Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 23 de maio de 2022

» A cultura do cancelamento e os impasses da esquerda

» Chile: o conturbado início de Boric

» Eletrobrás: por que rechaçar a privatização

» Pochmann: O fim da financeirização?

» 20 de maio de 2022

» O impasse da democracia e o dilema feminista

» Como o patriarcado engole a democracia

» O modernismo a contrapelo – em exposição e livro

» Argentina: a potência das cooperativas de plataforma

Rede Social


Edição francesa


» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


ERA DAS GUERRAS ASSIMÉTRICAS

Sharon entre o sonho e a realidade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Apoiando-se num presumível sinal verde da Casa Branca, alguns dos dirigentes de Israel chegam a sonhar em “acabar o trabalho iniciado em 1948”, ou seja, expulsar maciçamente a população palestina para os países vizinhos...

Dominique Vidal - (01/10/2001)

“Cada qual tem o seu Bin Laden. O nosso chama-se Arafat.” Com essa fórmula, o primeiro-ministro Ariel Sharon, de Israel, manifestava de forma acintosa sua vontade de explorar os atentados de 11 de setembro. Na realidade, o exército israelense iria penetrar maciçamente nas cidades autônomas de Jenine, Jericó, Ramallah, Nablus, Belém e Hebron, e seus soldados matariam, em uma semana, cerca de trinta palestinos. Durante essa proeza, o ministro da Defesa (trabalhista), Binyamin Bem Eliezer, já se vangloriava: “Matamos 14 palestinos sem que o mundo inteiro dissesse uma palavra. Para Arafat, isso é catastrófico.”

Após os atentados, a direita israelense achou que chegara o momento de esmagar a Intifada, pôr fim à Autoridade Palestina e assassinar seus dirigentes

Apoiando-se num presumível sinal verde da Casa Branca, o establishment israelense – o Likud e a direita trabalhista – pensou que chegara o momento de esmagar a Intifada e acabar com a Autoridade Palestina, após assassinar muitos de seus dirigentes. Alguns deles chegam a sonhar – segundo uma frase terrível do agrado dos herdeiros de Zeev Jabotinsky – em “acabar o trabalho iniciado em 1948”, ou seja, expulsar maciçamente a população palestina para os países vizinhos...

Estranha cegueira. Já em 1991, durante a Guerra do Golfo, para consolidar a coalizão com seus aliados do mundo árabe e muçulmano, George Bush, o pai, obrigara Itzhak Shamir a não revidar aos mísseis Scud lançados por Bagdá A causa é a mesma, os efeitos são os mesmos: George Bush, o filho, exerceu pressões sobre Sharon para que este acabasse com a repressão nos territórios ocupados e autorizasse seu ministro das Relações Exteriores, Shimon Peres, a encontrar-se, finalmente, com Yasser Arafat. Isso porque, antes de avalizarem um “contra-ataque” de Washington, os regimes árabes moderados sentem a necessidade imperiosa de diminuir a tensão na Palestina, de modo a reduzir o enorme espaço que separa as exigências norte-americanas e as posições anti-americanas.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos