Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Changements d'échelle, tranquillité perdue

» Les scientifiques, responsables et inquiets

» Blancs ou noirs, tous les shérifs se ressemblent

» Des chaînes « tout info » bien peu dérangeantes

» Edelweiss et lutte des classes dans les Alpes

» « Ils voulaient des bras, ils ont trouvé des hommes »

» Une holding économico-criminelle

» Ce que furent les « années de plomb » en Italie

» En France, des archives bien gardées

» Résilience partout, résistance nulle part


Edição em inglês


» Saudi Arabia's diplomatic volte-face

» Global trade in plastic waste

» Gas pipelines and LNG carriers

» Rise and rise of the Israeli right

» Decline of Israel's Zionist left

» Knight who shed his shining armour

» How to sabotage a pipeline

» No more plastics in Southeast Asia paradise

» Whiteout for the skiing industry?

» Brussels rewrites history


Edição portuguesa


» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021


RELIGIÃO

Rumo ao inferno verde

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Arrumamos nossas cobertas e nossos travesseiros e louvamos a graça do Senhor. Quando, no dia seguinte, dobramos as cobertas e a lona, encontramos debaixo desta uma imensa cobra que viera se aquecer durante a noite

Bernard Cassen - (01/08/2001)

Alguém queria saber o significado da palavra ‘Chaco’. Um dos condutores de bois respondeu: “Chaco? Significa simplesmente inferno, meu caro senhor...”

A segunda vaga de colonos mennonitas, originária da União Soviética, começou a chegar a Assunção em abril de 1930. No início de outubro, após terem subido o rio Paraguai até Puerto Casado, os colonos avançam pelo Chaco central, primeiro de trem e depois em charretes puxadas por bois. Iriam fundar a colônia Fernheim, próximo à colônia Menno, fundada dois anos antes pelos mennonitas chegados do Canadá.

“Após uma semana de uma longa e monótona viagem, o barco ancorou em Puerto Casado, onde fomos alojados em cabanas. Alguns dias mais tarde, a 3 de outubro, tomamos o trem da companhia Carlos Casado, que nos levaria a Punta Rieles, no quilômetro 145, em pleno coração do Chaco paraguaio.

O inferno verde

Chegamos a uma construção parcialmente terminada, no meio de um campo desolador. “Muito bem”, disse o condutor. “Chegamos. Ou melhor, vocês chegaram”

Chegamos ao quilômetro 145 ao anoitecer. Por ordem do gerente da estação, serviram-nos jantar e nos preparamos para passar a noite a céu aberto. Estendemos a magnífica lona que fazia parte do nosso equipamento por trás de um monte de tábuas, ao abrigo do vento. Arrumamos nossas cobertas e nossos travesseiros e louvamos a graça do Senhor. Quando, no dia seguinte, dobramos as cobertas e a lona, encontramos debaixo desta uma imensa cobra que viera se aquecer durante a noite. Minha filha me olhou, arregalando os olhos, como se perguntasse: ‘Papai, para onde é que você nos trouxe?’

Mas ainda faltava um bom pedaço de caminho a percorrer. Como a experiência nos ensinaria mais tarde, tivemos que passar horas e horas procurando os bois para a etapa seguinte. O sol já ia alto quando chegaram os condutores dos bois. Fizemos rapidamente amizade com eles, bombardeando-os com perguntas. Um dos nossos queria saber o significado da palavra ‘Chaco’. Um dos condutores respondeu laconicamente: ‘Chaco? Significa simplesmente inferno, meu caro senhor, inferno verde.’ Para outro dos guias, o significado, era, sem dúvida: ‘Território de caça dos índios’. Sentados nas charretes, levamos três dias para chegar a Blumental, o primeiro dos vilarejos da colônia Menno.

Uma semi-casa sem portas nem janelas

Não levando em conta o dia do Senhor, nós, homens, pegamos nos machados e cortamos estacas e forquilhas para improvisar barracas com nossas lonas

No dia seguinte, um domingo, chegamos, por volta de meio-dia, a uma construção parcialmente terminada, no meio de um campo desolador. O condutor desceu da charrete sem dizer uma palavra. Quanto a nós, ficamos quietos. ‘Muito bem’, disse o condutor, ‘chegamos. Ou melhor, vocês chegaram ao destino.’ Um gemido saiu do fundo da minha alma: ‘Senhor, ajudai-nos, ou iremos morrer.’ A casa não tinha portas nem janelas e seu pequeno teto de zinco não era suficiente para resguardar nossas modestas bagagens, muito menos para abrigar 300 pessoas.

Não levando em conta o dia do Senhor, nós, homens, pegamos nos machados e começamos a cortar estacas e forquilhas para improvisar barracas com nossas lonas. Ao anoitecer, as barracas já compunham uma aldeiazinha. Nossas cobertas, estendidas sobre o capim que as crianças tinham cortado, foi a nossa cama comum. De manhã, ao dobrar as cobertas, encontramos, sob o colchão de capim, uma cobra.”

(Trecho do capítulo "Al Inferno verde", do livro Kaputi Mennonita, de Peter Rahn, org. Peter P. Klassen, 3ª edição, Assunção, 1996.)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos