A música se desenvolve e se une a outras cenas, sem ser interrompida, onde ela vai se unir a novos ruídos e inclusive a novas trilhas, simultaneamente.

Le Voyage du Ballon Rouge constitui, através dessas várias opções ousadas, uma complexa homenagem à arte e ao artista. Da ousadia no retrato dos personagens (e das artes que cada um representa: música, teatro, cinema), o autor ousa na técnica e no conceito do seu próprio filme. Hsiao Hsien elabora uma poesia tão bela quanto intelectual; num deleite estético e conceitual acessível a poucos.

Le Voyage du Ballon Rouge (2007)
Filme francês dirigido por Hou Hsiao Hsien.
Com Juliette Binoche, Simon Iteanu, Song Fang.
Distribuído por Bac Filmes.
Duração de 1h53.

Veja mais:

Veja fotos e trailer deste filme.

Mais:

Bruno Carmelo assina a coluna Outros Cinemas. Também mantém o blog Nuvem Preta, onde resenha e comenta outros filmes. Edições anteriores da coluna:

A morte é para toda a vida
Coluna revê El espíruto de la colmena (1973), primeiro filme de Victor Erice. Muito mais que homenagem ao cinema, ou debate sobre influência da TV, obra investiga o amadurecimento, em especial o trauma provocado pela noção de que teremos fim

Alexandra, o elemento perturbador
Em seu novo filme, Alexandre Sokurov introduz uma avó num acampamento de soldados russos na Tchetchenia. Por meio de um jogo de opostos, ele passeará por temas como as relações familiares, os desejos incestuosos, os conflitos entre Rússia e vizinhos e, em especial, a banalidade da guerra

Como se não fosse ficção
Abdellatif Kechiche dá ares de documentário a La Graine et le Moulet, seu novo filme — talvez para fundir prosa e poesia e criar obra sutil em que afirma, sem descambar para o panfleto, a igualdade entre franceses e marroquinos, cristãos e muçulmanos

XXY aborda um tabu
Diretora argentina encara o desafio de tratar do hermafroditismo, um tema quase ausente do cinema. Mas falta uma pitada de ousadia: opção por narrativa lateral, baseada sempre em metáforas e alusões, produz clima opressivo, que contrasta com humanismo da proposta

Garage: o mito do homem bom
Filme irlandês premiado em Cannes traça, delicado e flertando com o humor negro, o retrato de um ser solitário, que não tem idéias próprias nem opiniões divergentes. Alguém tão puro que não encontrou seu lugar na sociedade

California Dreamin’ e os absurdos do poder
Premiado em Cannes, filme de Cristian Nemescu serve-se da comédia e do absurdo para revelar impasses da autoridade, impotência oculta do militarismo e limites de certas resistências. Mesmo inconclusa, por morte do diretor, obra revela ascensão do novo cinema romeno

Suspiria, arte e sentidos
Avesso às fórmulas e clichês dos filmes de terror, o italiano Dario Argento produz obras marcadas por cenários, tons e música incomuns; tempo e espaço não-lineares; debates psicanalíticos. Texto inaugura nova coluna do Diplô, agora sobre cinema e diversidade