Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 17 de setembro de 2021

» Convite a ir além do sistema trabalho-e-família

» Paulo Freire, 100: Em busca de outra autoridade pedagógica

» O 7 de Setembro de Jair Bolsonaro

» Ponciá Vicêncio: A rebeldia de fabular, em meio ao cinismo

» A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

» 16 de setembro de 2021

» Brasil dos Borba Gato aos Bolsonaro

» 60 anos do Centro Popular de Cultura da UNE – e seu legado

» Muhammad Ali e Malcom X, em tempo de indelicadeza

Rede Social


Edição francesa


» Conflits d'usages en mer Baltique

» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord

» Batailles pour le partage de la mer de Chine

» Pétrole, bases et conflits dans le Golfe

» Ces industries florissantes de la peur permanente

» L'ultime trahison


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


UM MUNDO UNIPOLAR?

A capitulação da ONU

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Ao considerar os ataques de 11 de setembro “uma ameaça à paz e à segurança internacionais”, o Conselho de Segurança assume a confusão introduzida por George W. Bush e assina sua capitulação diante dos Estados Unidos

Monique Chemillier-Gendreau - (01/11/2001)

Seria de se esperar que, qualificados os atos, o Conselho assumisse sua responsabilidade e decidisse que medidas deveriam ser aplicadas

Anunciado desde a guerra do Golfo, o naufrágio do direito internacional se acelera. Há vários anos oscilando entre a passividade e a submissão ilimitada aos diktats norte-americanos, o Conselho de Segurança das Nações Unidas, através da resolução 1368, de 12 de setembro de 2001, assina sua capitulação em favor dos Estados Unidos. Este texto parece, no entanto, apenas enfático. Porém, deve ser lido em conformidade com as disposições da Declaração da ONU.

Na verdade, o Conselho de Segurança, ao considerar os ataques de 11 de setembro como “uma ameaça à paz e à segurança internacionais”, assume a confusão, introduzida pelo presidente George W. Bush, entre essas noções. Sem retomar literalmente os atributos de ato de guerra, ele usa sua autoridade para fazer com que os atentados cometidos por pessoas privadas, em território norte-americano e através de aviões de companhias norte-americanas, passem por uma ação internacional.

“Legítima defesa” questionável

O “direito à legítima defesa individual ou coletiva” é apresentado como fundamento legal da ação militar preparada pelos Estados Unidos

Mas sobretudo, ao fazê-lo, declara-se competente, visto que, pelo artigo 24 da Declaração, os membros das Nações Unidas “conferem ao Conselho de Segurança, como responsabilidade principal, a manutenção da paz e da segurança internacionais”... E o Capítulo VII faz do Conselho o centro de qualquer ação, principalmente militar, nesse domínio. Portanto, seria de se esperar que, tendo sido qualificados os atos, o Conselho assumisse sua responsabilidade central e decidisse que medidas, dentre as de sua competência, escolhe aplicar.

Se o Conselho faz isso na área financeira, em que a resolução 1373 de 28 de setembro, baseada no Capítulo VII, implanta um controle (de aplicação problemática) no domínio do financiamento do terrorismo, na área militar, em compensação, se confirma sua abdicação. Esta assume a forma de um dos considerandos da resolução 1368, relativa ao “direito à legítima defesa individual ou coletiva conforme a Declaração”, apresentado como o fundamento legal da ação militar preparada pelos Estados Unidos1.

Entretanto, a expressão “conforme a Declaração” nega essa análise. Se reconhece o direito à legítima defesa individual ou coletiva dos Estados, o artigo 51 é rigorosamente circunscrito no tempo. Em ruptura com cinco séculos de cultura da soberania ilimitada e do direito aos Estados de fazerem a guerra, a Declaração impõe-lhes, com efeito, a renúncia ao uso da força. Em contrapartida, dá-lhes a garantia de que, se forem vítimas de uma agressão, o Conselho de Segurança exercerá, em benefício deles, a segurança coletiva.

O ciclo odioso da guerra de vingança

O direito de revidar é reconhecido, se houver condições de o fazer; porém, enquanto se esperam as medidas a serem tomadas pelo Conselho de Segurança

O uso da força não é suprimido. Mas tenta-se torná-lo mais objetivo (portanto, menos mortífero), organizando-o coletivamente. Nesse dispositivo, se o direito à legítima defesa (inspirado pela subjetividade nacional do agredido ou daquele que acredita ser agredido) se mantém, ele só pode ser exercido de modo muito rápido. Se nenhuma disposição da Declaração fere tal direito quando um Estado é agredido, isso é verdadeiro “até que o Conselho tenha tomado as medidas necessárias para manter a paz e a segurança internacionais”. Revidar, sim, se houver condições de o fazer; porém, enquanto se esperam as medidas tomadas pelo Conselho de Segurança.

Liberado do bloqueio decorrente do uso do veto durante a guerra fria a partir de 1989, o Conselho de Segurança não deixou, desde então, de se furtar a suas responsabilidades. Contra o Iraque, delegou à coalizão formada em torno dos Estados Unidos o direito de conduzir a guerra. Isso já era contra os termos da Declaração, cujo artigo 46 prevê que cabe ao Conselho a responsabilidade de estabelecer os planos militares, só podendo dividi-la com o Comitê do Estado-Maior. Em 1998 em Kosovo, protegeu, a posteriori, com uma legitimidade específica da ONU, as operações conduzidas pelos Estados Unidos em nome da Otan. Atualmente, desponta a idéia de que a legítima defesa não seria assumida pelo Conselho, o qual, ainda que se caracterize uma situação de ameaça à paz, não tomaria, entretanto, nenhuma medida coletiva em nome da ONU.

Adotando como sua a análise errônea dos Estados Unidos, as Nações Unidas permitem que se desenvolva o ciclo odioso da guerra de vingança em resposta à violência mortífera. A idéia de interromper esse ciclo por meio de um mecanismo de segurança coletiva, que compreenda também a segurança alimentar, sanitária e ambiental de todos, está inteiramente por ser inventada.
(Trad.: Iraci D. Poleti)

1 - Le Monde, 16-17 de setembro de 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Direito Internacional
» ONU
» Terrorismo
» Controle Social sobre as Empresas
» Poder Imperial dos EUA

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos