logo

novembro 2008



LITERATURA

Palavra 46

Mestre da bibliofilia
Rubens Borba de Morais pesquisou bibliotecas européias, norte-americanas e brasileiras para escrever sua “Bibliografia brasiliana”, descritiva de livros raros sobre o Brasil de 1504 a 1900, verdadeiro monumento de erudição e pesquisa
Aqui

De quando a literatura se despede de suas histórias
Como o escritor brasileiro escolhe escrever seus livros? Geralmente se apegando a somente uma forma de sofrer
Aqui

Sobre literatura e outros defeitos
Nenhum romance ou conto, nem a soma do que li, me humanizou ou me induziu a ser uma pessoa melhor
Aqui

Três poemas
Poema
Aqui


Rodrigo Gurgel

Dida Bessana leu a biografia de Rubens Borba de Morais, pai da bibliofilia brasileira. Mais reconhecido em Nova York – onde trabalhou, durante anos, na Biblioteca da Organização das Nações Unidas (ONU) – do que no Brasil, a vida de Morais atesta, tristemente, esse traço característico da nossa cultura, confirmação esdrúxula do Evangelho: “um profeta é respeitado em toda parte, menos na sua própria terra”.

É possível uma literatura que tenha se esquecido de contar histórias? Ou que, a cada história, insista em ser monocórdica? Para onde caminha uma literatura na qual os grandes romances – os panoramas de época, as sagas familiares, os dramas policromáticos – feneceram mal haviam nascido? Que escritor contemporâneo tem estofo, coragem, engenho e inteligência para escrever um novo O tempo e o vento? São essas as questões que Renata Miloni procura discutir.

André Resende discorda da tese de que a literatura melhora as pessoas. Caminhando na contramão do pensamento de Joseph Brodsky, Resende concede à psicanálise todos os louvores com que o poeta russo coroa a literatura, ainda que esta última, se não melhora o homem, pode, ao menos, transformá-lo.

Sísifo de si mesmo, o lingüista e tradutor Paulo Chagas de Souza cultua o amor e a transformação em três poemas.

Boa leitura – e até a próxima semana.

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra.