Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que murchamos os pneus de SUVs

» Retrato do esgotamento dos divulgadores digitais

» Golpes no Brasil (I): Uma república febril e oligarca

» Cinema: O dom de iludir

» Maranhão: CNBB denuncia a barbárie do “agro”

» 29 de junho de 2022

» Boaventura: o encolhimento do Ocidente

» Contramemória: Modernismo em alta voltagem política

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

Rede Social


Edição francesa


» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident

» Tunisie : le triple déni des cadres déchus

» L'Ukraine se dérobe à l'orbite européenne


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica


Fóruns Sociais

Saudável heresia em São Paulo

No templo do capitalismo brasileiro, um movimento age para superar o desencanto com a política afirmando a autonomia da sociedade civil frente ao mercado e ao Estado. Seu primeiro desafio: questionar o automóvel, a mercadoria que melhor simboliza as relações sociais alienadas

Antonio Martins
18 de agosto de 2007

Caracas

Pela primeira vez, o Fórum Social Mundial encontrará a Revolução Bolivariana e o conjunto das reformas que conduz o presidente Hugo Chávez

Ignacio Ramonet
1º de janeiro de 2006

Altermundialistas por toda parte

Ninguém mais pode continuar acreditando na fábula da “impotência pública” diante da globalização neoliberal. O movimento está em busca da construção de uma alternativa, identificando os locais de poder e atuando em todos os níveis

Jacques Nikonoff
1º de maio de 2004

Globalização a passos contados

Depois de Porto Alegre em 2002 e 2003, o Fórum Social Mundial se reúne este ano em Mumbai (Bombaim), na Índia, país que se abriu gradualmente ao comércio internacional e, junto com a África do Sul, o Brasil e a China, contribui para formar um bloco "do Sul" no interior da OMC

Christophe Jaffrelot
1º de janeiro de 2004

Força e fragilidade da resistência

As grandes mobilizações contra o ultraliberalismo (Seattle, Gênova, Cancún) reúnem grupos bastante diversificados, não isentos de contradições. Entretanto, eles concentram sua luta contra um adversário comum e vão elaborando propostas alternativas

François Houtart
1º de novembro de 2003

Fórum Social Mundial: de Paris a Porto Alegre

Bernard Cassen retrata o nascimento dos fóruns sociais mundiais que vieram coroar um movimento nascido com o “grito de Chiapas” e que desembocou em Porto Alegre, desenhando uma nova cartografia internacional das lutas pela emancipação humana

Emir Sader
1º de novembro de 2003

Cultura e anti-globalização

Três livros recentemente publicados discutem as dimensões culturais e subjetivas provocadas pelo impacto da globalização. Abordam a necessidade de reencontrar a utopia, de motivar para a ação, de redesenhar uma ética

François Houtart
1º de outubro de 2003

Um clube de ricos altamente contestado

Criado para possibilitar a cooperação entre os países ricos – e em última instância para governar o planeta – o G8 está diante de uma nova situação, marcada pelas tensões da guerra do Golfo e pelo crescimento, a cada ano, de movimentos de contestação

Gustave Massiah
1º de maio de 2003

A Internacional dos movimentos sociais

Livro lançado no fim do ano passado na Espanha faz um apanhando das trilhas abertas pelo Fórum Social Mundial para construir a globalização alternativa, propondo um debate sobre os instrumentos para concretizá-la.

Rafael Diaz-Salazar
1º de março de 2003

O que querem os manifestantes?

Dois livros importantes avaliam o movimento contestador da “governança mundial” –apontando a necessidade de envolver as camadas menos favorecidas – e o papel da Organização Mundial do Comércio (OMC) nas políticas de desregulamentação

Franck Poupeau
1º de julho de 2002

Davos será em Nova York

Dias 1º e 2 de fevereiro será realizado o Fórum Internacional dos Parlamentares. Antes de sua abertura, de 28 a 30 de janeiro, será a vez do Fórum das Autoridades Locais pela Inclusão Social

Gilles Luneau
1º de janeiro de 2002

Os desafios do II FSM

Não foi por acaso que o FSM de Porto Alegre nasceu: foi precedido por um ano de manifestações “globais” que se seguiram à de Seattle. À mercantilização do mundo, os cidadãos responderam inventando uma manifestação mundial por procuração

Gilles Luneau
1º de janeiro de 2002

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas permanentes]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel