logo

abril 2008



REBELIÕES

O florescer da Primavera do Tibete

As manifestações de Lhasa chamaram a atenção do mundo para a rigidez da China, apesar das concessões do Dalai-Lama. Mas o futuro da revolta depende de duas questões. Os tibetanos conseguirão formular claramente suas reivindicações? E, no ano das Olimpíadas, Beijing estará disposta a reprimir?


Mathieu Vernerey

A repressão das manifestações no Tibete, em março de 2008, suscitou uma comoção da opinião pública internacional. Milhares de tibetanos saíram às ruas durante duas semanas, em Lhasa e depois em outras cidades, erguendo a bandeira do Tibete e exibindo slogans a favor da independência: uma recusa manifesta dos sessenta anos de dominação chinesa.

No entanto, a presença de monges à frente da contestação levou a um questionamento sobre a natureza do movimento, freqüentemente descrito como uma revolta budista. A despeito da brutalidade da repressão, a violência inédita de numerosos manifestantes abalou a imagem de uma luta conhecida como não-violenta. Entre os alvos desses “tumultuadores”, encontram-se civis chineses da etinia Han e muçulmanos Hui [1], dando a impressão de motivações étnicas ou religiosas à revolta.

Simbolicamente, as manifestações tomaram forma em 10 de março, data de aniversário do levante nacional de Lhasa contra a intervenção chinesa de 1959. A repressão dessa insurreição precipitou o exílio de Dalaï-lama e de seu governo na Índia, que acolheu milhares de refugiados. No entanto, assim como a ONU, o primeiro-ministro indiano Jawarhlal Nehru não reconheceu a independência do Tibet.

A invasão do Tibete em 1949, ou sua “liberação pacífica” do ponto de vista chinês, remete a um aspecto não resolvido da história. Por um lado, a ocupação relembra a dificuldade ancestral dos chineses em anexar e dominar a região tibetana. E, por outro, a incapacidade dos tibetanos em convencer o mundo moderno de sua independência histórica.

Uma história marcada por séculos de invasões, chinesas e principalmente mongóis

As pretensões chinesas sobre o Tibete remontam ao século 13, durante a dinastia mongol dos Yuan (1279-1368). E também, ao século 17, na época da dinastia manchue dos Qing (1644-1911). Nesses dois períodos, o império chinês atingiu sua máxima extensão para o oeste – tempo das campanhas militares vitoriosas, conduzidas pelos Yuan a partir dos resquícios de um império mongol que dominava a Ásia, China e, inclusive, o Tibete.

Entretanto, durante a dinastia chinesa dos Ming (1368-1644), mais orientada para as conquistas marítimas, os príncipes mongóis definiram, por longo tempo, a política do Tibete. Em 1578, intervindo nas querelas religiosas internas, Altan Khan apoiou a primazia do chefe da linhagem dos Gelukpa, ao qual atribuiu o título de Dalai-Lama (“oceano de sabedoria”). Por sua vez, em 1642, Güshi Khan afirmou a autoridade política do 5º Dalaï-Lama e estreitou as relações entre o Tibete e a Mongólia, de acordo com o princípio do “Choen-yon” (guia-protetor). O príncipe mongol trazia essa proteção militar ao Tibete; em troca, o guia espiritual tibetano estendia suas emanações espirituais à Mongólia. Esse tipo de relação também prevalecia com a China manchue e, conforme as alianças, com outros reinos vizinhos.

O Tibete viveu seguidas interferências exteriores – mongóis mais freqüentes que chinesas. Em 1720, o país pediu apoio à China para expulsar os mongóis. Fez o mesmo para livrar-se dos nepaleses, em 1792. Durante esse período, a China esforçou-se por reorganizar a administração tibetana, sem, no entanto, buscar dominá-la. Em seguida ao desmoronamento da dinastia manchue de Qing, o dirigente chinês Sun Yat-sen fundou, em 1912, a República de Nankin. Os tibetanos proclamaram sua independência um ano depois.

Em 1914, um acordo tripartite foi assinado, em Simla, entre representantes britânicos, chineses e tibetanos. Uma forma de suserania chinesa foi reconhecida, mas os dirigentes chineses recusaram-se a tratar os tibetanos com igualdade.

A partir de 1951, domínio chinês, mas progresso nas negociações entre o Dalai-Lama e Beijing

Enquanto a China conhecia as perturbações interiores (“guerra dos senhores”, depois guerra civil entre comunistas e nacionalistas) e invasões estrangeiras (francesa, inglesa, russa e japonesa), o Tibete viveu uma independência de fato entre 1913 e 1949. Alguns meses depois da proclamação da República Popular da China, Mao Zedong invadiu o Tibete, em 1950. Sob o Conselho de Segurança da ONU, então recém-fundada, os representantes da China nacionalista (Taiwan) alegaram que se tratava de um assunto interno chinês e obtiveram ganho de causa [2].

Em 1951, sobre pressão militar, um acordo de 17 pontos foi firmado por Mao Zedong. Ele estipulou o “retorno do povo tibetano à pátria”. Em contrapartida, foi acordado um estatuto de autonomia que previa a manutenção “do sistema político existente e das funções e poderes do Dalaï-Lama”. Para os tibetanos, ele é o chefe espiritual e temporal do Tibete – o que contradiz os termos do acordo. Além disso, nenhum dos compromissos chineses foi respeitados.

Ao partir para o exílio, em 1959, o Dalai-Lama recusou formalmente esse pacto. Ele restabeleceu um governo, dotou-o de um Parlamento e organizou a comunidade de refugiados. Isso manteve intacto seu desejo de lutar pela independência. Na mesma época, ele reforçava sua vontade de “criar condições favoráveis às negociações, tendo em vista a busca de uma solução pacífica [3]”. Em 1979, o novo timoneiro chinês, Deng Xiaoping, comunicou que “exceto a independência, tudo poderia ser rediscutido” [4].

Até 1985, quatro delegações tibetanas foram autorizadas a voltar ao Tibete – dotado, desde 1965, de um estatuto de autonomia [5] - para atestar os progressos realizados, mas não foi conquistada.

O líder espiritual descarta a independência. Mas a China prefere tratá-lo como inimigo

Em 1988, na “Proposição de Estrasburgo”, o Dalai-Lama renunciou oficialmente à independência, em favor da autonomia e de uma união com a China. Mas em março de 1989, o diálogo foi interrompido pela repressão das mais importantes manifestações contra a autoridade chinesa ocorridas desde 1959 – data de aniversário do levante nacional. Preocupado em reatar as negociações, o Dalai-Lama reiterou sua proposição de uma “verdadeira autonomia”, sob soberania chinesa. Enquanto aconteciam seis novos encontros sino-tibetanos, entre 2002 e 2007, as recentes manifestações e as conseqüentes repressões fizeram crer que a história se repetia.

Certamente, a religião budista é um elemento constituinte da identidade nacional tibetana, mas ela não explica tudo. Atualmente, no Tibete, o sentimento nacionalista vive, antes de tudo, uma recusa da China. E se uma parte da população parece resignada, essa rejeição se expressa de maneira cada vez mais exacerbada. Embora Pequim tenha classificado Dalaï-lama como sendo o “principal instigador de agitações”, uma nova geração surgiu – menos sujeita à influência do “dirigente espiritual”.

Marginalizados em meio à sociedade chinesa, os tibetanos assistiram seu país sofrer maciça influência cultural chinesa, devido a uma onda crescente de colonos. Mas não foram beneficiados pelo desenvolvimento anunciado. Vistos como possível resposta ao descontentamento, os investimentos econômicos fracassaram, principalnte devido a sua lógica colonial.

A violência que desfigurou a “Lhasa chinesa” não se repetiu no conjunto do movimento de revolta, que se estendeu a outras cidades tibetanas e a províncias habitadas pelos tibetanos. Nelas, a contestação reuniu tanto laicos como religiosos, que, em vez da bandeira tibetana, levavam consigo o retrato de Dalai. Considerado chefe de Estado no exílio, o guia espiritual beneficiou-se de uma autoridade ainda intacta e amplamente reconhecida no interior e exterior do Tibete; mesmo que alguns tibetanos tenham preconizado uma luta mais frontal. Ele permanece como o cimento da unidade nacional, o que as autoridades chinesas reconhecem, à sua maneira. Pela voz do secretário do Partido Comunista no Tibete, elas consideram que "se trata de uma luta até a morte contra o Lalai Lama e sua gangue [6]».

Defensores da independência estão fora do país e são incapazes de agir de forma conjunta

Agindo assim, as autoridades chinesas reforçaram o sentimento nacional daqueles a quem pediam que negassem seu dirigente legítimo. Já o comportamento dos tibetanos no exterior revela-se mais complexo, no que diz respeito ao dirigente e à questão de independência. Há muito tempo, ela se tornou um tabu – desde momento em que o Dalai-lama a abandonou oficialmente e reafirmou sua política de abertura e diálogo com Beijing. Em outubro de 2002, ele pediu de forma explícita aos militantes que refreassem todas as manifestações públicas anti-chinesas ao redor do mundo, afim de criar uma “atmosfera propícia para o diálogo”. Esse apelo à retenção provocou confusão e desmobilização junto a numerosos militantes.

Como resultado, a China alcançou seus objetivos: deixou de ser publicamente contestada e ganhou respeitabilidade em razão de sua “boa vontade”. Enquanto isso ela arrebatava, na prática, a autonomia do Tibete. Os independentistas tibetanos apoiaram-se nessa constatação, sem necessariamente ter uma idéia relevante do caminho a seguir.

No exílio, a corrente em favor da independência, representada por diferentes organizações, não forma de um movimento unificado. Nenhuma de suas compenentes chegou a formalizar novas proposições, que substituíssem a fórmula do "governo do exílio". No interior, as ações visíveis em favor da independência são, geralmente, atos individuais isolados, ou, em conjunturas particulares, ações de movimentos coletivos espontâneos e imprevisíveis, sem objetivos nem estratégia formulados.

A caixa de ressonância midiática oferecida pelos próximos Jogos Olímpicos de Beijing acrescentou um novo elemento: a oportunidade de denunciar a dominação chinesa ao mundo. Na Índia, as cinco principais organizações independentistas articularam-se em torno de uma marcha de retorno ao país, em 10 de março. Ela foi imediatamente bloqueada pelas autoridades indianas. Ao mesmo tempo, as manifestações começavam em Lhasa, ampliando-se e se propagando em seguida. Mas esta sinergia, ao mesmo tempo, militante e popular, não tem visibilidade e legibilidade políticas. O que suscita perguntas sobre a representação “do povo do Tibete” e sua expressão.

O "Parlamento no exílio": fraca representatividade, composição confusa e pouco debate

A maior parte dos tibetanos no país considera legítimo o “governo no exílio”, na medida em que ele representa a continuidade do princípio de soberania e administração de Dalai-Lama. Contudo, sua impotência para chegar a uma solução e sua renúncia à independência cristalizaram uma certa desconfiança, da qual o Dalaï-lama permanece imune.

Todavia, a ação diplomática de seu governo deve ser distinguida da ação do “Parlamento tibetano em exílio”. Esse supostamente representa todos os tibetanos, inclusive os que vivem no país, mas de maneira simbólica: é impossível uma eleição no próprio Tibete. Por isso, a base do "Parlamento" são as comunidades exiladas na Índia e Nepal, segundo seu vínculo a três regiões tradicionais do Tibete histórico. As cinco escolas budistas são também representadas, assim como as diásporas da Europa e da América do Norte. Essa complexa sobreposição de circunscrições não ajuda a tornar compreensível a constituição do Parlamento.

Por trás disso há um problema mais profundo: a incapacidade dos tibetanos em formalizar um debate político. O Parlamento no exílio funciona sem partidos. Embora não proíba esse sistema de representação, a "Constituição" provisória não faz nenhuma alusão a ele. Apesar de reformas, que introduziram a separação dos poderes, o direito de voto, a eleição de seus membros e do "primeiro-ministro" por sufrágio universal, a democracia é incompleta. Persiste a ausência de qualquer expressão partidária relacionada a objetivos ou ideais políticos. A começar pela segmentação subjacente — mas não formalizada — entre independentistas e autonomistas.

O descontentamento poderia e espalhar-se para Xinjiang e a Mongólia, onde há reivindicações identitárias

Nas últimas eleições legislativas do Tibete, em março de 2006, deputados disseram ser a favor da independência, sem ter assumido, até agora, o compromisso no âmbito do mandato. É difícil de exprimir uma opinião diferente da de Dalai-Lama. Na comunidade , isso é imediatamente percebido como oposição a ele.

A resistência das mentalidades no interior do Parlamento impossibilita, por ora, a formalização de um partido político. Não é toa que um número crescente de deputados afirma apoiar o objetivo independentista, e que alguns sugerem um reagrupamento, à margem do Parlamento. Para eles, as margens de operação são restringidas em razão de uma situação pouco favorável: condição precária de refugiados, tolerância frágil da Índia como país de acolhimento, pressão de governos estrangeiros para manter o status quo, represálias chinesas contra os tibetanos no país etc.

A agitação espera ainda a sua “voz” política, única condição para que os botões “da primavera” de Lhasa desabrochem sem desvanecer antes florescer. Para o atual presidente chinês, Hu Jintao, estes acontecimentos têm forte ressonância. Quando foi secretário do Partido Comunista no Tibete, durante as manifestações de 1989, ordenou a repressão e decretou a lei marcial. Ele sabe que os abalos no “Teto do mundo” foram precursores dos acontecimentos da Praça Tiananmen.

O descontentamento do Tibete corre o risco de espalhar-se para outras regiões onde há reivindicações identitárias: a dos uigurs (Xinjiang) e a dos mongóis (Mongólia interior). Resta saber se, nesse ano de Olimpíada, a repressão será uma boa estratégia. Pequim se interroga sobre a maneira de conciliar sua imagem internacional e a necessidade de considerar os desafios internos na busca da própria estabilidade.

MAIS:

Veja Cronologia da questão tibetana aqui

[1] A China definiu-se como um país multiétnico ou multinacional com 56 etnias. Os hans são 92% da população. Tibetanos, huis, uigurs e mongóis dispõem do estatuto de região autônoma, respectivamente Tibete, Ningxia, Xinjiang, e Mongólia Interior. Ler «Jusqu où ira la Chine», Manière de voir, nº 85, fevereiro/março 2006.

[2] Três resoluções foram votadas à ONU em seguida ao levante de Lhassa: em 1959, 1961 e 1965. O motim de 1961 recorda o «direito à autodeterminação» do povo tibetano.

[3] Declaração de Dalai-Lama a Mussorie (Índia), em 20 de junho de 1959.

[4] Mensagem transmitida por Deng Xiaoping ao irmão mais velho do Dalai-Lama, Gyalo Thondup, em Pequim, em março de 1979.

[5] A região autônoma compreende a parte central (U-tsang) do Tibete histórico. As duas outras províncias tradicionais (Kham et Amdo) foram integradas à província chinesa do Qinghai e às margens ocidentais de Gansu, Sichuan e Yunnan.

[6] Declarações de Zhang Qingli, secretário do Partido Comunista do Tibete, veiculados pelo Diário do Tibete, em 21 de maio de 2006, e reiteradas em 19 de março de 2008, sob o título “luta à morte de dalaï-lama e sua gangue”.