logo

maio 2003



CRONOLOGIA

Um quarto de século de ETA

1959. Sob a ditadura franquista, jovens opositores aos conservadores do Partido Nacionalista Basco criam o movimento Euskadi Ta Askatasuna (ETA), "Pátria basca e liberdade", cujo objetivo é obter a independência do País Basco espanhol (com a Navarra espanhola e o País Basco francês).

1968. Primeiro assassinato planejado pelo ETA, perpetrado contra Melition Manzana, dirigente da polícia da cidade de San Sebastian.

1973. Assassinato do almirante Carrero Blanco, presidente do governo e sucesor designado de Franco.

Abril de 1978. Nascimento da coalizão de extrema esquerda Herri Batasuna (HB), considerada como a "vitrine política" do ETA.

1979. O País Basco, após um plebiscito, obtém o estatuto de Comunidade Autônoma do Estado espanhol, com o dito "Estatatuto de Gernika".

1980. "O ano sangrento": no total, 118 pessoas são mortas nas operações do ETA. O número de vítimas ultrapassaria 850, 23 anos mais tarde,.

Junho de 1987. A explosão de uma bomba num supermercado de Barcelona mata 21 pessoas; os separatistas apresentam suas desculpas por este "erro", o atentado mais mortífero da história do ETA.

Julho de 1997. O ETA seqüestra e executa Miguel Angel Blanco, conselheiro municipal do Partido Popular (PP, centro-direita, no poder em Madrid). Mais de cinco milhões de pessoas manifestam-se em toda a Espanha para marcar sua oposição à violência dos independentistas.

Setembro de 1998 - dezembro de 1999. Uma trégua é adotada entre o ETA e o governo. Ela fracassa 14 meses mais tarde.

2002. No dia 4 de junho é votada uma nova lei sobre as formações políticas, permitindo a proibição dos partidos que tenham ligações com o terrorismo.

2003. No dia 20 de fevereiro, a justiça espanhola decide fechar o jornal basco Euskaldunon Egunkaria. No dia 17 de março, o Supremo Tribunal espanhol pronuncia a probição do partido independentista basco Batasuna, acusado de apoiar a organização terrorista ETA.

(Trad.: Fabio de Castro)