Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Oito teses sobre a Revolução Feminista

» As feridas da Guerra com Paraguai ainda latejam

» A última chance de salvar Julian Assange

» Quando a polícia bandida quer mandar na sociedade

» Zé do Caixão, herói do Cinema Popular Brasileiro

» Poderá Francisco salvar a Economia e o planeta?

» Auschwitz: os portões da memória ainda abertos

» As democracias engolidas e o erro de Piketty

» Eles lutam por todos nós

» Paulo Guedes, o bravateiro velhaco

Rede Social


Edição francesa


» Une Internationale… de la santé

» Wal-Mart à l'assaut du monde

» Réalité en quête de fictions

» Émergence d'une voix africaine

» L'astrologie, la gauche et la science

» L'Afrique conteste en rap

» Les sondés ne veulent plus parler

» Apolitisme très politique des journaux municipaux

» La force molle de la social-démocratie

» L'enfance, une espèce en danger ?


Edição em inglês


» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy

» Who is the land for?

» Belarus, the industrious state


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


DOSSIÊ KOSOVO: LIÇÕES DE UM CONFLITO

Guerra, mídia e desinformação

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Antes e durante a guerra, as campanhas de desinformação promovidas pela imprensa foram essenciais para que a opinião pública aceitasse a ação militar da OTAN contra a Iugoslávia. Nosso dossiê aponta as mentiras mais flagrantes

Dominique Vidal, Serge Halimi - (12/03/2000)

Há mais de dez anos, Kosovo é vítima da política de apartheid conduzida por Belgrado. A repressão contra o Exército de Libertação (UCK), em 1998, tornou-se massiva e sangrenta. Seria, então, como o fluxo de refugiados indicava, um genocídio que apenas a intervenção ocidental poderia barrar? Um ano depois, esse pretexto que a OTAN usou para a guerra OTAN perdeu muito de sua credibilidade — e, com ele, desgastou-se a cobertura, pretensamente "exemplar" que a mídia deu à operação. Os inquéritos conduzidos, in loco, pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) para a ex- Iugoslávia, pelas organizações européias e internacionais e também por alguns jornalistas modificam radicalmente a leitura dos acontecimentos. Veja por que:

O "genocídio": realidade ou ficção? Nove meses após a entrada da OTAN em Kosovo, nada comprova a prática de um "holocausto", que a TV e os jornais davam como certa

As "nossas" atrocidades são diferentes das "deles" Quando praticadas pelos sérvios, elas são corretamente qualificadas como crimes. Se a OTAN as comete, passam a ser simples "erros"

Uma informação "exemplar"? A mídia se auto-satisfez com a cobertura que deu à guerra. Os EUA e seus aliados gostaram mais ainda...




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Kosovo
» Guerras
» Imprensa
» OTAN

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos