Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Argentina e Chile: por que a esquerda está em apuros

» 4 de julho de 2022

» Como a esquerda quer governar a Colômbia

» Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

» Golpes no Brasil (II): As três viradas entre 1930-45

» Pochmann: Os bárbaros antidesenvolvimentistas

» 1º de julho de 2022

» 30 de junho de 2022

» Bifo: O mundo em guerra civil psicótica

» Meditação sobre os que partem e os que ficam

Rede Social


Edição francesa


» Le poids des pamphlets, le choc des classes

» En Russie, réprimer plus et enfermer moins

» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Campanha de Verão

» Lançamento: Atlas das Utopias Reais: Criatividade, Cultura e Artes

» Livro: Atlas das Utopias Reais: Criatividade, Cultura e Artes

» Leitura furiosa

» Lisboa e a Memória do Império. Património, Museus e Espaço Público

» Outros Tons de Azul

» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza


Intervenções “Humanitárias”

Kosovo: nova bomba-relógio nos Bálcãs

Novo capítulo na trágica história de intevenções internacionais na ex-Iugoslávia: a ONU está prestes a estimular a "independência" do Kosovo, sem ter promovido negociação real entre as partes e sem nenhuma perspectiva de apoio a uma região marcada pela pobreza

Jean-Arnault Dérens
21 de março de 2007

Da Federação aos protetorados europeus

Numa Europa de solidariedades, o ingresso das repúblicas balcânicas poderia curar feridas da guerra recente e ampliar direitos sociais. Mantidas as políticas européias atuais, o processo de adesão tende a ser traumático

Catherine Samary
1º de janeiro de 2006

Seqüelas de um péssimo acordo

Há dez anos, os europeus reduzem a Bósnia à condição de um protetorado político e econômico. Com quem poderão, agora, negociar a incorporação do país à UE?

Catherine Samary
1º de janeiro de 2006

Da “missão civilizatória” à ação humanitária

Entre a intromissão nas casas das famílias em nome da saúde e a ingerência armada em nome de valores superiores da humanidade há uma diferença importante, mas há um principio comum, a ponto de Colin Powel considerar as ONGs parte de sua "equipe de combate"

Rony Brauman
1º de setembro de 2005

Aristide: a queda na própria armadilha

Líder popular, Aristide é seduzido pelo estabilishment norte-americano com quem colabora por ocasião da privatização das estatais. Inebriado pelo poder e pelo dinheiro, é destituído por um bando de mercenários. França e EUA, dão o golpe de misericórdia ao impor um primeiro-ministro e manter o país ocupado por tropas estrangeiras, retomando à violência dos tempos duvalieristas
Cronologia

Maurice Lemoine
1º de setembro de 2004

Oito etapas de instabilidade
1º de setembro de 2004

Palavra de especialistas

A Rand Corporation, um centro de pesquisa, publicou um estudo das sete operações de ’nation building’ (reconstrução nacional) lançadas pelos Estados Unidos desde 1945: Alemanha e Japão e, mais tarde, Somália, Haiti, Bósnia, Kosovo, Afeganistão e Iraque

Dominique Vidal
1º de dezembro de 2003

Um mandato insustentável no Kosovo

Quatro anos após a guerra, a violência continua a imperar no Kosovo, onde 80 mil sérvios vivem em uma situação terrível e as forças de paz da ONU substituem as forças de segurança sérvias no impedimento às aspirações nacionais albanesas

Jean-Arnault Dérens
1º de dezembro de 2003

Justiça internacional: entre a política e o direito

O direito internacional evoluiu o suficiente para garantir um certo grau de sanções contra os países e governantes criminosos, sem ferir o princípio de soberania e lutar contra as violações e impunidades sem desestabilizar as relações internacionais

Anne-Cécile Robert
1º de maio de 2003

Impasse no Kosovo

Protetorado da ONU desde o final da guerra e liderado por políticos reconhecidamente medíocres, o Kosovo continua sem conseguir sair do impasse inicial: não quer ser tragado pela Sérvia, mas a comunidade internacional lhe nega a independência

Jean-Arnault Dérens
1º de fevereiro de 2003

O grande salto para trás

Referência cultural do mundo árabe, o Iraque vem assistindo à devastação de boa parte de sua história pelo boicote imposto pelas Nações Unidas em 1991: aumento da mortalidade infantil, do analfabetismo, da evasão escolar, da criminalidade, da corrupção...

1º de janeiro de 2003

O nascimento de um país

Reconstruído a partir de zero – a invasão por tropas indonésias em 1975, treinadas pelo exército norte-americano, deixou um saldo de 200 mil mortos (um terço da população) e o território arrasado – surge um novo país, com muitas esperanças

Any Bourrier
1º de junho de 2002

Uma história de cinco séculos
Any Bourrier
1º de junho de 2002

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas atuais]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel