logo

março 2009



Palavra 57

Aquém das expectativas
Gregório Dantas analisa Elementares – notas sobre a história da literatura policial, coletânea de textos superficiais, mas às vezes curiosos e divertidos.
Aqui

Vida e morte no museu
Romilda Raeder devorou o romance policial Museu, de Véronique Roy, e não conseguiu parar até a última linha. Para contextualizar o leitor, nossa colaboradora revê um pouco do debate que envolve evolucionistas e criacionistas.
Aqui

Maçã caramelada
Maria Bitarello escreve sobre Maçã caramelada, de André Rezende, peça que enfoca “a angústia da escolha, o medo do esquecimento, a preocupação com a memória no futuro”.
Aqui

Clássico da filosofia analítica demole mito
José Renato Salatiel leu, especialmente para o Palavra, um clássico da filosofia analítica – Empirismo e filosofia da mente, de Wilfrid Sellars –, lançado há poucas semanas pela Editora Vozes. Na opinião de Salatiel, Sellars “refutou o verificacionismo e atomismo lógico dos positivistas, e também uma determinada ideia de mente compartilhada tanto por tradições empiristas como racionalistas”.
Aqui


Rodrigo Gurgel

Gregório Dantas analisa Elementares – notas sobre a história da literatura policial, coletânea de textos superficiais, mas às vezes curiosos e divertidos.

Romilda Raeder devorou o romance policial Museu, de Véronique Roy, e não conseguiu parar até a última linha. Para contextualizar o leitor, nossa colaboradora revê um pouco do debate que envolve evolucionistas e criacionistas.

Maria Bitarello escreve sobre Maçã caramelada, de André Rezende, peça que enfoca “a angústia da escolha, o medo do esquecimento, a preocupação com a memória no futuro”.

José Renato Salatiel leu, especialmente para o Palavra, um clássico da filosofia analítica – Empirismo e filosofia da mente, de Wilfrid Sellars –, lançado há poucas semanas pela Editora Vozes. Na opinião de Salatiel, Sellars “refutou o verificacionismo e atomismo lógico dos positivistas, e também uma determinada ideia de mente compartilhada tanto por tradições empiristas como racionalistas”.

Boa leitura ­­– e até a próxima edição, em 27 de março!

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra